G1 Santos

Motoristas reclamam após pedágio mais caro do Brasil sofrer reajuste: ‘peso no bolso’; VÍDEO

today1 de julho de 2024 2

Fundo
share close

A Ecovias, concessionária que administra o SAI, informou que os novos valores foram autorizados pela Agência Reguladora de Transportes de São Paulo (Artesp) e baseados no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), conforme prevê o contrato. As tarifas em outras rodovias do Estado de São Paulo também sofreram mudanças (confira no fim da reportagem).

O g1 entrevistou motoristas em um posto de combustíveis na Avenida Martins Fontes, pouco depois da entrada de Santos (SP), que é acessada por pessoas que chegam da capital paulista por meio da Via Anchieta.

O que os moradores e turistas acharam do aumento no valor do pedágio?



O guarda civil Rodrigo Heredia, de 51 anos, é de Piracicaba (SP) e estava em Santos (SP) para passar alguns dias na casa do irmão, que mora na cidade. Ao g1, o motorista que havia acabado de pagar o pedágio considerou o valor como um “custo a mais”, no entanto, ressaltou a importância de “manter a rodovia em condições”, sendo que, na visão dele, ela “não está tão boa assim”.

Rodrigo acrescentou que a mudança vai representar um “peso no bolso” principalmente para os moradores da Baixada Santista que trabalham presencialmente na capital paulista, ou vice-versa.

O g1 fez o cálculo de quanto o trabalhador que faz este trajeto de segunda a sexta-feira vai gastar com o reajuste. O resultado foi de R$ 736 por mês.

Pedágio mais caro do Brasil, no Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI), sofreu reajuste — Foto: A Tribuna Jornal

Já Sergio Alves, de 62, passa pelo pedágio todos os dias. Para o morador de Santos (SP), a maior preocupação é o impacto do aumento da tarifa para os caminhões — que agora devem pagar R$ 36,80 por cada eixo.

Os caminhoneiros fazem o transporte de cargas para todo o país. O SAI, portanto, é frequentemente utilizado pelos trabalhadores por ser a principal ligação entre a capital e o Porto de Santos, Polo Petroquímico de Cubatão (SP) e também as indústrias do ABC. “Só vai colaborar para aumentar o preço de tudo o que formos comprar”, disse Sergio.

De acordo com Cláudio Carvalho da Silva, de 55, que é funcionário público e morador de Santos, não vale mais a pena fazer ‘passeios rápidos’ em São Paulo.

“[Está] meio inviável fazer qualquer tipo de turismo ou programação de lazer em São Paulo ou ABC. Qualquer coisa, daqui para lá, se torna muito cara para a gente […]. Se você pôr na ponta do lápis, o valor é absurdo”, disse Cláudio.

Pedágio no Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI) será reajustado a partir de segunda-feira (1º) — Foto: Silvio Luiz/A Tribuna Jornal

A Ecovias informou, por meio de nota, que os reajustes consideram a recomposição inflacionária nos últimos 12 meses, ou seja, de junho de 2023 a maio deste ano.

Em dias de semana, a taxa cobrada na Rodovia dos Lagos era de R$ 17,30, passando para R$ 17,20. Aos finais de semana, o valor do pedágio, antes em R$ 28,80, passou para R$ 28,70.

Assim como no ano passado, os pedágios das rodovias Cônego Domênico Rangoni e a Padre Manoel da Nóbrega também sofreram um aumento de R$ 0,70 e R$ 0,50, respectivamente.

Reajuste dos pedágios

Nome da rodovia Código Cidade Km Valor antes de 1º de julho Novo valor
Cônego Domênico Rangoni SP-055 Santos 250+464 R$ 16,50 R$ 17,20
Padre Manoel da Nóbrega SP-055 São Vicente 279+950 R$ 9,70 R$ 10,20
Anchieta SP-150 Riacho Grande 031+106 R$ 35,30 R$ 36,80
Rodovia dos Imigrantes SP-160 Piratininga 032+381 R$ 35,30 R$ 36,80

Como é trafegar pela rodovia mais cara do Brasil

g1 mostra experiência de moradores da Baixada Santista que sobem e descem a serra para SP

g1 mostra experiência de moradores da Baixada Santista que sobem e descem a serra para SP

Na ocasião, a equipe de reportagem saiu de Santos (SP) e subiu a serra pela Rodovia dos Imigrantes. Depois, pegou um retorno próximo a São Paulo e voltou ao litoral por meio da Rodovia Anchieta.

Na ida pela Imigrantes, a reportagem não registrou problemas no trajeto além de neblina na pista, situação alertada em placas pelo caminho. Na volta pela Anchieta, porém, filmou caminhões conduzidos pela faixa da esquerda, o que não é permitido.

A Ecovias esclareceu, à época, que existiam no trecho de serra da Anchieta, do km 40 ao 51, 20 placas informando a velocidade máxima permitida no local, 50km/h, e outras 15 alertando sobre a proibição de caminhões trafegarem pela faixa da esquerda.

A concessionária, no entanto, afirmou que não tinha poder de polícia para fiscalizar, perseguir ou punir infratores de qualquer natureza. A empresa declarou que buscava fornecer equipamentos, dados e recursos para que as autoridades competentes desempenhassem suas funções.

VÍDEOS: g1 em 1 minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

imagens-de-drone-mostram-sinais-de-abandono-em-mansao-de-pele-avaliada-em-r$-8-milhoes;-video

G1 Santos

Imagens de drone mostram sinais de abandono em mansão de Pelé avaliada em R$ 8 milhões; VÍDEO

O advogado de Edinho, filho do ex-jogador e responsável por administrar os bens deixados pelo pai, contrariou as versões de moradores locais ouvidos pelo g1 e afirmou que o imóvel não está abandonado. Segundo ele, a casa foi desocupada e os funcionários foram demitidos com o Atleta do Século ainda vivo. Nas imagens feitas pelo repórter cinematográfico Carlos Abelha, da TV Tribuna, emissora afiliada à Globo, é possível ver desde […]

today1 de julho de 2024 2

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%