G1 Mundo

‘Moedor de carne de Verdun’: por que batalha da 1ª Guerra é comparada a mais longo embate da guerra na Ucrânia

today2 de abril de 2023 11

Fundo
share close

Uma batalha semelhante se desenrola do outro lado da Europa 106 anos após Verdun, na pequena cidade ucraniana de Bakhmut, em Donbas, na Ucrânia. Após meses de ataques do exército russo, os campos, pistas e trincheiras ao redor de Bakhmut parecem quase indistinguíveis das paisagens apocalípticas de Verdun.

É difícil verificar os números, mas autoridades ucranianas e analistas ocidentais já estão falando em dezenas de milhares de russos mortos em ataques de infantaria contínuos contra posições ucranianas. As Forças Armadas russas também sofreram grandes perdas em Bakhmut.

Mas como foi a Batalha de Verdun em 1916 e por que ela se assemelha aos eventos de Bakhmut?



Batalha de Verdun durou dez meses, com grandes perdas em ambos os lados — Foto: GETTY IMAGES

Dos gauleses às guerras franco-prussianas

Verdun é uma cidade antiga no rio Meuse, fundada pelos gauleses e conhecida pelos romanos como Verdenum.

Ao longo de sua história, Verdun estava frequentemente no epicentro de conflitos, especialmente as guerras franco-prussianas dos séculos 18 e 19, que moldaram seu simbolismo para os franceses como fortaleza nas batalhas contra os alemães.

Além disso, Verdun está localizada em uma das principais estradas nas fronteiras da Alemanha que leva a Paris, e quando as tropas prussianas tomaram a cidade em 1792, muitos na França a viram como um “caminho aberto” para a capital francesa (embora os alemães não tenham tirado proveito dessa oportunidade na época).

No início da Primeira Guerra, Verdun era uma área fortificada no leste da França, composta pela própria cidade e vários fortes ao seu redor. No entanto, nos dois primeiros anos da guerra, foi uma parte relativamente tranquila do front — todas as principais ações ocorreram primeiro perto da Bélgica e, mais tarde, na Batalha de Marne, onde os planos dos alemães de uma rápida vitória sobre os franceses foram estilhaçados.

Mas também houve hostilidades ali e, no início de 1916, Verdun acabou sendo uma protrusão da linha de defesa francesa nos territórios capturados pelos alemães.

Essa situação é lembra Bakhmut na guerra russa-ucraniana. Esta cidade também foi considerada um local relativamente tranquilo após uma breve hostilidade em 2014. Por oito anos, Artemivsk, mais tarde renomeada Bakhmut, era um importante centro de logística para as Forças Armadas a 30 km da linha de frente.

Tudo isso mudou com o início de uma invasão russa em larga escala em fevereiro de 2022. Em abril, eles destruíram e capturaram a cidade vizinha de Popasna, de onde gradualmente avançaram em direção a Bakhmut, que está no caminho das tropas russas para as principais cidades de Donbass: Kostiantynivka, Kramatorsk e Slavyansk.

Assim, no início de 2023, Bakhmut se tornou uma projeção das posições das Forças Armadas ucranianas na linha de frente russa.

No início de 1916, Verdun era um distrito fortificado que penetrava nos territórios controlados pelos alemães — Foto: BBC/ BRIDGEMAN

Preparação para a ofensiva

As batalhas de 1914-1915 na frente ocidental da “Grande Guerra”, como a Primeira Guerra Mundial foi chamada, apesar de todo o derramamento de sangue, não deram uma vantagem decisiva a nenhum dos lados, e o conflito obviamente começou a se arrastar.

Portanto, o comandante da equipe geral de campo alemão, Erich von Falkenhain, decidiu fazer um ataque concentrado e poderoso em uma das áreas do front, que, segundo seu plano, deveria destruir a linha de defesa dos aliados (Grã -Bretanha e França), gradualmente fazer sangrar o Exército francês e forçar os franceses a negociar a paz nos termos alemães

Como local para a ofensiva, o comandante alemão escolheu Verdun — a “porta de entrada simbólica para Paris”. Os alemães não queriam realmente avançar até a capital francesa, mas forçar o inimigo a se defender aqui com toda sua força, o que levaria a perdas constantes.

E o filho mais velho do kaiser alemão, o príncipe herdeiro Wilhelm 3º da Prússia, deveria comandar o ataque, o que acrescentou simbolismo e peso a toda a operação.

Os franceses tinham seus próprios planos para 1916.

O comandante do Exército francês, Joseph Joffre, estava preparando sua própria ofensiva no rio Somme com os britânicos, que deveriam encerrar a guerra em favor dos aliados.

Essa era a prioridade absoluta de Joffre. Todas as outras partes do front foram consideradas por ele como secundárias. Chegou até o ponto em que parte da artilharia foi retirada dos fortes ao redor de Verdun e as guarnições foram reduzidas, consideradas inadequadas para uma área tão pacífica.

Enquanto isso, os alemães começaram a se preparar para sua grande ofensiva – a rede ferroviária lhes permitiu trazer munição e pessoal para perto do local do próximo ataque, enquanto do lado francês a posição em Verdun estava bastante isolada logisticamente.

Tudo isso permitiu que houvesse uma concentração de tropas significativamente maior em comparação com os franceses, bem como uma relevante vantagem em artilharia e explosivos. Isso é outro paralelo com Bakhmut, onde os russos têm uma grande vantagem sobre as Forças Armadas ucranianas no número de combatentes, sistemas de artilharia e munição.

Até um certo momento, todos os preparativos dos alemães foram disfarçados com sucesso e permaneceram em segredo para os franceses, embora os oficiais na linha de frente tenham notado o movimento das forças alemãs e até sinalizado isso para o comando.

Um exemplo impressionante é a história de Emile Drian, um deputado francês de Lorraine, que foi convocado no início da guerra e, no posto de coronel, comandou uma unidade de 2,2 mil homens de infantaria leve, que foram chamados de “caçadores”.

Eles estavam na linha de frente de Verdun na floresta de Kor, e o coronel Drian relatou ao comando francês até o nível de Joffre sobre os preparativos para a ofensiva alemã.

Joffre, no entanto, não aceitou esses avisos e os retratou no plano político como uma “desobediência ao comando”.

Ex-deputados também estão lutando em Bakhmut, como, por exemplo, Yuriy Syrotyuk, que agora é um lançador de granadas da 5ª Brigada de Assalto das Forças Armadas da Ucrania. O ex-promotor-geral Yuriy Lutsenko também atuou lá, mas ele foi removido por “razões políticas”.

Soldados franceses com uma metralhadora no forte Duomont perto de Verdun — Foto: IMPERIAL WAR MUSEUMS

O início da ofensiva e a perda de Duomont

Os alemães atacaram Verdun em um dia ensolarado em 21 de fevereiro de 1916. Isso foi precedido por um enorme treinamento de artilharia sobre as posições francesas, que é um análogo do “vale do fogo” das táticas dos russos na guerra na Ucrânia.

O general Philippe Pétain, comandante da defesa de Verdun nos primeiros estágios, descreveu os eventos da seguinte maneira:

“Em nenhum outro lugar, em qualquer front e em qualquer batalha, nada assim era conhecido. Os alemães tentaram criar uma ‘zona de morte’ na qual nenhuma parte poderia aguentar. Nuvens de aço, ferro fundido, estilhaços e gases venenosos se abriram sobre nossas florestas, ravinas, trincheiras e bunkers, destruindo literalmente tudo. Explosões terríveis sacudiram nossos fortes, cobrindo-os com fumaça. É impossível descrever esse avanço, o que certamente é inigualável em vigor. No estreito triângulo entre Brabant, Orne e Verdun, o incêndio devastador de mais de 2 milhões de bombas ficou concentrado.”

Os alemães esperavam que sua artilharia suprimisse completamente a resistência francesa e que grupos de assalto com lança-chamas fossem capazes de ocupar facilmente suas trincheiras. Mas, apesar das perdas realmente grandes, alguns dos defensores franceses foram capazes de sobreviver.

Embora os mencionados “caçadores” do coronel Drian tenham se retirado da floresta de Kor destruídos por bombas, eles constantemente revidaram e conseguiram conter a ofensiva alemã por quase um dia. Como resultado, de mais de 2 mil homens, 1,7 mil morreram, entre eles o próprio Drian.

A resistência das unidades avançadas dos franceses nas trincheiras em ruínas perto de Verdun, no entanto, permitiu que o comando percebesse o risco concreto e começasse a transferir reforços para aquela parte do front.

“Em 21 de fevereiro, à tarde, as tropas alemãs avançaram em pequenas unidades e, na manhã do dia 22 (depois de uma noite durante a qual a artilharia continuou emitindo sem descansar seu diabólico ‘ruído’) já em colunas, empurrando umas às outras, eles esperavam avançar com rifles em seus ombros”, escreveu o general Pétain.

As táticas de pequenos grupos de assalto são usadas até hoje pelos russos perto de Bakhmut, que invadiram as trincheiras ucranianas com unidades de 15 a 30 combatentes.

A maior conquista nos primeiros dias da ofensiva alemã foi a captura do maior forte de Verdun, chamado Duomont.

Essa estrutura defensiva estava localizada em uma colina e oferecia uma boa vista de toda a área em torno de Verdun. Mas o poder de fogo de Duomont foi enfraquecido pelo fato de que parte das armas havia sido retirada dali, e a pequena guarnição consistia principalmente de reservistas idosos. A infantaria francesa, recuando sob pressão da artilharia alemã, não queria ocupar o forte, acreditando que seria o alvo principal das armas do kaiser.

Em 25 de fevereiro, a Companhia de Brandenburgo do terceiro corpo prussiano de tropas alemãs sob o comando do tenente Brandis foi para Duomont. Uma companhia com 100 a 200 homens era uma unidade pequena o suficiente para invadir um grande forte, mas o tenente Brandis, no calor da batalha, ordenou um ataque a Duomont, que foi tomado quase sem resistência.

“O tenente Brandis é um homem corajoso, ele poderia ser um exemplo para os oficiais juniores. Quantos outros e os melhores começariam a hesitar diante de um terrível obstáculo, nos flancos dos quais se poderia presumir a existência de numerosas armas de defesa capazes de desempenhar seu papel”, afirmou Pétain em homenagem ao inimigo.

Em alguns dias, as forças alemãs ocuparam o vilarejo de mesmo nome perto de Duomont, onde capturaram os remanescentes da guarnição francesa local. Entre os franceses capturados, estava um policial de 25 anos, Charles de Gaulle, que já havia sido ferido pela terceira vez nesta guerra. Como resultado, ele passou 32 meses em cativeiro na Alemanha, embora temha tentado escapar muitas vezes. O futuro herói da Segunda Guerra Mundial e presidente da França foi libertado apenas após o armistício de Compiègne em novembro de 1918.

A perda de Duomont, chave para Verdun, pode ser comparada à captura pelos russos de Soledar, um importante ponto de defesa das Forças Armadas ucranianas perto de Bakhmut. Mas, em Soledar, o Exército russo pagou um preço alto e sofreu grandes perdas.

Soldados alemães fazem disparos — Foto: IMPERIAL WAR MUSEUMS

Apesar de certos feitos dos alemães, durante os primeiros dias da ofensiva, eles foram capazes de avançar nos territórios franceses em apenas cinco ou seis quilômetros, o que não foi crítico e claramente não correspondeu aos planos de Falkenhain e do príncipe herdeiro.

Pétain, por outro lado, conseguiu estabelecer a comunicação entre diferentes partes da área fortificada de Verdun e criar um sistema de rotação de divisões que ficavam esgotadas durante as batalhas.

Tudo isso diminuiu o avanço alemão, embora eles possuíssem a vantagem no campo de batalha e continuassem a atacar, bem como a destruir sistematicamente a cidade de Verdun com bombardeios (assim como os russos agora em Bakhmut).

No entanto, a artilharia francesa se fortaleceu seriamente e foi capaz de infligir fortes perdas aos alemães.

Durante a primavera de 1916, a Batalha de Verdun finalmente se transformou em “guerra de trincheiras”, na qual ambos os lados estavam separados por campos repletos de arame farpado e minas, e as principais perdas ocorreram por causa de disparos da artilharia.

Ao mesmo tempo, a situação dos franceses perto de Verdun melhorou com mudanças no front oriental, onde o Exército do Império Russo (aliado da França e Grã-Bretanha), após as derrotas dos primeiros anos da guerra, de repente partiu para a ofensiva contra a Áustria-Hungria (aliada da Alemanha).

Esse ataque, conhecido como a “Ofensiva Breakthrough”, ocorreu no território da Ucrânia.

“O general Brusilov reagrupou suas forças durante o inverno e, superando grandes dificuldades organizacionais, preparou secretamente uma ofensiva poderosa que estávamos aguardando ansiosamente. Começou em 4 de junho. Tendo explorado com sucesso o pânico e o desespero dos austro-hungaros, ele avançou no front em Volhynia e Bukovina por mais de 50 km e enviou seus exércitos por essa brecha. As tropas alemãs no oriente tentaram limitar a extensão da derrota, mas eram fracas demais para ter sucesso. Nesse momento crítico, o alto comando alemão, que aguardava um rápido avanço dos britânicos, teve que enviar novos reforços para o front oriental”, escreveu Pétain.

No entanto, apesar de tudo, os alemães continuaram atacando e, no início de junho, invadiram com sucesso outro ponto fortificado dos franceses perto de Verdun: o forte Vaux.

A guarnição francesa que estava lá sob o comando do major Renal, que se viu isolafa do resto das forças, tinha apenas um pombo correio para se comunicar com o comando. Em 4 de março, um pássaro levou as seguintes notícias: “Ainda estamos resistindo, mas há um ataque muito perigoso com gases e fumaça. Precisamos nos retirar com urgência. Ordem para estabelecer comunicação óptica com nós via Souville [nota da redação: outro forte nessa área], que não responde aos nossos contatos… este é nosso último pombo”.

Nos dias seguintes, várias outras mensagens foram enviadas já por meio de sinais ópticos. Por exemplo, em 6 de junho, eles disseram: “Avancem antes que estejamos completamente mortos. Viva a França!”.

E, na noite de 7 de junho, chegou a última mensagem, incompleta: “Não se retirem…”.

No mesmo dia, 458 defensores franceses do forte, que ficaram sem água, se renderam aos alemães. E o príncipe herdeiro Wilhelm, em reconhecimento à sua bravura, ordenou que fossem tratados com respeito especial.

Naqueles dias, os franceses tentaram recuperar o forte, mas sem sucesso — a artilharia alemã e as metralhadoras barraram todas essas tentativas.

Naqueles dias, os franceses tentaram recuperar o forte, mas sem sucesso — a artilharia alemã e as metralhadoras barraram todas essas tentativas. — Foto: REUTERS

Durante a primeira metade do verão de 1916, os alemães fizeram várias outras tentativas de ataques decisivos, o último dos quais foi a invasão do forte Sauville em 11 de julho. As tropas do kaiser conseguiram avançar até o forte, mas depois foram repelidas pela artilharia francesa.

Como resultado, na noite de 11 de julho, o príncipe herdeiro Wilhelm recebeu uma ordem para “entrar em defesa absoluta”.

Assim, a iniciativa em Verdun passou gradualmente para o lado francês, o que foi facilitado pelo início da ofensiva aliada em Somme em 1º de julho.

No final de agosto, devido a falhas em várias frentes, o kaiser substituiu o comandante das forças alemãs, Erich von Falcenhain, por Paul Von Hindenburg.

“Verdun estava se tornando uma grande ferida que estava minando nossas forças e, portanto, seria racional mudar nossas posições para uma área fora das trincheiras”, escreveu Hindenburg sobre suas impressões do campo de batalha de Verdun.

Ao mesmo tempo, o “moedor de carne de Verdum” durou mais de cinco meses.

O general Pétain insistiu que o máximo possível de artilharia fosse transferido para Verdun, incluindo pesados morteiros de 370 mm e 400 mm.

Os defensores ucranianos de Bakhmut falam regularmente sobre a necessidade de se igualarem em artilharia com os russos – segundo eles, essa é a principal condição para uma defesa bem-sucedida da cidade.

Philippe Pétain conseguiu fazer isso no outono de 1916, quando os armamentos de grandes calibres finalmente chegaram perto de Verdun, o que permitiu aos franceses recuperar Duomont em 24 de outubro.

“Cinco acertos de nossos morteiros de 400 mm em 23 de outubro causaram a destruição completa da enfermaria e as quatro casamtas mais importantes do primeiro andar. À noite, foi destruída a estação de engenharia, o armazém de detonadores e cartuchos para metralhadoras foi incendiado, e a maioria das passagens ficaram inabitáveis, preenchidas por fumaça densa e ácida. Devido à escassez de água, [os alemães] fizeram tentativas totalmente fúteis de extinguir os incêndios com garrafas de água com gás destinadas aos feridos. No dia 24, entre 5 e 7 da manhã, a guarnição abandonou o forte, deixando apenas 20 soldados lá”, disse Pétain ao descrever a captura de Duomont.

No início de novembro, os franceses, com o apoio da artilharia, foram capazes de recuperar o forte Vaux.

O Exército francês continuou a avançar e, em meados de dezembro, ocupava praticamente todos os territórios que haviam perdido desde o final de fevereiro.

Em 16 de dezembro, foi anunciado o final da batalha por Verdun.

Em 16 de dezembro, foi anunciado o final da batalha por Verdun. — Foto: EUROPEANA.EU

Danos mentais aos soldados: de Verdun a Bakhmut

De acordo com o testemunho dos médicos que trataram os soldados após o grande bombardeio de artilharia de Verdun, mesmo aqueles que conseguiram sobreviver ficaram com danos mentais pelo resto de suas vidas – muitos que tiveram concussões relataram desorientação e consciência prejudicada, o que não desapareceu mesmo após o tratamento em instituições psiquiátricas.

Um relatório da Sociedade Clínica para a Proteção da Saúde Mental apontou: “Um dos pacientes que teve uma concussão em Verdun precisou ser mandado para uma clínica psiquiátrica. Ele está em um estado de desorientação grave e delírio, não lembra de nada sobre operações de combate. Suas últimas lembranças são de eventos que aconteceram dez dias antes de seu regimento ser transferido para Meuse”.

Tais distúrbios acompanham todas as batalhas intensas com o uso da artilharia, e Bakhmut, mais de cem anos depois de Verdun, apenas confirma esse efeito sobre mente dos soldados.

“Há pessoas que gradualmente, sem perceber, enlouqueceram”, disse recentemente um soldado de Bakhmut à BBC News Ucrânia.

O New York Times descreveu um caso: “Ruslan, um tenente júnior, era professor de arte antes da invasão russa. Agora, ele tem sempre a sensação de que algo terrível está prestes a acontecer. Em Bakhmut, ele comandou uma unidade e foi encarregado de colocar minas em frente a posições ucranianas, dirigindo um carro carregado de munição e pessoas – de um lado para o outro, sob tiros. Ele sobreviveu, mas não esquece dessa experiência”.

Uma pressão psicológica foi causada pelas perdas sofridas durante ataques de infantaria às fortificações do inimigo em ambos os lados.

Por exemplo, no final de maio de 1916, os franceses tentaram recuperar Duomont, e dois de seus batalhões (várias centenas de soldados) até conseguiram penetrar no forte.

“Infelizmente, o inimigo bombardeou toda a área ao sul do forte e, assim, impediu o acesso de mais tropas. Como resultado, durante todo o dia de 23 de maio, nossos dois batalhões permaneceram isolados em posições capturadas. Na manhã do dia 24, a situação desses batalhões se tornou muito alarmante e, ao meio-dia, eles foram destruídos ou capturados pelo inimigo, que os atacaram simultaneamente dos lados norte, oeste e leste do forte”, — descreveu Pétain, que, naquela época, já comandava outras tropas, mas acompanhava de perto a batalha de Verdun.

Ao mesmo tempo, ele avaliou a perda de dois batalhões de maneira bastante otimista: “Apesar do fracasso dessa primeira tentativa, mantivemos esperanças para o futuro: nossas tropas demonstraram bravura verdadeiramente milagrosa defendendo o forte por quase dois dias. Concluímos que a renovação de tal tentativa pode ser realizada após um treinamento de artilharia mais intenso e a organização de uma ofensiva em uma frente mais ampla e, como isso só poderia ser realizado com a disponibilidade de meios adequados, os quais não temos o suficiente, devemos ser pacientes.”

Os mesmos ataques suicidas agora estão ocorrendo perto de Bakhmut.

É assim que um soldado da 57ª Brigada das Forças Armadas da Ucrâniaas descreveu:

“Conversei com muitos homens de infantaria que estavam nas trincheiras da primeira linha em Soledar e Bakhmut. Eles dizem que é muito difícil resistir a tais ataques psicologicamente quando ocorrem em ondas, como os russos fizeram. Certas substâncias desempenham um papel, pessoas que não sentem dor mesmo feridas na perna, no braço. Por causa disso, nossas cabeças estavam girando um pouco, estávamos realmente assustados no começo. E então eles se acostumaram a se aproximar e a atirar com mais precisão na cabeça. É como se não tivessem medo e nenhum instinto para autopreservação. “

Existem inúmeras evidências de táticas russas para atacar as posições das Forças Armadas da Ucrânia perto de Bakhmut em que foi usada força total.

Verdun e Bakhmut — Resultados

Paisagens de Verdun e Bakhmut — Foto: EUROPEANA.EU/BORINETS

Desenhar paralelos entre as batalhas de Verdun e Bakhmut é apropriado apenas até certo ponto.

Além da semelhança puramente visual de trincheiras, lama e desembarques sob artilharia pesada, um grande número de combatentes morreu em Verdun e Bakhmut.

Segundo os historiadores, mais de 300 mil soldados de ambos os lados foram mortos durante a batalha de dez meses por Verdun.

A batalha por Bakhmut está em andamento desde a queda de Popasnaya em maio de 2022, também há dez meses. Não se sabe quantos soldados morreram durante esse período (e é improvável que um dia seja possível contar todas as perdas).

No entanto, é claro que, em Bakhmut, também estamos falando de dezenas de milhares de mortos de ambos os lados. Os analistas ocidentais apontam de 20 a 30 mil mortos apenas no lado russo.

A batalha de Verdun esgotou os dois exércitos, mas isso prejudicou acima de tudo o potencial ofensivo e a confiança dos alemães em sua superioridade no campo de batalha. Por fim, essa batalha sangrenta determinou amplamente o sucesso da ofensiva franco-britânica em Somme, marcando o início do fim da máquina de guerra alemã na Primeira Guerra Mundial.

O futuro próximo mostrará quais serão as consequências táticas e estratégicas da batalha pela “fortaleza de Bakhmut” (a cidade realmente era uma fortaleza no passado), que já se tornou um símbolo da resiliência do Exército ucraniano.

O comandante do grupo oriental de tropas, Oleksandr Syrskyi, já prevê a exaustão dos russos aqui e sugere a ofensiva das Forças Armadas ucranianas.

“Sem poupar nada, eles estão sofrendo perdas significativas em Bakhmut. Muito em breve, aproveitaremos essa oportunidade, como fizemos em Kiev, Kharkiv, Balaklia e Kupyansk”, disse Syrskyi, embora especialistas continuem prevendo uma possível retirada das Forças Armadas da Ucrânia de Bakhmut.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

aumento-de-atividade-em-complexo-nuclear-da-coreia-do-norte-preocupa-pesquisadores-americanos

G1 Mundo

Aumento de atividade em complexo nuclear da Coreia do Norte preocupa pesquisadores americanos

O projeto de monitoramento da Coreia do Norte, chamado 38 North, com sede nos Estados Unidos, disse que a atividade que detectou, com base em imagens de 3 e 17 de março, poderia indicar que um reator nuclear experimental em Yongbyon estava se aproximando da conclusão e da transição para o status operacional. Novas construções também começaram em torno de uma usina de enriquecimento de urânio, provavelmente para expandir sua […]

today2 de abril de 2023 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%