G1 Santos

Mãe acusa hospital em SP de negligência por morte de bebê em tentativas de parto normal: ‘gritava que queria cesárea’; VÍDEO

today22 de junho de 2022 12

Fundo
share close

Adriana Suely da Paulo Navarrete, de 23 anos, esperava sair do Hospital dos Estivadores, em Santos, no litoral de São Paulo, com a sua primeira filha no colo, mas a bebê nasceu morta pouco tempo depois dos exames constatarem que a menina estava bem de saúde. Ela acusa o hospital de negligência médica. (Confira o vídeo abaixo)

Adriana estava grávida de 40 semanas [nove meses] e apresentava picos de pressão alta o que, segundo ela, fez com que recebesse uma carta com o encaminhamento para internação e para dar à luz no dia 14 de junho. O único desejo dela era que fosse feita cesárea [parto por cirurgia], mas no Hospital dos Estivadores foi orientada a ter o parto normal.

Moradora de Guarujá, também no litoral paulista, ela contou ter escolhido ter a filha em Santos porque conhecia mulheres que deram à luz no Hospital dos Estivadores e queria se sentir segura. Adriana acrescenta que depositou muita confiança nos profissionais que a deixaram muito tranquila.

“[Eles estavam] sempre dizendo que estava dando tudo certo, em todos os momentos, em todos os exames, em todos os cardios [para verificar os batimentos cardíacos]”, contou.

Adriana, inclusive, revela ter ouvido a frases de incentivo durante a tentativa do parto normal: ‘Mãe, olha, está tudo perfeito, seu bebê está perfeito. Você está perfeita, está tudo bem. Pode demorar mesmo, primeiro filho é assim. O trabalho de parto demora, a indução demora, a indução é assim mesmo’.



Ela contou ter passado três dias no hospital e tomado cinco comprimidos para induzir o parto, mas no dia do nascimento, na última quinta-feira (16), começou a sentir dores ainda na madrugada e, por volta das 11h, foi realizada a cesárea, momento em que constataram a morte da bebê.

“A dor que eu comecei a sentir foi insuportável. Mesmo assim elas [enfermeiras] me acalmavam muito: ‘mãe, vai para o chuveiro quentinho que vai melhorar’. Fui para o chuveiro, fiquei no chuveiro alguns minutos, quase uma hora, sem ninguém me ver, sem médico nenhum, nem nada, fiquei lá com a minha mãe gritando de dor e falando: ‘quero cesárea, pelo amor de Deus, eu vou querer cesárea, não vou aguentar'”

Adriana lembra de ter escutado os batimentos cardíacos do bebê 20 minutos antes de começar a cirurgia. “Sabe quando você percebe em volta que ninguém entendia o que estava acontecendo? Os médicos ficaram fora de órbita também. Eu fui dopada, porque eu escutava as pessoas falarem, eu escutava as coisas acontecendo em minha volta, mas não conseguia nem ter reação”, relembra.

Ao g1, ela contou que escutou “1, 2, 3 respira” durante aproximadamente 40 minutos, mas a bebê não respirou e nem chorou. “Eu não vou nem ter a certidão de nascimento da minha filha”, lamenta.

A família realizou um boletim de ocorrência e exige explicações. O caso foi registrado no 4º Distrito Policial de Santos, onde o caso está sendo investigado.

Mãe perde filha no parto e acusa hospital de negligência

Mãe perde filha no parto e acusa hospital de negligência

Resposta do Hospital dos Estivadores

“O Complexo Hospitalar dos Estivadores, por meio da sua equipe técnica multiprofissional, informou que a paciente e seus familiares receberam assistência integral, suporte e acolhimento diante do caso em questão, e foram fornecidas todas as informações disponíveis até o momento. O apoio aos familiares continuará sendo fornecido pela instituição, até que a análise técnica do evento seja concluída”.

VÍDEOS: g1 em 1 minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

agressor-de-procuradora-foi-solto-por-nao-haver-flagrante-e-alega-que-sofria-assedio-moral,-diz-delegado

G1 Santos

Agressor de procuradora foi solto por não haver flagrante e alega que sofria assédio moral, diz delegado

O homem que agrediu a procuradora-geral Gabriela Samadello Monteiro de Barros, que atua em Registro, no interior de São Paulo, disse à polícia que sofria assédio moral no local de trabalho. Demétrius Oliveira Macedo, também procurador, foi ouvido pela Policia Civil e liberado na sequência, uma vez que o delegado responsável pelo caso considerou que "não havia uma situação de flagrante". A ação foi filmada por outra funcionária e mostra […]

today22 de junho de 2022 43

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%