G1 Mundo

Mais de 1.600 crianças de Gaza têm desnutrição aguda grave, diz OMS

today13 de junho de 2024 7

Fundo
share close

Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom disse que relatos de aumento na entrada de alimentos ainda não refletiu na melhora nutricional da população. ‘Fome catastrófica’, disse Adhanom.


Mais de 1.600 crianças da Faixa de Gaza estão em situação de desnutrição aguda grave, e boa parte da população sofre com “fome extrema e catastrófica”, afirmou o diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom.



“Uma proporção significativa da população de Gaza enfrenta agora uma fome catastrófica e condições análogas à fome”, afirmou o Diretor-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

“Apesar dos relatos de aumento na distribuição de alimentos, atualmente não há evidências de que aqueles que mais precisam estejam recebendo alimentos em quantidade e qualidade suficientes”.

Tedros disse que havia mais de 8 mil crianças menores de cinco anos que foram diagnosticadas e tratadas de desnutrição aguda, incluindo 1.600 crianças com desnutrição aguda grave.

“No entanto, devido à insegurança e à falta de acesso, apenas dois centros de estabilização para pacientes gravemente desnutridos podem funcionar”, acrescentou.

“A nossa incapacidade de prestar serviços de saúde com segurança, combinada com a falta de água potável e saneamento, aumenta significativamente o risco de crianças subnutridas”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

nos-eua,-suprema-corte-mantem-acesso-pleno-a-pilula-abortiva

G1 Mundo

Nos EUA, Suprema Corte mantém acesso pleno a pílula abortiva

Estima-se que mais de seis a cada 10 abortos realizados nos EUA em 2023 tenham sido realizados por meio de medicações, incluindo a mifepristona, que era alvo de ação legal de grupos antiaborto. Caixas do medicamento abortivo mifepristona em prateleira de centro de acolhimento a mulheres na cidade de Tuscaloosa, no Alabama, EUA — Foto: Allen G. Breed/AP Photo A Suprema Corte dos EUA decidiu, por unanimidade, manter o acesso […]

today13 de junho de 2024 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%