G1 Mundo

Ministro da Defesa de Israel viaja a Washington para negociações ‘cruciais’ sobre guerra em Gaza

today23 de junho de 2024 6

Fundo
share close

➡️ O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu pediu a aceleração do processo de desbloqueio do envio de armas e munições por parte dos Estados Unidos, aliado histórico do país, depois que o chefe de Governo israelense criticou o atraso no fornecimento nos últimos meses.

Netanyahu disse neste domingo ao seu gabinete que o “desentendimento” com Washington, que critica o elevado número de civis mortos em Gaza, será solucionado em breve.

“À luz do que ouvi no último dia, espero e acredito que esta questão será resolvida em um futuro próximo”, acrescentou.



Netanyahu disse ao seu gabinete que o bloqueio no envio de armas ocorreu começou quatro meses atrás, sem especificar quais armas, de acordo com a AP.

O premiê disse apenas que “alguns itens chegaram esporadicamente, mas a maioria das munições ficou para trás”.

O bloqueio mostra como aumentaram as tensões entre Israel e Washington sobre a guerra em Gaza, principalmente em torno da conduta militar de Israel.

Joe Biden, presidente dos EUA, vem atrasando o envio de artilharia pesada desde maio por conta dessas preocupações. Porém, sua administração refutou a acusação de que outros envios tenham sido afetados.

Em um momento de tensão entre Israel e Estados Unidos, o ministro da Defesa, Yoav Gallant, viaja a Washington para, em suas próprias palavras, “abordar os acontecimentos em Gaza e no Líbano”.

“Nossos vínculos com os Estados Unidos são mais importantes do que nunca. Nossas reuniões com as autoridades americanas são cruciais para a guerra”, afirmou Gallant em um comunicado.

A fronteira norte de Israel, com o Líbano, é cenário de aumento da violência entre o Exército israelense e o Hezbollah, aliado do Hamas, o que provoca o temor de propagação do conflito por outros países do Oriente Médio.

O grupo pró-Irã anunciou neste domingo que atacou duas posições militares no norte de Israel com drones, em resposta à morte de um de seus comandantes.

Em Gaza, os bombardeios israelenses prosseguem de modo incessante. Testemunhas relataram ataques neste domingo nas imediações e no centro da cidade de Rafah, extremo sul do território palestino, onde o Exército iniciou uma ofensiva terrestre em 7 de maio.

Também foram registrados bombardeios na Cidade de Gaza, ao norte, e tanques abriram fogo contra o campo de refugiados de Nuseirat, no centro.

O Exército israelense indicou que caças atacaram no sábado “dezenas de alvos terroristas na Faixa de Gaza, incluindo instalações militares e infraestruturas, em operações direcionadas” em Rafah.

Bombardeios matam 42 na Faixa de Gaza

Bombardeios matam 42 na Faixa de Gaza

“Os terroristas foram eliminados em combates corpo a corpo e por franco-atiradores e drones” no centro do território, acrescenta uma nota militar.

A guerra começou em 7 de outubro, quando militantes do Hamas invadiram o sul de Israel e mataram 1.194 pessoas, a maioria civis, segundo um balanço baseado em dados oficiais israelenses.

Também sequestraram 251 pessoas, das quais 116 pessoas continuam em cativeiro em Gaza, incluindo 41 que teriam morrido, segundo o Exército israelense.

Em resposta, Israel iniciou uma ofensiva na Faixa de Gaza, governada pelo Hamas desde 2007, que deixou pelo menos 37.598 mortos, também em sua maioria civis, segundo o Ministério da Saúde do território.

Netanyahu, para quem Israel está travando uma “guerra por sua existência”, está cada vez pressionado no país.

Mais de 150 mil pessoas, segundo os organizadores, participaram no sábado em uma manifestação em Tel Aviv contra o governo de Netanyahu: o grupo pediu eleições antecipadas e o retorno dos reféns.

“A única forma de conseguir uma mudança aqui é retirar este governo, retirar os extremistas”, declarou Maya Fischer, uma manifestante de 36 anos, durante o protesto, o maior desde o início da guerra.

“É hora de acabar com a guerra, trazer os reféns e salvar vidas, tanto do lado israelense como do lado palestino”, acrescentou.

As negociações para um cessar-fogo estão paralisadas. Netanyahu insiste que prosseguirá com a guerra até a destruição do Hamas, considerado um grupo terrorista por Israel, Estados Unidos e União Europeia.

Quase 2,4 milhões de pessoas estão aglomeradas e à beira da fome no estreito território palestino, segundo a ONU.

“Mais de um milhão de pessoas estão em deslocamento constante, em busca de um local seguro, mas não há nenhum local seguro no território”, alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS).




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

milei-e-recebido-com-protestos-na-alemanha

G1 Mundo

Milei é recebido com protestos na Alemanha

A convocação para a manifestação foi feita por organizações da diáspora argentina e latino-americana, ONGs alemãs e organizações de esquerda. No domingo, Milei se reuniu brevemente com o chanceler federal Olaf Scholz, numa visita que teve a programação drasticamente reduzida nos últimos dias. Homenagem de grupo associado à ultradireita Com faixas com mensagens como "Miséria Neoliberal", alguns ativistas se reuniram em frente ao hotel onde Milei recebeu a medalha da […]

today23 de junho de 2024 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%