Gospel Prime

Organização questiona embaixador do Irã sobre cristãos condenados no país

today30 de agosto de 2022 10

Fundo
share close

Uma carta foi enviada à Embaixada Iraniana na Espanha pela AEE- Aliança Evangélica Espanhola, a respeito de quatro cristãos que foram condenados recentemente a prisão no Irã.

De acordo com Evangelical Focus, o documento contou com a assinatura de Emilio Carmona, secretário-geral da entidade, e trata da situação dos cristãos.

“Estas pessoas estavam simplesmente exercendo sua liberdade de pensamento, consciência e religião, bem como sua liberdade de expressão, conforme definido no Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos ratificado por seu país,” disse Emilio.

“Estou profundamente chocado com esta notícia porque acredito que a liberdade de religião ou crença é muito importante,” acrescentou.

Tal documento contém expressões claras de preocupação não apenas com relação aos crentes, mas também com os cristãos no Irã em geral.



“Este caso me leva a perguntar a você: se os cristãos não podem se reunir em suas casas, onde devem se reunir para adorar? Eu sei que há muitos cristãos no Irã, então eles devem poder se encontrar em algum lugar”, disse Carmona ao embaixador iraniano.

“Os crentes cristãos podem estar seguros quando vão a uma igreja para adorar juntos?” questionou.

A AEE solicita a libertação dos 4 cristãos que foram condenados. Pedem também, que as acusações sejam retiradas, garantindo os direitos fundamentais.

A carta em questão, refere-se aos casos dos cristãos iranianos: Anooshavan Avedian e Joseph Shahbazian , e mulheres  Malihe Nazari e Mina Khajavi .

Avedian, por exemplo, foi condenado a 10 anos de prisão em maio desse ano, por divulgar propaganda anti-islâmica.

Apesar das audiências e apelações, a Suprema Corte do Irã negou os pedidos de Avedian para libertação e um novo julgamento.

Joseph Shajbazian, também foi condenado a 10 anos de prisão por perturbar a segurança nacional, junto com ele, Khajavi e Nazari também foram condenadas a 6 anos de prisão.

O governo iraniano diz que garante o direito à liberdade religiosa.

De acordo com a agência nacional ““ninguém é perseguido no Irã pelo simples fato de ter opinião ou pertencer a uma determinada classe ou grupo”.

No entanto, organizações civis e grupos de direitos humanos afirmam que não é bem isso que ocorre de fato.

Recentemente surgiram notícias a respeito de um refugiado iraniano que pediu asilo e foi indeferido pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

Hassan, 44, fugiu do Irã alegando risco de vida por se converter ao cristianismo.

No entanto, o judiciário alemão rejeitou seu pedido por considerar sua conversão “particularmente improvável”

“É mais provável que os eventos descritos, se de fato ocorreram, tiveram um efeito paralisante em terceiros”, disseram os juízes alemães.




Todos os créditos desta notícia pertecem a Gospel Prime.

Por: Redacao

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

bolsonaro:-“que-moral-tem-pra-falar-de-mim,-ex-presidiario?”

Gospel Prime

Bolsonaro: “Que moral tem pra falar de mim, ex-presidiário?”

Os candidatos à Presidência da República participaram neste domingo (28) do debate presidencial de 2022. Os organizadores do evento foram um grupo de empresas composto pelas televisões Band e Cultura, portal Uol e jornal Folha de São Paulo. O presidente e candidato Jair Bolsonaro (PL) conseguiu no último bloco do debate de ontem, um direito de resposta e, com isso, criticou o candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Bolsonaro […]

today30 de agosto de 2022 50

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%