G1 Mundo

Naufrágio na costa do Iêmen deixa 49 mortos e 150 desaparecidos

today13 de junho de 2024 4

Fundo
share close

O barco transportava cerca de 260 pessoas, a maioria da Somália e da Etiópia que faziam uma viagem de cerca de 320 quilómetros (200 milhas) e afundou no Golfo de Áden quando afundou na segunda-feira (10).

Entre os mortos estavam 31 mulheres e seis crianças, disse ainda OIM.

O Iêmen é uma das principais rotas para migrantes africanos que tentam chegar aos países do Golfo Pérsico para trabalhar.



Apesar de uma guerra civil de quase uma década no Iêmen, o número de migrantes que chegam anualmente triplicou entre 2021 e 2023, passando de cerca de 27 mil para mais de 90 mil, informou a OIM no mês passado. Cerca de 380 mil migrantes estão atualmente no Iêmen, segundo a agência.

Todos os anos, dezenas de milhares de migrantes da região do Chifre da África, que tentam fugir dos conflitos, dos desastres naturais e da pobreza, arriscam as vidas em viagens pelo Mar Vermelho para tentar chegar aos países do Golfo.

Em abril, duas embarcações naufragaram na costa do Djibuti e dezenas de pessoas morreram.

Em 2023, a OIM registrou pelo menos 698 mortes nesta rota migratória.

Os migrantes que conseguem chegar ao Iêmen, do outro lado do Mar Vermelho, enfrentam mais problemas, já que este é o país mais pobre da península arábica e é cenário de uma guerra civil há uma década.

O objetivo dos migrantes é chegar a países ricos, como Arábia Saudita ou Emirados Árabes Unidos, para trabalhar no setor de construção ou como empregados domésticos.

Em agosto, a Human Rights Watch acusou os guardas de fronteira sauditas pelas mortes de “centenas” de migrantes etíopes que tentaram entrar no reino procedentes do Iêmen entre março de 2022 e junho de 2023. Riad rebateu o relatório da ONG e afirmou que as conclusões não eram baseadas em fontes confiáveis.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

azeite-de-oliva-esta-quase-50%-mais-caro-do-que-no-ano-passado,-e-nao-deve-baratear-tao-cedo

G1 Mundo

Azeite de oliva está quase 50% mais caro do que no ano passado, e não deve baratear tão cedo

Os principais países que cultivam azeitonas, matéria-prima para o azeite, estão na Europa. O ranking é liderado pela Espanha, responsável por 42% da produção mundial, seguida pela Itália (9,7%) e Grécia (8,2%), aponta o Conselho Oleícola Internacional (COI). Além disso, o azeite é fundamental para a economia de Portugal. No caso da Espanha, já é a 4° quebra de safra consecutiva das oliveiras. O Brasil importa a maior parte do […]

today13 de junho de 2024 11

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%