G1 Mundo

Miss Piggy e Kermit: os dois aviões da década de 1970 que voam no olho dos furacões mais devastadores do mundo

today3 de julho de 2024 10

Fundo
share close

Entre esses furacões está o Beryl, que chega à Jamaica nesta quarta-feira (3). O furacão é de categoria 5 —o que significa um potencial de causar danos “catastróficos” e ventos iguais ou superiores a 252 km/h, segundo a escala Saffir-Simpson. Entenda a escala aqui.

As aeronaves são dois quadrimotores Lockheed WP-3D Orion, a serviço do governo americano desde 1976. No Brasil, os Electra, versão comercial dessa aeronave, ficaram conhecidos por voar na ponte aérea entre São Paulo e Rio até 1992. Eles voam a até 8.200 metros de altitude, a até 463 quilômetros por hora, e podem voar 11 horas e meia sem precisar abastecer.

Ambos integram os “Caçadores de furacões”, grupo de cientistas da Agência Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA, na sigla em inglês). Eles são usados é usado frequentemente pela NOAA para colher dados de tempestades tropicais, ciclones e furacões e fornecê-los a agências de previsão do tempo. Por isso, foi batizado pela própria agência de “caçador de furacões”.



As medições, segundo a NOAA, ajudam a compreender a estrutura de uma tempestade e os ventos que a orientam. As aeronaves têm sondas e radares que medem pressão, temperatura, umidade e vento. Os dados são usados ​​em modelos de computador que ajudam os meteorologistas a prever a intensidade do furacão e onde e quando atingirá a terra.

Tripulação a bordo do ‘Kermit’, um dos aviões dos Caçadores de Furacão, em imagem de 2022 — Foto: Reprodução

Um trecho de um vídeo de 2022 divulgado pela agência mostra a tripulação do Kermit chacoalhando ao passar por um furacão; todos estavam de cinto de segurança. Veja acima.

“É como andar de montanha-russa em um lava-rápido, porque você não consegue ver nada pelas janelas na parede do olho [do furacão]. É como uma lavagem de carro. Na verdade, mesmo no meio do dia escurece dentro do avião”, disse Richard Henning, diretor de voo da NOAA, no mesmo vídeo.

As missões, segundo ele, levam entre oito e nove horas. As aeronaves preenchem uma lacuna tecnológica: por voar a baixa altitude, fornecem informações de furacões que não estão disponíveis em radares terrestres ou informações de satélite, de acordo com a NOAA.

Miss Piggy e Kermit já atuaram em missões no Atlântico, Caribe, Golfo do México, Ártico, Alasca e Pacífico.

Kermit, um dos aviões dos “Caçadores de Furacões” — Foto: Wikimedia Commons

Avião de pesquisa dos EUA voa dentro do olho do furacão Beryl

Avião de pesquisa dos EUA voa dentro do olho do furacão Beryl

O furacão “Beryl“, que avança pelo Caribe, ganhou força e foi reclassificado como de categoria 5 — a maior na escala. Esta é a primeira vez que um fenômeno do tipo chega ao Caribe em um mês de junho já com essa força, o que fez autoridades preverem uma temporada de furacões severos na região.

O furacão já deixou seis mortos após tocar o solo, um deles em São Vicente e Granadinas, dois na Venezuela e os outros três em Granada, ambos países no sudeste do Caribe, segundo autoridades locais.

Classificado pelo Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC, na sigla em inglês) como “extremamente perigoso”, o Beryl ganhou mais força do que o inicialmente previsto e com mais velocidade, e pode atingir ventos de até 270 km/h.

Olho do Furacão Beryl é visto do espaço

Olho do Furacão Beryl é visto do espaço

O Beryl tocou solo na segunda-feira (1º) na ilha de Carriacou, em Granada. Logo depois, passou por São Vicente e Granadinas e Barbados. Agora, segundo um boletim do NHC desta terça-feira (2), se aproxima da Jamaica, onde deve passar na quarta-feira (3).

Durante a semana, o furacão continuará avançando pelo Caribe em direção à costa do México. No entanto, as autoridades projetam que o fenômeno perca força ao longo dos dias. Ainda assim, alertas foram emitidos para o Haiti, as Ilhas Cayman, Belize e para cidades que estão no sudoeste do Golfo do México.

Furacão Beryl é visto do espaço — Foto: Reprodução/Reuters

Avião da Agência de Administração Atmosférica e Oceânica (NOAA) dos EUA faz voo dentro de olho do furacão Beryl, em 2 de julho de 2024. — Foto: NOAA

Barcos empilhados após passagem do furacão Beryl por Bridgetown, em Barbados, em 1º de julho de 2024. — Foto: Ricardo Mazalán/ AP

Homens puxam barco atingido por passagem de furacão Beryl em Bridgetown, em Barbados, em 1º de julho de 2024. — Foto: Ricardo Mazalán/ AP

Furacão Beryl sobe para categoria 5

Furacão Beryl sobe para categoria 5

O Beryl é o primeiro da temperada de furacões na região — que geralmente vai de julho a setembro — e o maior já registrado em um mês de junho na história do Caribe.

O furacão começou a se formar na última semana como uma instabilidade e foi ganhando força. Veja a cronologia:

  • 🌪️ 25 de junho: começa uma instabilidade na atmosfera, favorecendo a formação de uma tempestade.
  • 🌪️ 28 de junho: o que era uma instabilidade, ganha força seguindo em direção ao Caribe e se transforma em uma tempestade tropical. Até aqui, a previsão era de ventos de 56 km/h.
  • 🌪️ 30 de junho: passou a ser classificado como furacão e entrou na categoria 3 (de uma classificação que vai até 5).
  • 🌪️ Ainda no dia 30 de junho: passou a categoria 4, com alerta de extremo perigo, com ventos de até 240 km/h.
  • 🌪️ 1º de julho: reclassificado para a categoria 5.

Segundo o NHC, uma tempestade tão poderosa no início da temporada de furacões, que vai de junho ao final de novembro no Atlântico, é extremamente rara.

Especialistas afirmam que o Beryl ganhou essa proporção em tão pouco tempo por causa das águas ferventes do oceano. As temperaturas na região onde a tempestade se formou estão até 3°C acima da média.

No fim de maio, a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA) já havia adiantado que a temporada de furacões deste ano seria “extraordinária”, com até sete tempestades de categoria 3 ou superior.

Projeção indica caminho do furacão Beryl pelo Caribe — Foto: NHC/Reprodução

Ilhas no Caribe se preparam para chegada do Furacão Beryl com ventos de 195 km/h

Ilhas no Caribe se preparam para chegada do Furacão Beryl com ventos de 195 km/h

VÍDEOS: mais assistidos do g1




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

eleicoes-nos-eua-2024:-cresce-pressao-para-biden-desistir-da-disputa

G1 Mundo

Eleições nos EUA 2024: cresce pressão para Biden desistir da disputa

Alguns aliados estão reconhecendo os problemas de Biden, mas contrastando suas políticas e histórico com os de Donald Trump, o republicano. O senador progressista Bernie Sanders, que foi rival de Biden pela indicação democrata em 2020, disse à Associated Press que o desempenho de Biden no debate foi "doloroso" e que não está confiante na vitória do presidente. No entanto, ele não quer que Biden desista e pediu aos eleitores […]

today3 de julho de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%