G1 Mundo

Lula diz que guerra na Ucrânia ‘escancara’ incapacidade dos países que fazem parte das Nações Unidas

today20 de setembro de 2023 7

Fundo
share close

Primeiro chefe de Estado a discursar na Assembleia Geral da ONU, em Nova York, Lula cobrou diálogo para se chegar a uma solução duradoura para o conflito no leste europeu.

Segundo ele, nenhuma saída será encontrada se não for “baseada no diálogo”.

“A guerra da Ucrânia escancara nossa incapacidade coletiva de fazer prevalecer os propósitos e princípios da Carta da ONU. Não subestimamos as dificuldades para alcançar a paz. Mas nenhuma solução será duradoura se não for baseada no diálogo. Tenho reiterado que é preciso trabalhar para criar espaço para negociações. Investe-se muito em armamentos e pouco em desenvolvimento”, afirmou.



O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, estava na plateia durante o discurso de Lula, sentado próximo à comitiva brasileira que viajou com Lula para o evento na ONU.

Desde que voltou ao cenário político mundial, o petista tem defendido o estabelecimento de um grupo de países focado na negociação da paz no leste europeu. A guerra teve em fevereiro de 2022.

Ele também já deu diversas declarações sobre o conflito – algumas delas criticadas por outros países. Isso ocorreu, por exemplo, quando Lula disse que Ucrânia e Rússia – país presidido por Vladimir Putin – têm a mesma responsabilidade pela guerra. E que Estados Unidos e União Europeia estão contribuindo para a continuidade do conflito, quando fornecem armamentos para os ucranianos.

Lula durante discurso na ONU — Foto: Mike Segar/Reuters

Reforma do Conselho de Segurança da ONU

Ainda falando sobre conflitos mundiais, Lula dedicou parte do pronunciamento à defesa de uma reforma no Conselho de Segurança da ONU. Para o presidente brasileiro, o colegiado “vem perdendo progressivamente” a credibilidade.

“Essa fragilidade decorre em particular da ação de seus membros permanentes, que travam guerras não autorizadas em busca de expansão territorial ou de mudança de regime”, disse.

“Sua paralisia é a prova mais eloquente da necessidade e urgência de reformá-lo, conferindo-lhe maior representatividade e eficácia”, completou Lula.

O petista criticou também o que chamou de “tentativa” de divisão do mundo em zonas de influência, uma “reedição” da Guerra Fria.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

onu:-lula-critica-extrema-direita-e-neoliberalismo,-cita-‘crise-do-multilateralismo’-e-cobra-reforma-de-instituicoes-como-fmi-e-omc

G1 Mundo

ONU: Lula critica extrema-direita e neoliberalismo, cita ‘crise do multilateralismo’ e cobra reforma de instituições como FMI e OMC

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva usou o discurso na abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas, nesta terça-feira (19), para criticar fenômenos como a ascensão da extrema-direita, o multilateralismo e o que chamou de "crise do multilateralismo" – e para cobrar a reforma das instituições globais. "O desemprego e a precarização do trabalho minaram a confiança das pessoas em tempos melhores, em especial dos jovens do mundo. Governos […]

today20 de setembro de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%