G1 Mundo

‘Ninguém ouve nossas vozes’: os afegãos que fugiram do Talibã e hoje vivem nas ruas de Bruxelas

today23 de fevereiro de 2023 11

Fundo
share close

Infelizmente, não se trata de um sonho realizado ao final de sua fuga assustadora até o outro lado do mundo. É um pesadelo sem fim.

Petit Chateau, que significa pequeno castelo, é um centro de recepção do governo que muitas vezes faz de tudo, menos acolher os recém-chegados. Na Rue des Palais – rua dos palácios – está a ocupação mais precária da cidade, onde o cheiro de urina e a incidência de escorbuto simbolizam o fracasso da política migratória da União Europeia (UE).

Eles estão a apenas quatro quilômetros do elegante Edifício Europa, onde os líderes da União Europeia realizaram em janeiro uma reunião de cúpula de dois dias para lidar com as questões migratórias que incomodam os 27 estados-membros há mais de uma década.



Shinwari, um capitão do exército do Afeganistão que por muito tempo ajudou as potências ocidentais a tentarem conter o Talibã, agora vive em um acampamento improvisado no canal diante do Petit Chateau.

É um lugar desolado e sem esperança.

“Está muito frio. Alguns caras têm doenças de todo tipo e muitos de nós estamos com depressão, porque não sabemos o que vai acontecer amanhã”, disse ele.

Com 31 anos, Shinwari deixou para trás mulher e filhos, certo de que as forças do Talibã que tomaram o poder em agosto de 2021 matariam soldados como ele, que colaboraram com países da Otan.

“Eles vasculham casas. A vida de ninguém estava a salvo”, contou o afegão. “Eles já disseram uma vez à minha família, ‘seu filho se refugiou em um país infiel’.”

Mesmo atualmente, longe de casa, ele tem medo e não quer ser identificado por nada além do sobrenome e vagas informações militares. Ele não quer mostrar o rosto em fotos ou vídeos, por medo de que o Talibã possa atacar sua família.

O que agrava sua situação é a recepção que teve na UE, marcada principalmente por indiferença — e até hostilidade.

“Infelizmente, ninguém consegue ouvir nossas vozes”, disse ele em sua barraca, cercado de meia dúzia de ex-militares do Afeganistão.

Dois homens compartilham uma refeição em um acampamento improvisado do lado de fora do centro de recepção Petit Chateau, em Bruxelas, Bélgica, terça-feira, 17 de janeiro de 2023. — Foto: Foto AP/Olivier Matthys

“Os direitos humanos não são os mesmos para todos”

O vocabulário dos líderes europeus antes da reunião de cúpula, porém, inclui muito mais “reforço das fronteiras externas”, “cercas de fronteira” e “procedimentos de devolução” do que uma discussão sobre como melhorar imediatamente a vida de pessoas como Shinwari.

E diante de 330 mil tentativas não autorizadas de entrada na UE em 2022, um recorde em seis anos, propor um abraço caloroso aos refugiados não ganha muitas eleições no continente atualmente.

Muitos afegãos também olham com inveja para as medidas rápidas que a UE tomou depois da invasão russa na Ucrânia, em 24 de fevereiro de 2021, para conceder aos ucranianos medidas temporárias de proteção, como direito de residência, acesso ao mercado de trabalho, cuidados médicos e assistência social – coisas que praticamente não chegam até eles.

“A questão dos afegãos e a dos ucranianos é a mesma, mas eles não são tratados da mesma forma”, disse Shinwari. “Quando os ucranianos chegam aqui, eles recebem todas as comodidades (…) logo no primeiro dia, mas nós, afegãos, que deixamos o país por ameaças de segurança, não recebemos nada.”

”É surpreendente porque os direitos humanos não são os mesmos para todos, e isso nos irrita e nos faz sentir decepcionados e negligenciados.”

As lideranças europeias já disseram que um avanço completo em suas políticas migratórias só ocorrerá depois das eleições do bloco em junho de 2024.

Shinwari contou que teve sorte de conseguir atravessar as fronteiras reforçadas da UE para usar seu direito de asilo depois de uma jornada de oito meses passando pelo Paquistão, Irã, Turquia, Bulgária, Sérvia, e terminando na Bélgica. Ele passou por espancamentos, prisão e fuga no Irã, e fome e medo ao longo de boa parte do percurso.

Shinwari chegou vivo à Europa, “mas agora que estou aqui, fiquei sem-teto como um nômade”, com uma frágil barraca azul para se proteger das muitas chuvas da Bélgica, disse.

Outros ex-soldados do Afeganistão se estabeleceram na Rue des Palais, onde as histórias de trauma, depressão, drogas e violência são igualmente sombrias.

“A situação aqui não é boa. Se a Cruz Vermelha trouxer comida, teremos algo para comer, mas se não, muitos não têm nada”, explicou Roz Amin Khan, que fugiu da província de Laghman e chegou à Bélgica dois meses atrás.

Migrantes dormem no chão de um prédio ocupado em Bruxelas, terça-feira, 31 de janeiro de 2023. — Foto: AP Photo/Olivier Matthys

Desde sua chegada, quatro meses atrás, Shinwari diz ter feito uma entrevista com as autoridades de análise de asilo, e está esperando desde então.

A falta de auxílio para a maioria dos refugiados tem levado ONGs e voluntários ao desespero.

“Entre o arcabouço legal e a situação na prática há um mundo de diferença”, disse Clement Valentin, agente de apoio jurídico na fundação de refugiados Cire. “Há uma lacuna e é difícil entender – para mim e para as ONGs.”

“Mas não consigo nem chegar perto de imaginar como deve ser difícil para os afegãos aqui na Bélgica, ou em outros países europeus, entender isso.”

A lentidão jurídica não se limita à Bélgica. A Agência da União Europeia para o Asilo informou em seu último relatório de tendências, em novembro de 2022, que “a lacuna entre os pedidos e as decisões atingiu sua maior extensão desde 2015″, e ainda estaria aumentando. No geral, segundo o documento, mais de 920 mil casos ainda estavam em aberto, um aumento anual de 14%.

O acúmulo de pendências burocráticas no Petit Chateau quando Shinwari chegou era tanto que os possíveis requerentes de asilo precisavam esperar na chuva e no frio, às vezes por dias, apenas para passar pela porta da frente. Cidadãos que moravam nas proximidades levaram comida e fizeram fogueiras, porque o governo não tomou providências.

Mesmo que a situação tenha melhorado, as cicatrizes físicas e mentais são fáceis de ver, disse Michel Genet, diretor na Bélgica da organização Médicos do Mundo.

“As pessoas passaram por grandes traumas e uma situação muito difícil, e esperam chegar aqui e serem atendidas”, mas não são, disse Genet.

Durante muitas noites sem dormir no frio congelante, ouvindo o zumbido dos carros passando ao fundo, os pensamentos de Shinwari se voltam para casa.

”Às vezes penso no futuro, e quanto tempo ainda terei que viver nas ruas”, disse. “Minha cabeça está cheia de problemas. Eu penso na segurança da minha família e no meu futuro.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

prefeito-de-buenos-aires-se-prepara-para-entrar-na-corrida-presidencial-da-argentina

G1 Mundo

Prefeito de Buenos Aires se prepara para entrar na corrida presidencial da Argentina

O prefeito de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta, está prestes a anunciar sua candidatura à eleição presidencial argentina deste ano, disse um porta-voz do político conservador de oposição nesta quarta-feira, enquanto um campo fragmentado de candidatos começa a surgir. Larreta, um economista de 57 anos que governa a cidade desde 2015, buscará representar a principal coalizão de oposição Juntos pela Mudança, onde deve enfrentar a concorrência interna da ex-ministra de […]

today23 de fevereiro de 2023 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%