G1 Mundo

Na Etiópia, a seca alimenta a violência doméstica e os casamentos forçados

today11 de fevereiro de 2023 12

Fundo
share close

Bisharo, um nome falso para proteger sua identidade, buscou ajuda na nova clínica para sobreviventes de violência sexual no hospital de Gode, um município na região somali da Etiópia. A área é a mais castigada pela pior seca dos últimos 40 anos no Chifre da África.

Segundo médicos e assistentes sociais, a seca provocou, além de fome e empobrecimento da população, outro efeito: um aumento nos casamentos forçados e na violência sexual.

O Fundo de Emergência Internacional para Crianças das Nações Unidas (Unicef) garante que os casamentos infantis, ilegais no país, mais que dobraram nas quatro regiões mais atingidas pela seca durante a primeira metade de 2022, em uma comparação com os dados do ano anterior.



Isso porque, para muitas famílias desesperadas, casar uma filha tem múltiplos benefícios. Por um lado, reduz o número de pessoas para alimentar. Por outro, o dote pago pela família do marido ajuda a cobrir as despesas.

A dote de Bisharo foi de 3.000 birr etíopes (cerca de R$ 290), disse a adolescente, originária de um vilarejo nos arredores de Gode.

“Meus pais e os pais do meu marido fecharam o acordo de casamento. Eu não sabia de nada. Ele se aproximou de mim antes e me pediu em casamento, mas eu recusei”, disse ela.

O matrimônio com o homem de 20 anos, da família de seu pai e que já está na segunda esposa, aconteceu mesmo assim.

“Moramos juntos durante cinco dias e ele me batia”, contou a garota. “Me batia porque queria fazer sexo comigo, mas eu negava”.

Ela ainda sente dor nas costas, nos ombros e na cabeça por conta dos abusos que sofreu após seu casamento, no começo do ano. “Não consigo nem dormir de noite por causa da dor”, afirmou.

Bisharo ficou refugiada na casa de seus vizinhos. O marido foi levado pela polícia, que exigiu a garantia do divórcio mesmo contra a vontade do pai dela.

“Meu pai me disse: ‘se você se divorciar, não sou mais seu pai'”, contou a jovem.

Ssegunda mais jovem de uma família de cinco irmãos, ela está sozinha. “Só minha mãe pode entender meus problemas, mas não pode me apoiar porque tem medo do meu pai”, disse Bisharo.

“Não recebi nenhuma ajuda dele, por isso vim para cá”, explicou ela na clínica de Gode.

Desde sua abertura em novembro, um pequeno complexo atrás do hospital local recebeu oito vítimas de estupro e quatro mulheres e jovens que escaparam da violência doméstica. A seca contribuiu em muitos destes casos, explicou Fahad Hassan, médico da clínica.

Hassan acredita que os acampamentos temporários para pessoas desabrigadas pela seca colocam as mulheres em risco, pois a a violência é normal nestes lugares. O médico também contou que já atendeu uma menina de sete anos violentada em um acampamento próximo.

Sahra Haji Mohammed, assistente social, assegurou que os ataques ocorrem quando os profissionais deixam as instalações para comprar alguma coisa ou ao sair do vilarejo para ir buscar água. A pobreza também contribui para a violência doméstica.

“Vemos conflitos quando o marido vende itens do lar para comprar cigarros ou khat [folha levemente narcótica] por falta de dinheiro”, afirmou ela.

As mulheres atendidas na clínica são só a ponta do iceberg, dizem funcionários do acampamento, explicando que muitas vítimas preferem ficar em silêncio pelo medo do estigma.

“Nós sabemos de casos de pessoas que não vêm até aqui, mas que estão em suas casas e tentando se esconder. Nós sabemos. Nós tentamos dizer para elas que aqui é um centro que quer ajudá-las”, disse Fahad.

Bisharo é a única sobrevivente que aceitou falar e incentiva as outras a seguirem seu exemplo.

Enquanto espera que cheguem os papéis de divórcio, vive com sua avó. Entretanto, quer começar a decidir novamente seu destino: “Quero me casar com alguém da minha idade”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

video:-emocionado,-pai-reencontra-filho-de-1-ano-apos-terremoto-na-siria

G1 Mundo

VÍDEO: Emocionado, pai reencontra filho de 1 ano após terremoto na Síria

Pai e filho se reencontraram na quinta-feira (9) após quatro dia separados por conta do terremoto que atingiu a Síria e a Turquia. Jomaa Biazid e sua família ficaram soterrados depois que a casa desabou, na segunda-feira (6), por conta dos tremores. Ibrahim, de um ano e meio, foi encontrado em um hospital na cidade síria de Afrin por Atef Nahnouh, que estava no local. "Demos a ele uma banana. […]

today11 de fevereiro de 2023 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%