G1 Mundo

ONU acusa Israel e Hamas de cometer crimes de guerra; plano de trégua em Gaza está em risco

today12 de junho de 2024 4

Fundo
share close

As conclusões foram tiradas de dois relatórios paralelos da Comissão de Inquérito da ONU, um com foco nos ataques de 7 de outubro e outro na resposta de Israel.

Israel, que não cooperou com a comissão, classificou as conclusões como resultado de um viés anti-Israel. O Hamas não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A guerra começou em 7 de outubro, quando militantes liderados pelo Hamas, o grupo islâmico que governa Gaza, mataram 1.200 israelenses e fizeram mais de 250 reféns, de acordo com os registros israelenses.



A retaliação militar de Israel causou a morte de mais de 37 mil palestinos –segundo o Hamas–, deslocou a maior parte da população de Gaza, que é de 2,3 milhões de pessoas, causou fome generalizada e devastou moradias e infraestrutura.

Izzat al-Rishq, membro do gabinete político do Hamas, disse que sua resposta formal a uma proposta de cessar-fogo dos EUA delineada pelo presidente dos EUA, Joe Biden, em 31 de maio, foi “responsável, séria e positiva” e “abre um amplo caminho” para um acordo.

Mas uma autoridade israelense afirmou na terça-feira, sob condição de anonimato, que Israel havia recebido a resposta por meio dos mediadores e que o Hamas “mudou todos os parâmetros principais e mais significativos” e “rejeitou a proposta de libertação de reféns”.

ONU condena ‘carnificina’ em Gaza e líderes discutem futuro do território

ONU condena ‘carnificina’ em Gaza e líderes discutem futuro do território

A proposta delineada por Biden prevê um cessar-fogo e a libertação gradual de reféns israelenses em Gaza em troca de palestinos presos em Israel, o que, em última análise, levará ao fim permanente da guerra.

As principais potências estão intensificando os esforços para interromper o conflito, em parte para evitar que ele se transforme em uma guerra regional mais ampla, com um perigoso ponto de inflamação sendo as hostilidades em escalada acentuada na fronteira entre Líbano e Israel.

A milícia libanesa Hezbollah, apoiada pelo Irã, disparou barragens de foguetes contra Israel na quarta-feira em retaliação a um ataque israelense que matou um comandante de campo sênior do Hezbollah.

Israel disse que, por sua vez, respondeu com ataques aéreos nos locais de lançamento, alimentando a preocupação crescente de um confronto maior.

Os relatórios da ONU divulgados em Genebra, que abrangem o conflito até o final de dezembro, constataram que ambos os lados cometeram crimes de guerra, incluindo tortura, assassinato ou morte intencional, ultrajes à dignidade pessoal e tratamento desumano ou cruel.

Vídeo mostra operação da polícia israelense resgatando três reféns na Faixa de Gaza

Vídeo mostra operação da polícia israelense resgatando três reféns na Faixa de Gaza

Os investigadores também concluíram que Israel cometeu outros crimes de guerra, incluindo a fome como método de guerra, não apenas deixando de fornecer suprimentos essenciais, como alimentos, água, abrigo e medicamentos aos habitantes de Gaza, mas também agindo “para impedir o fornecimento dessas necessidades por qualquer outro”.

Alguns dos crimes de guerra, como o assassinato, também constituem crimes contra a humanidade por parte de Israel, disse a comissão em um comunicado, acrescentando:

“O imenso número de vítimas civis em Gaza e a destruição generalizada de objetos e infraestrutura civis foram o resultado inevitável de uma estratégia empreendida com a intenção de causar o máximo de danos, desconsiderando os princípios de distinção, proporcionalidade e precauções adequadas”.

Algumas vezes, as evidências coletadas por esses órgãos mandatados pela ONU formaram a base para processos de crimes de guerra.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

papa-aconselha-padres-a-serem-ageis-para-que-fieis-nao-cochilem:-‘pessoas-dormem-e-com-razao’

G1 Mundo

Papa aconselha padres a serem ágeis para que fiéis não cochilem: ‘pessoas dormem e com razão’

Pontífice recomendou que as homilias, mensagens feitas pelos padres durante as missas, sejam encurtadas e não passem de oito minutos. Papa Francisco durante missa em maio deste ano. — Foto: Jornal Nacional/Reprodução Os padres devem ser ágeis e encurtar suas homilias para no máximo oito minutos para evitar que fiéis cochilem. A recomendação foi feita pelo papa Francisco nesta quarta-feira (12). Em audiência semanal no Vaticano, o pontífice disse a […]

today12 de junho de 2024 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%