G1 Mundo

Obrigado a recuar, Netanyahu abre brechas na coalizão do governo e na segurança de Israel

today27 de março de 2023 6

Fundo
share close

Sua teimosia para manter um projeto de poder fez dele um amador e lhe custará caro: o premiê abriu uma fenda na coalizão fundamentalista que o sustenta e deixou a segurança de Israel vulnerável aos inimigos que o rodeiam.

Partidos ultranacionalistas e ultraortodoxos que compõem a aliança radical costurada por Netanyahu ameaçaram abandonar o governo após a suspensão da aprovação da reforma. Para permanecer no cargo e não ser abandonado pelos parceiros de coalizão, Netanyahu teve que fazer concessões.

“A reforma judicial não pode ser parada e não podemos nos render à anarquia”, defendeu o ministro Itamar Ben-Gvir, da Segurança Nacional, um dos pilares da extrema direita no Gabinete do primeiro-ministro, que ameaçou renunciar e fazer ruir o governo. Em troca de seu apoio ao adiamento da reforma, o premiê concordou em aprovar a criação de uma guarda nacional, que ficará sob o comando de Ben-Gvir.



Seus comparsas de coalizão seguiam a mesma retórica incendiária e insuflaram manifestantes de extrema direita a confrontar os protestos e os grevistas que paralisaram o país.“Somos a maioria, vamos fazer ouvir a nossa voz. Não vamos deixar que nosso voto e o Estado sejam roubados de nós”, conclamava o ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, que representa os colonos.

Refém dos extremistas, Netanyahu arrasta o quanto pode a convulsão social que começou há três meses, junto com seu novo governo. O ponto de inflexão, no entanto, ocorreu no domingo, quando ele demitiu o ministro da Defesa, Yoav Gallant, que fez um pronunciamento pedindo a suspensão da legislação em avanço no Parlamento.

O recado do ministro foi contundente: a reforma judicial representava um perigo claro e presente à segurança nacional do país. “A divisão crescente em nossa sociedade está penetrando nas forças armadas e nas agências de segurança. A brecha pode levar nossos inimigos a uma oportunidade privilegiada. Não vou ajudar nisso”.

Gallant referia-se ao movimento crescente nas forças armadas contra a reforma judicial de Netanyahu: reservistas se recusavam a comparecer ao serviço militar voluntário enquanto o governo insistisse no projeto de delegar ao Legislativo o poder sobre o Judiciário.

O ministro foi demitido por fazer a coisa certa, avaliou o jornal “Haaretz” em seu editorial. “Em vez de estabilizar o sistema de defesa e impedir a disseminação da recusa em servir, Netanyahu deu um duro golpe na segurança de Israel no domingo”, prosseguiu o jornal.

Entenda a reforma do Judiciário em Israel

Entenda a reforma do Judiciário em Israel

Mas a que preço? Ao que parece, o alerta de Gallant para a suspensão da legislação era corroborado pelo alto escalão militar, enquanto os radicais de direita insistiam em definir o ministro como fraco ao lidar com a insurgência interna e não punir desertores.

Partidários e desafetos de Netanyahu concordam num ponto, ainda que por razões distintas: o país se mostrou vulnerável diante de seus inimigos.

As tensões internas abriram um flanco às ameaças de Irã, facções palestinas e Hezbollah. Como resumiu o colunista Amos Harel, do “Haaretz”, pela primeira vez um primeiro-ministro colocou o seu destino à frente da segurança do país.

Em vez de apelar à unidade das forças armadas, Netanyahu disseminou uma turbulência inédita no interior da corporação. Seu governo agora balança e arca com os danos de ter feito Israel encurtar a distância com seus inimigos externos.

Com o país em convulsão e sem condições de seguir adiante com a aprovação imediata da reforma do Judiciário, como era previsto, o premiê garantiu apenas uma sobrevida: empurrou a crise para maio e invocou o caminho do diálogo com opositores, inexistente até agora.

Milhares nas ruas em Israel contra reforma do Judiciário

Milhares nas ruas em Israel contra reforma do Judiciário




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

premie-de-israel-adia-reforma-do-judiciario-apos-protestos-historicos

G1 Mundo

Premiê de Israel adia reforma do Judiciário após protestos históricos

Netanyahu afirmou que o adiamento acontece porque há uma "vontade de se alcançar um consenso" sobre a reforma do judiciário. Ele deixou claro que o projeto não foi abandonado: é um tempo para o diálogo, nas palavras do próprio Netanyahu, que também disse que vai virar cada pedra para encontrar uma solução e que ele não está disposto a dividir o país em pedaços —segundo ele, há uma minoria que […]

today27 de março de 2023 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%