G1 Mundo

Médica brasileira se abriga em banheiro de hotel durante terremoto no Marrocos

today10 de setembro de 2023 5

Fundo
share close

Quando tudo começou a tremer em Marraquexe, no Morrocos, na noite de sexta-feira (8), a médica Bianca Ludemberg e o marido não perceberam de imediato o que estava acontecendo.

“Demorou um pouco para a gente entender que era um terremoto de fato, e nos escondemos no batente da porta do banheiro”.

O casal de São Paulo estava hospedado no centro de Marraquexe, cidade tombada pela Unesco que teve cerca de um terço da população afetada pelo tremor. Eles estão a turismo no país.



“Foram 15 segundos que demoraram [como se fosse] 15 minutos, foi o tempo de colocar um tênis, pegar o passaporte, sair correndo e ficar no pátio do hotel”, conta a médica. Ela e o marido passaram a noite de sexta para sábado na rua, ao relento, junto com a população marroquina.

No sábado (9), ela e o marido conseguiram sair da cidade e chegaram a Merzouga, a mais de 500 km de Marraquexe.

O sismo — de magnitude 6,8 — fez com que as pessoas corressem para as ruas de Marraquexe e de outras cidades próximas. A estimativa é de que um terço da população da cidade tenha sido afetada – cerca de 300 mil pessoas.

O rei Mohammed 6º declarou três dias de luto nacional e determinou o fornecimento de abrigo, comida e outras formas de ajuda aos sobreviventes.

Muitas das mortes ocorreram em áreas montanhosas de difícil acesso. Há também o registro de 1.400 pessoas gravemente feridas. A maioria das vítimas mais está nas províncias ao sul de Marrakech.

O terremoto ocorreu pouco depois das 23 horas, no horário local (19h de Brasília), a uma profundidade relativamente rasa, a cerca de 71 km a sudoeste de Marraquexe, de acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

O Ministério do Interior afirma que a província de Al Haouz tem o maior número de mortos, seguida pela província de Taroudant.

Acredita-se que muitas casas simples de tijolos de barro, pedra e madeira em aldeias montanhosas tenham desabado, mas levará algum tempo até que se conheça a escala da devastação em áreas remotas.

A repórter marroquina Aida Alami cresceu em Marrakech e tem mantido contato com os pais, que moram na cidade. Ela diz que o terremoto foi totalmente inesperado.

“Não é um país onde as pessoas saibam o que fazer em caso de terremotos. As pessoas só ficam do lado de fora. Elas estavam realmente preocupadas com os tremores secundários e não sabiam o que fazer e ninguém lhes dizia o que fazer”, afirmou ela.

Em Marraquexe, mulher olha escombro de edifício destruído pelo terremoto que atingiu o Marrocos na noite deste sábado (9). — Foto: Fadel Senna/AFP




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

marrocos:-numero-de-mortos-no-terremoto-sobe-e-chega-a-2.122

G1 Mundo

Marrocos: número de mortos no terremoto sobe e chega a 2.122

O terremoto também feriu 2.421 pessoas, informou o ministério em comunicado. O balanço anterior apontava 2.012 mortos e 2.059 feridos. As equipes de resgate aceleraram a busca por possíveis sobreviventes presos sob os escombros de cidades devastadas no Marrocos por um violento terremoto, que já deixou mais de 2.000 mortos. O terremoto, na noite de sexta-feira, teve uma magnitude de 6,8 segundo os serviços geológicos americanos, e de 7 segundo […]

today10 de setembro de 2023 18

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%