G1 Mundo

Ozempic e outros remédios inspirados em veneno de animais

today24 de setembro de 2023 5

Fundo
share close

Um exemplo é a semaglutida, conhecida pelas marcas comerciais Wegovy e Ozempic.

Cientistas descobriram que um hormônio do veneno desse réptil, chamado exendina-4, poderia ser usado para o tratamento de diabetes tipo 2.

A exendina-4 é similar a um hormônio encontrado em seres humanos chamado GLP-1, liberado depois de comer e importante para controlar os níveis de açúcar no sangue.



As pesquisas sobre a exendina-4 geraram a semaglutida, que é um derivado da molécula que permanece no corpo por muito mais tempo, produzindo o efeito farmacológico desejado.

Foi assim que surgiram o Wegovy e o Ozempic, que contêm semaglutida.

O monstro-de-gila não é o único réptil que inspirou medicações inovadoras.

O veneno da jararaca brasileira (Bothrops jararaca) levou ao desenvolvimento de uma classe de drogas conhecidas como inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECAs).

No final dos anos 1960, pesquisadores estudaram o veneno dessa cobra e seus efeitos sobre a pressão sanguínea.

Eles isolaram um peptídeo do veneno, que poderia inibir uma enzima conhecida como enzima de conversão da angiotensina (ECA) e, assim, reduzir a pressão sanguínea.

O experimento resultou no desenvolvimento de uma versão sintética do peptídeo, chamada captopril.

Embora o captopril seja raramente receitado hoje em dia, ele levou à geração seguinte de inibidores da ECA, como o enalapril, amplamente indicado para o tratamento da pressão alta e problemas cardíacos.

Os venenos de criaturas da terra e do mar são uma rica fonte de compostos medicinais.

Os caramujos são conhecidos por produzirem uma série de peptídeos no seu veneno que servem para imobilizar suas presas.

E uma versão sintética de um dos peptídeos encontrados no veneno dos caramujos é utilizada no medicamento analgésico ziconotida.

Outra criatura marinha, a ascídia caribenha, forneceu o medicamento contra o câncer, a trabectedina.

Em 2015, a Administração de Alimentos e Drogas dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês), a agência de vigilância sanitária americana, aprovou em caráter de urgência o uso da trabectedina para o tratamento destes tipos de câncer em pacientes com câncer dos tecidos moles avançado que não reagiram à quimioterapia.

As sanguessugas usadas na medicina também forneceram medicações que salvam vidas humanas.

Quando essas criaturas se agarram a uma pessoa para sugar seu sangue, elas injetam compostos, como hirudina e calina, para evitar que o sangue das vítimas coagule.

As drogas anticoagulantes bivalirudina e desirudina são derivadas de hirudina.

Essas medicações são administradas a pessoas com alto risco de coágulos sanguíneos, como as portadoras de fibrilação atrial, um tipo de arritmia cardíaca.

Nelas, se um coágulo sanguíneo obstruir uma artéria, ele pode causar uma parada cardíaca ou AVC (Acidente Vascular Cerebral, popularmente conhecido como derrame).

Saliva da sanguessuga contém compostos anticoagulantes úteis para uso humano — Foto: BBC

Já outro coagulante chamado varfarina data dos anos 1920, quando bovinos começaram a morrer nos Estados Unidos e no Canadá, vítimas de uma misteriosa doença que causava sangramento nos animais.

Descobriu-se que a causa era o trevo-doce mofado, usado para alimentar o gado. O composto prejudicial do mofo que causava o sangramento chama-se dicumarol, que foi desenvolvido para gerar a varfarina.

A Varfarina foi inicialmente vendida como raticida, por ser muito eficaz para causar sangramento interno nos roedores.

Mas os pesquisadores logo perceberam seu possível uso terapêutico em seres humanos como anticoagulante.

A medicação decolou de verdade em 1955, quando o então presidente americano Dwight Eisenhower (1890-1969) sofreu um ataque cardíaco e foi tratado com varfarina, com sucesso.

Ela é derivada de glicerol e foi inicialmente observada pelas suas propriedades explosivas. Mas seu poder medicinal logo foi reconhecido.

Homens de meia-idade que trabalhavam com explosivos, como os construtores de ferrovias, observavam, às vezes, que suas dores no peito diminuíam depois que manuseavam bananas de dinamite.

Pesquisadores médicos ouviram esta história e desenvolveram um medicamento baseado em nitroglicerina para reduzir sintomas de angina (dor torácica causada pela falta de sangue), dilatando os vasos sanguíneos e aumentando o fluxo de sangue para o coração.

A droga é utilizada até hoje, apesar do seu irritante efeito colateral de acionar os detectores de explosivos nos aeroportos.

Por fim, precisamos agradecer ao gás mostarda, uma arma química mortal, por ter nos fornecido a quimioterapia.

Durante a 1ª Guerra Mundial, cientistas observaram que o gás mostarda destrói o tecido linfático.

Eles passaram, então, a cogitar se a substância poderia destruir células cancerosas em nódulos linfáticos.

Mas foi apenas nos anos 1940 que a mostarda nitrogenada (um derivado do gás mostarda) foi utilizada pela primeira vez para tratar um paciente com câncer no sangue.

E diversas medicações derivadas de agentes mostarda foram desenvolvidas posteriormente.

As medicações modernas continuarão sendo projetadas principalmente em computadores — e, cada vez mais, utilizando inteligência artificial. Mas os pesquisadores seguirão buscando inspiração para novos remédios em locais estranhos e maravilhosos.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

21a-edicao-do-curta-santos-abre-inscricoes-para-curtas-metragens-e-videoclipes;-veja-como-participar

G1 Santos

21ª edição do Curta Santos abre inscrições para curtas-metragens e videoclipes; veja como participar

O Curta Santos – Festival de Cinema de Santos, no litoral de São Paulo, está com inscrições abertas para curtas-metragens de todo o país e videoclipes da região. Os interessados podem enviar o material até o dia 15 de outubro. A 21ª edição do festival será realizada de 15 a 19 de novembro e ocupará diversas salas de exibição e espaços públicos. Mostras especiais, oficinas e bate-papos também fazem parte […]

today24 de setembro de 2023 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%