G1 Mundo

Mortalidade por armas de fogo em 2021 foi maior em três décadas nos Estados Unidos

today30 de novembro de 2022 12

Fundo
share close

A população dos EUA está crescendo, mas os pesquisadores dizem que a taxa de mortes por armas de fogo também está piorando. As taxas de homicídios e suicídios relacionados a armas de fogo nos Estados Unidos aumentaram 8% no ano passado, cada uma atingindo níveis não vistos desde o início dos anos 1990.

David Hemenway, diretor do Centro de Pesquisa de Controle de Lesões da Universidade de Harvard que não participou do estudo, afirma que a pesquisa é uma das análises mais abrangentes das mortes por armas de fogo nos EUA em anos.

No novo estudo, os pesquisadores examinaram as tendências nas mortes por armas de fogo desde 1990. Eles descobriram que as mortes por armas começaram a aumentar constantemente em 2005, mas o aumento se acelerou recentemente, com um salto de 20% de 2019 a 2021.



Por que as mortes por armas de fogo aumentaram tão dramaticamente durante a pandemia de Covid19? Essa é “uma pergunta direta com provavelmente uma resposta complicada para a qual ninguém realmente sabe a resposta”, disse Fleegler.

Os fatores podem incluir perturbações no trabalho e na vida pessoal das pessoas, aumento nas vendas de armas, estresse e problemas de saúde mental, disseram especialistas.

Os pesquisadores contaram mais de 1,1 milhão de mortes por armas de fogo nesses 32 anos – quase o mesmo número de mortes norte-americanas atribuídas à covid-19 nos últimos três anos.

Cerca de 14% dos quer morreram foram mulheres, mas o aumento da taxa entre elas é mais pronunciado. Houve cerca de 7 mortes por armas de fogo para cada 100.000 mulheres no ano passado, acima das cerca de 4 por 100.000 em 2010 — um aumento de 71%. O crescimento comparável para os homens foi de 45%, a taxa subindo para cerca de 26 por 100.000 de cerca de 18 por 100.000 em 2010.

Para as mulheres negras, a taxa de suicídio por arma de fogo aumentou de cerca de 1,5 por 100.000 em 2015 para cerca de 3 por 100.000 em 2021. Sua taxa de mortalidade por homicídio no mesmo período foi de mais de 18 por 100.000, em comparação com cerca de 4 por 100.000 para mulheres hispânicas e 2 por 100.000 para mulheres brancas.

Isso significa que, entre as mulheres negras, a taxa de homicídios relacionados a armas de fogo mais do que triplicou desde 2010, e a taxa de suicídios relacionados a armas mais do que dobrou desde 2015. “As mulheres podem se perder na discussão porque muitas das fatalidades são homens”, disse Eric Fleegler, da Escola de Medicina da Universidade de Harvard, que participou do estudo.

As taxas mais altas de mortes por armas de fogo continuam sendo entre os jovens negros, em 142 por 100.000 para aqueles na faixa dos 20 anos. As maiores taxas de morte por suicídio com armas de fogo são de homens brancos no início dos 80 anos, em 45 por 100.000, disseram os pesquisadores.

Em um comentário que acompanha o estudo, três pesquisadores da Universidade de Michigan disseram que o artigo confirmou as diferenças raciais e sexuais nas mortes por armas de fogo nos EUA e que as mortes por homicídio estão concentradas nas cidades e os suicídios são mais comuns nas áreas rurais. “A violência por armas de fogo é um problema que está piorando nos Estados Unidos” e exigirá uma série de esforços para controlar, escreveram.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

video:-primeiras-ministras-da-nova-zelandia-e-da-finlandia-rebatem-pergunta-sobre-idade

G1 Mundo

VÍDEO: Primeiras-ministras da Nova Zelândia e da Finlândia rebatem pergunta sobre idade

Nesta quarta-feira (30), as primeiras-ministras da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, e da Finlândia, Sanna Marin, rebateram uma pergunta que consideraram machista durante uma coletiva de imprensa conjunta em Auckland. "Muitas pessoas vão se perguntar se vocês duas estão se encontrando só porque têm idade semelhante e, você sabe, têm muitas coisas em comum [por isso]", afirmou o jornalista. "Ou os neozelandeses podem esperar de fato ver mais acordos entre nossos […]

today30 de novembro de 2022 13

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%