G1 Mundo

Nova onda de ataques aéreos russos na Ucrânia deixa pelo menos 11 mortos

today26 de janeiro de 2023 13

Fundo
share close

“Onze pessoas ficaram feridas e, infelizmente, outras 11 morreram”, disse o porta-voz Oleksander Jorunejy à televisão ucraniana. Ele disse que os danos mais significativos ocorreram na região de Kiev.

De acordo com o chefe das Forças Armadas ucranianas, general Valery Zaluzhny, a Rússia disparou 55 mísseis nesta quinta-feira, dos quais 47 foram destruídos —20 deles nas imediações de Kiev.

Edificação destruída por mísseis russos perto de Kiev, na Ucrânia, em 26 de janeiro de 2023 — Foto: Valentyn Ogirenko/Reuters



Além disso, 24 drones Shahed de fabricação iraniana foram abatidos durante a noite, segundo as forças ucranianas.

Kiev e outras regiões prosseguiram com cortes de energia de “emergência” para “evitar grandes danos à infraestrutura de energia”, informou a operadora de energia privada DTEK.

A Rússia está tentando causar “um colapso sistêmico” na rede nacional, disse o ministro da Energia, German Galushchenko.

“A situação ainda está sob controle”, disse o primeiro-ministro Denys Shmygal.

Na região de Odessa, a energia foi restabelecida após o meio-dia em hospitais e outras obras de infraestrutura essenciais.

O bombardeio perto dessa cidade ocorreu pouco antes da chegada da ministra francesa das Relações Exteriores, Catherine Colonna, para se encontrar com seu homólogo ucraniano, Dmytro Kuleba.

Depois de vários reveses militares em meados do ano passado, o governo russo mudou de estratégia e, em outubro, começou a atacar transformadores e usinas de energia da Ucrânia.

Desde então, os apagões se multiplicaram, deixando milhões de civis ucranianos sem água potável, ou aquecimento, no auge do inverno.

Este novo ataque ocorre um dia depois de Estados Unidos e Alemanha terem autorizado o envio de dezenas de veículos pesados de combate para a Ucrânia, uma decisão inédita nos 11 meses de guerra.

A Alemanha planeja entregar tanques Leopard 2 “no final de março, início de abril”, anunciou seu ministro da Defesa, Boris Pistorius, nesta quinta-feira.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que a chegada de tanques pesados será “um passo importante no caminho para a vitória”. Mas “a chave agora é velocidade e volume” na entrega dos tanques, disse Zelensky na noite de quarta-feira.

O presidente também pediu aviões de combate e mísseis de longo alcance, armas que os países ocidentais não estão dispostos a entregar, temendo que isso provoque uma escalada militar em caso de incursões em território russo.

Para o governo russo, no entanto, a entrega dos tanques pesados já constitui um “envolvimento direto” dos países ocidentais na guerra, disse o porta-voz da Presidência russa, Dmitri Peskov.

Já a diplomacia francesa considerou que “o fornecimento de equipamento militar” faz parte do “exercício de defesa legítima” da Ucrânia e não torna beligerantes aqueles que o praticam.

“Não estamos em guerra com a Rússia, assim como nenhum dos nossos parceiros”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da França, Anne-Claire Legendre.

Superiores em número de soldados e em material, as tropas russas “intensificam” os combates no leste do território, disse o vice-ministro ucraniano da Defesa, Ganna Maliar, na quarta-feira.

Moscou tenta conquistar Bakhmut há vários meses e, recentemente, intensificou o cerco a Vuhledar, uma cidade a sudoeste de Donetsk.

Ontem, as forças ucranianas admitiram que haviam se retirado de Soledar, a nordeste de Bakhmut, agora em mãos russas.

Segundo um sargento ucraniano, cujo nome de guerra é “Alkor”, “a batalha foi dura”.

“Ainda estamos atirando, continuamos e continuamos, mas depois de cinco minutos chega uma nova onda de 20 inimigos”, disse ele. Eles chegam em “grande número. Usam seus soldados como bucha de canhão”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

maior-cacador-de-nazistas-da-alemanha-enfrenta-corrida-contra-o-tempo

G1 Mundo

Maior caçador de nazistas da Alemanha enfrenta corrida contra o tempo

O principal caçador de nazistas da Alemanha, Thomas Will, espera conseguir mais condenações pelo Holocausto, mesmo com a morte dos suspeitos remanescentes, muitos deles com mais de 90 anos. Will disse que entregou cinco casos a promotores locais na Alemanha que ele acredita que ainda têm chance de ir a julgamento. "O assassinato não está sujeito a um estatuto de limitações. Portanto, enquanto os perpetradores estiverem vivos, prosseguiremos com os […]

today26 de janeiro de 2023 15

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%