G1 Mundo

Mais da metade dos hospitais em Gaza não está funcionando, diz ONU; Israel afirma ter mandado combustível

today13 de novembro de 2023 7

Fundo
share close

“Aqueles que ainda funcionam estão sob enorme pressão e só podem fornecer serviços de emergência, cirurgias que salvam vidas e serviços de cuidados intensivos muito limitados”, afirma as agências (UNFPA, UNICEF e OMS) em comunicado.

Um deles, segundo a ONU, é o hospital Al-Shifa, o maior da Faixa de Gaza, e que se tornou o epicentro do conflito por terra entre Israel e o Hamas. Tropas israelenses cercam o hospital, na Cidade de Gaza, onde alegam que o Hamas montou um quartel-general subterrâneo. O grupo terrorista nega.

Nesta segunda-feira, as incubadoras que mantêm vivos recém-nascidos do Al-Shifa foram desligadas por falta de energia, segundo o Ministério da Saúde da Faixa de Gaza, controlado pelo Hamas.



A pasta afirmou ainda que três bebês prematuros morreram.

As Forças de Defesa de Israel alegaram que forneceram galões de combustíveis para abastecer a energia do hospital e divulgaram um vídeo que mostra soldados israelenses deixando os galões na entrada do local (veja vídeo acima).

Mas Israel acusa o Hamas de ter proibido médios e a equipe do hospital de sair para pegar o combustível.

O Ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas, afirmou que Israel ofereceu 300 litros de combustível, mas que essa quantidade abasteceria o hospital por apenas meia hora – o hospital, segundo o Hamas, precisa de 8.000 a 10.000 litros de combustível por dia.

Além dos pacientes, o hospital Al-Shifa também tem servido de abrigo para a população local. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), há cerca de 2.300 pessoas dentro do hospital.

“A situação (no hospital Al-Shifa) é terrível e perigosa”, afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Bebês recém-nascidos são colocados em cama após serem retirados de incubadora por falta de energia no hospital Al-Shifa, em Gaza, segundo o Hamas, em 12 de outubro de 2023. — Foto: Reuters

Nos últimos 36 dias, a Organização Mundial da Saúde (OMS) registou pelo menos 137 ataques a hospitais em Gaza, com 521 mortes e 686 feridos.

A OMS, que tem agentes na zona de guerra entre Hamas e Israel, falou na semana passada que sua contagem de mortos está muito próxima do número contabilizado pelo Ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas: cerca de 11 mil pessoas.

Chefe da OMS afirma que maior hospital da Faixa de Gaza não opera mais como hospital

Chefe da OMS afirma que maior hospital da Faixa de Gaza não opera mais como hospital

VÍDEOS: imagens do conflito entre Israel e Hamas




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

massa-inverteu-os-papeis-e-desconstruiu-milei-no-debate-argentino

G1 Mundo

Massa inverteu os papéis e desconstruiu Milei no debate argentino

Deu certo. O que se viu foi um candidato hesitante, que repetia frases feitas, à beira do descontrole. Exposto por Massa como se estivesse numa sabatina, Milei não conseguiu explicar como vai extinguir o Banco Central, dolarizar a economia argentina ou tarifar a educação pública. O que se viu foi uma inversão de papéis. Por representar um governo desgastado, com hiperinflação, pobreza e endividamento, cabia a Massa ficar na berlinda. […]

today13 de novembro de 2023 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%