G1 Mundo

Nigéria, país mais populoso da África, vai às urnas para escolher presidente; veja o que está em jogo

today25 de fevereiro de 2023 7

Fundo
share close

Há 18 candidatos no páreo para suceder o atual presidente, Muhammadu Buhari, que está terminando seu segundo mandato (o número máximo permitido).

Apesar de ser um dos maiores produtores de petróleo da África, a Nigéria atravessa uma crise econômica. O governo está alterando a moeda do país, e muitas famílias não estão conseguindo sacar dinheiro.

Uma parte significativa dos nigerianos mais jovens deixa o país para tentar a vida em algum outro lugar.



População do tamanho da brasileira

As filas para o cadastro de eleitor estavam muito longas, e a comissão eleitoral do país aumentou o prazo.

A Nigéria tem mais de 210 milhões de pessoas (uma população de um tamanho semelhante ao da população brasileira), e há 93 milhões de eleitores registrados.

Cerca de 40% dos eleitores têm menos de 35.

No total, são 18 candidatos, mas três deles são os favoritos no primeiro turno

Candidatos mais relevantes

Alguns candidatos são considerados mais competitivos:

  • Bola Tinubo, de 70 anos, do All Progressives Congress (APC), foi um aliado do atual presidente e governador da região de Lagos;
  • Atiku Abubakar, de 76, do People’s Democratic Party, já foi vice-presidente e é um dos homens mais ricos do país;
  • Peter Obi, de 61 anos, um ex-governador, se apresenta como o candidato da mudança.

As pesquisas mais recentes apontam que Obi deve ser o candidato mais votado. No entanto, uma parte dos entrevistados se recusou a dizer em quem vai votar ou afirmou que está indecisa.

No começo da campanha, Obi parecia não ter muitas chances. No entanto, ele avançou nas pesquisas de intenção de voto.

Obi é o candidato de um partido com pouca estrutura, o Partido Trabalhista, que teve menos de 1% dos votos nas eleições presidenciais de 2019.

Na campanha, ele falou principalmente para os nigerianos mais jovens. Ele disse que vai tentar estabelecer políticas econômicas que aumentem os emprego.

O norte da Nigéria concentra mais muçulmanos, que são a maioria no país. O sul do país é dominado por cristãos.

Os candidatos presidenciais geralmente equilibram suas chapas, escolhendo um companheiro de chapa que seja de uma religião diferente da sua.

Tinubu, um dos outros candidatos, não fez isso: ele é muçulmano e escolheu um vice muçulmano.

Essa estratégia pode aprofundar as divisões religiosas do país, disse Hassan Idayat, que lidera o Centro para Democracia e Desenvolvimento, o maior grupo focado na democracia da Nigéria.

Comparecimento pode definir 1º turno

Uma das questões mais importantes do primeiro turno é o comparecimento.

Nas eleições mais recentes, a participação dos eleitores foi baixa. Em 2019, por exemplo, 34% dos eleitores registrados votaram.

No entanto, há indicações que desta vez isso pode ser diferente. Nas redes sociais e nos comícios há um entusiasmo com a votação, e nos pontos de registro da Justiça eleitoral houve filas.

A participação dos jovens pode ser ainda mais impulsionada pela decisão de fechar as universidades do país por duas semanas antes da eleição. As autoridades citaram preocupações de segurança como o principal motivo da mudança, mas também significa que muitos jovens estarão em casa para votar.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

apos-um-ano-de-guerra-na-ucrania,-tendencia-e-ter-menos-empatia-por-vitimas-do-conflito;-entenda

G1 Mundo

Após um ano de guerra na Ucrânia, tendência é ter menos empatia por vítimas do conflito; entenda

Esse fenômeno, chamado fadiga por compaixão, provoca uma diminuição gradual da compaixão ao longo do tempo. E nos tira a capacidade de reagir e ajudar quem precisa. "Senti isso depois da invasão da Ucrânia", disse Jessica Roberts, professora de ciências da comunicação da Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa. "Quando ouvi falar das atrocidades pela primeira vez, foi horrível. Mas, depois, quando ouvi sobre [atrocidades em] outra cidade, a minha reação […]

today25 de fevereiro de 2023 11

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%