G1 Mundo

Netanyahu dissolve gabinete de guerra após saída de general centrista e pressão de ala radical do governo, dizem agências

today17 de junho de 2024 3

Fundo
share close

A informação foi divulgada pelas agências Reuters e Associated Press nesta segunda-feira (17), que a credita a um funcionário de alto escalão do governo.

Espera-se agora que Netanyahu mantenha consultas sobre a guerra de Gaza com um pequeno grupo de ministros, incluindo o ministro da Defesa, Yoav Gallant, e o ministro dos Assuntos Estratégicos, Ron Dermer, que integrava o gabinete de guerra.

Netanyahu em 18 de fevereiro de 2024 — Foto: REUTERS/Ronen Zvulun/File Photo



Netanyahu tem se deparado com exigências dos aliados nacionalistas-religiosos da sua coligação, como o ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, e o ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, para serem incluídos no gabinete de guerra, uma medida que teria intensificado as tensões com parceiros internacionais, incluindo os Estados Unidos.

Ben-Gvir é o ministro mais radical do governo de Benjamin Netanyahu e líder de um partido da extrema direita. Netanyahu só conseguiu formar governo após se aliar com a sigla de Ben-Gvir, que é um feroz defensor das incursões e bombardeios na Faixa de Gaza.

No início do ano, o ministro ameaçou deixar o governo caso Netanyahu não invadisse Rafah, a cidade no extremo sul de Gaza que era considerada o último refúgio para civis em Gaza que fugiam da destruição causada pelos bombardeis e invasões israelenses.

Benny Gantz, um rival político de longa data de Netanyahu, juntou-se ao governo como uma demonstração de unidade após o ataque do Hamas em 7 de outubro ao sul de Israel. Ele deixou o governo no início deste mês, alegando frustração com a forma como Netanyahu lidou com a guerra.

A criação do gabinete havia sido uma exigência de Gantz e seu partido para a sua entrada na coalizão.

Os críticos dizem que a tomada de decisões de Netanyahu durante a guerra foi influenciada por ultranacionalistas do seu governo que se opõem a um acordo que provocaria um cessar-fogo em troca da libertação de reféns. Eles manifestaram apoio à “migração voluntária” de palestinos da Faixa de Gaza e à reocupação do território.

Israel já havia prometido em abril que permitiria a entrada de ajuda à Faixa de Gaza, após um telefonema entre Netanyahu e o presidente norte-americano, Joe Biden.

A guerra entre Israel e Hamas teve início em outubro de 2023, como resposta aos ataques terroristas do dia 7 daquele mês perpetrados pelo grupo palestino, que deixou cerca de 1.200 mortos.

Desde então, o Ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas, afirma que a ação militar israelense na Faixa de Gaza já deixou 37 mil mortos, incluindo 15 mil crianças.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

as-cidades-do-mundo-que-nao-aguentam-mais-receber-tantos-turistas

G1 Mundo

As cidades do mundo que não aguentam mais receber tantos turistas

Autoridades policiais calculam que 10 mil manifestantes ocuparam as ruas de Palma de Maiorca, na Espanha, no último fim de semana de maio — o início das férias de verão. Sua mensagem dizia que o turismo está inviabilizando a vida na cidade para os moradores locais. Mas por que parece ter surgido agora uma onda de queixas tão forte em lugares que costumam receber grandes quantidades de turistas há décadas? […]

today17 de junho de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%