G1 Mundo

O papel que a China quer na guerra entre Israel e Hamas

today4 de novembro de 2023 5

Fundo
share close

O principal diplomata da China, Wang Yi, discutiu o conflito com autoridades em Washington no fim de semana, em meio a temores de uma guerra regional mais ampla.

Os EUA prometeram trabalhar com a China na tentativa de encontrar uma solução.

Wang também falou com os seus homólogos israelense e palestino depois do enviado especial da China para o Médio Oriente, Zhai Jun, ter se encontrado na região com líderes árabes. Ele também tem sido um dos defensores mais veementes de um cessar-fogo nas reuniões da ONU.



Há esperanças de que a China possa aproveitar sua relação próxima com o Irã, que apoia o Hamas, em Gaza, e o Hezbollah, no Líbano, para acalmar a situação. Autoridades dos EUA aparentemente pressionaram Wang para “pedir calma” aos iranianos, informou o Financial Times.

Como o governo chinês tem tido uma relação relativamente equilibrada com todos os atores no conflito, ele pode ser visto como um mediador honesto, disse Dawn Murphy, professora associada que estuda a política externa chinesa na Escola Nacional de Guerra do Departamento de Defesa dos EUA.

Em particular, a China tem relações positivas com os palestinos, os árabes, a Turquia e o Irã, disse ela. “Juntamente com os EUA, que têm boas relações com Israel, poderiam trazer todos os jogadores para a mesa.”

Mas outros observadores salientam que a China continua a ser um ator secundário na política do Oriente Médio.

“A China não é um ator sério nesta questão. Falando com as pessoas da região, ninguém espera que a China contribua para a solução”, disse Jonathan Fulton, membro sênior especializado nas relações da China com o Médio Oriente do think tank Atlantic Council.

A primeira declaração da China sobre o conflito irritou Israel, que expressou “profunda decepção” pelo fato de a China não ter condenado o Hamas nem mencionado o direito de Israel de se defender.

Desde então, Israel tem levado a cabo ataques em Gaza, nos quais mais de 8.000 pessoas foram mortas, segundo o Ministério da Saúde gerido pelo Hamas. Israel também enviou agora tropas e tanques para o território.

Após o furor provocado pela sua primeira declaração, Wang disse mais tarde a Israel que “todos os países têm direito à autodefesa” – mas também disse em outros lugares que as ações de Israel foram “além do âmbito da autodefesa”.

A China enfrenta um difícil equilíbrio porque há muito que simpatiza abertamente com a causa palestiniana.

Remonta ao fundador do Partido Comunista Chinês, Mao Zedong, que enviou armas aos palestinos em apoio aos chamados movimentos de “libertação nacional” em todo o mundo.

Mao chegou a comparar Israel a Taiwan – ambos apoiados pelos EUA – como bases do imperialismo ocidental.

No passado, China ficou do lado da causa palestina. — Foto: Getty Images via BBC

Nas décadas seguintes, a China se abriu economicamente e normalizou suas relações com Israel, com quem tem agora trocas comerciais de milhares de milhões de dólares.

Mas a China deixou claro que continua apoiando os palestinos.

Em suas observações sobre este conflito, autoridades chinesas e até o Presidente Xi Jinping sublinharam a necessidade de um Estado palestino independente.

Um efeito colateral disso é o aumento do antissemitismo online, propagado por blogueiros nacionalistas. Algumas pessoas nas redes sociais chinesas equiparam as ações de Israel ao nazismo, acusando-os de levar a cabo um genocídio contra os palestinos, o que provocou uma repreensão da embaixada alemã em Pequim.

O esfaqueamento de um familiar de um funcionário da embaixada israelense em Pequim também aumentou o mal-estar.

Tudo isto abala a imagem de uma China que tenta engajar o governo israelense em conversas sobre o conflito.

Dadas as incertezas, porque é que a China está se envolvendo?

Uma das razões são seus interesses econômicos no Oriente Médio, que ficariam ameaçados se o conflito se agravar.

Pequim depende agora fortemente de importações de petróleo e analistas estimam que cerca de metade vem do Golfo. Os países do Oriente Médio são cada vez mais importantes na Iniciativa do Cinturão e Rota, conhecida como nova rota da seda, um ponto fundamental da sua política externa e econômica.

O presidente chinês Xi Jinping deu as boas-vindas ao presidente palestino Mahmoud Abbas em 2017. — Foto: Getty Images via BBC

Mas outro motivo é que o conflito traz uma oportunidade de ouro para Pequim melhorar sua reputação.

A China acredita que “defender os palestinos repercute nos países árabes, nos países de maioria muçulmana e em grandes porções do sul global”, destaca Murphy.

A guerra eclodiu em um momento em que a China se apresenta para o mundo como um pretendente melhor do que os EUA. Desde o início do ano, o país tem promovido uma visão de uma ordem mundial liderada pela China, ao mesmo tempo que critica o que vê como os fracassos da liderança hegemônica dos EUA.

Oficialmente, a China se absteve de criticar os EUA por seu apoio a Israel. Mas, ao mesmo tempo, meios de comunicação estatais estão “iniciando a resposta nacionalista (…) associando o que está acontecendo no Oriente Médio com o apoio dos EUA a Israel”, observa Murphy.

O jornal militar chinês PLA Daily acusou os EUA de “colocar lenha na fogueira” – a mesma retórica que Pequim usou para criticar Washington por ajudar Kiev na guerra na Ucrânia.

O jornal estatal de língua inglesa The Global Times publicou uma caricatura do Tio Sam com as mãos manchadas de sangue.

Uma opinião entre observadores é de que Pequim está contrastando a sua posição com a dos EUA para abalar a posição global de seu rival ocidental. Mas ao não condenar explicitamente o Hamas, a China também corre o risco de minar a sua própria posição.

A China enfrenta desafios em suas ambições de longo prazo.

Um deles é conciliar sua posição diplomática com o seu próprio histórico.

Embora expresse solidariedade com nações de maioria muçulmana e se oponha à ocupação dos territórios palestinos por Israel, Pequim continua sendo acusada de cometer abusos e genocídio da minoria muçulmana uigure, bem como de assimilação forçada no Tibet.

Observadores dizem que isso provavelmente não seria um problema para o mundo árabe, dadas as relações fortes que a China construiu com estes países.

O maior problema é que Pequim corre o risco de ser vista como superficial no seu envolvimento ou, pior ainda, de capitalizar o conflito Israel-Hamas para promover seus próprios interesses.

A China assume que “ao dizer que apoia a Palestina, ganhará pontos com os países árabes, e essa é uma abordagem padronizada”, diz Fulton, observando que não há uma voz unificada entre os Estados árabes sobre esta questão altamente divisiva.

Wang disse que a China só procura a paz para o Oriente Médio e não tem “interesses egoístas na questão palestina”.

O desafio será convencer o mundo de que isso é verdade.

Com reportagem adicional do BBC Monitoring.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

G1 Mundo

Na Jordânia, secretário de Estado dos EUA se reúne com autoridades árabes para discutir ajuda humanitária à Gaza

Na pauta do encontro em Amã estava a necessidade de aumentar a ajuda humanitária a civis em Gaza e os esforços americanos para evitar que o conflito se amplie com a entrada de outros países ou organizações, como o grupo xiita Hezbollah, baseado no Líbano e foco principal da preocupação americana. Ao fim da reunião, o secretário de Estado americano afirmou que eles também discutiram a retomada das conversas sobre a criação de um estado palestino e que teriam concordado […]

today4 de novembro de 2023 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%