G1 Mundo

Papa Francisco visita o Sudão do Sul e se encontra com líderes religiosos

today4 de fevereiro de 2023 10

Fundo
share close

Francisco chegou na sexta-feira (3) a Juba, capital do Sudão do Sul, onde se encontrou com os dirigentes do país. E neste sábado (4) foi a vez de se reunir com religiosos vindos de várias dioceses do país, mas também do vizinho Sudão. Todos esperaram pacientemente a chegada do Papa Francisco ao som de cânticos.

Papa Francisco se reúne com religiosos em evento fechado em Juba, capital do Sudão do Sul. — Foto: Vatican Media/­Handout via REUTERS



“É realmente a Igreja que trabalha pela unidade e pela paz, que tenta dar esperança às pessoas”, disse a irmã Mary George, da diocese de Malakal, no nordeste do país, e que trabalha com os refugiados sul-sudaneses no Sudão. “Eu que trabalho com refugiados, nossa esperança é que a vinda do papa nos una e traga paz, estabilidade em nosso país, para permitir que os refugiados voltem para casa, ao invés de ficarem nos campos onde estão, por dez anos”, acrescenta.

Fiéis aguardam aparição pública do papa Francisco em Juba, capital do Sudão do Sul. — Foto: REUTERS/Samir Bol

Ao todo, cerca de 4 mil pessoas, segundo as autoridades, reuniram-se desde cedo para esperar o sumo pontífice no pátio da catedral, muitas delas agitando bandeiras nacionais, em clima de festa. “Viemos aqui para receber suas bênçãos. É tudo uma questão de paz. O papa Francisco não pode nem andar, mas vem encorajar nossos líderes”, disse John Makuei, 24 anos, que chegou antes do amanhecer para não perder esse “dia histórico”.

Em seu discurso, o papa deu conselhos aos religiosos para promoverem a harmonia dentro da sociedade, mas também dentro da Igreja. “Nunca devemos ministrar buscando prestígio religioso e social, mas caminhando no meio e juntos, aprendendo a ouvir e a dialogar”, disse Francisco.

“A mensagem que o papa nos dirigiu hoje, a nós sacerdotes e bispos, a todos os religiosos e cristãos, é ir de casa em casa pregar a paz e a evangelização”, afirmou o padre Victor Roba Bartolomew, da paróquia de Santa Teresa.

O seminarista Peter Gatkuoth Nhial também participou do encontro. “A Igreja realmente lutou pela paz no Sudão do Sul, para unir as pessoas, para que não percam a esperança e rezem juntas. Embora haja problemas em nossa nação, as pessoas precisam se unir e entender que somos todos filhos do mesmo pai”, disse.

O papa Francisco também se reuniu, neste sábado, com deslocados internos do Sudão do Sul, depois de exortar os líderes a darem um “novo salto” aos esforços de paz neste país africano pobre e devastado por guerras pelo poder.

Acompanhado por líderes das Igrejas da Inglaterra e da Escócia, representantes das outras duas confissões cristãs do país, o pontífice destacou que o caminho “tortuoso” da paz não pode mais ser adiado.

País de 12 milhões de habitantes de maioria católica, o Sudão do Sul conquistou, em 2011, a independência do Sudão, de maioria muçulmana, após décadas de conflito. De 2013 a 2018, uma guerra civil entre apoiadores dos líderes Salva Kiir e Riek Machar deixou 380.000 mortos.

Apesar de um acordo de paz assinado em 2018, a violência persiste e o país registrou 2,2 milhões de deslocados em dezembro, segundo o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha). Muito empenhado na defesa dos migrantes, o papa argentino se reuniu com alguns deles.

À noite, Francisco fará o seu terceiro e último discurso do dia, durante uma oração ecumênica. Ao seu lado estarão o Arcebispo de Canterbury, Justin Welby, chefe espiritual da Igreja Anglicana, e Iain Greenshields, a personalidade mais importante da Igreja da Escócia.

VÍDEOS: os mais recentes do g1




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

covid-19:-por-que-o-japao-enfrenta-maior-numero-de-mortes-apos-2-anos-de-pandemia-sob-controle

G1 Mundo

Covid-19: por que o Japão enfrenta maior número de mortes após 2 anos de pandemia sob controle

O Japão já teve uma das menores taxas de mortalidade por covid-19, mas o número aumentou até o final de 2022. O país asiático atingiu seu recorde histórico em 20 de janeiro deste ano com 425 mortes naquele dia, proporcionalmente mais que a América Latina, Estados Unidos ou Coreia do Sul, entre outros, segundo dados do Our World in Data, da Universidade de Oxford. O Japão esteve praticamente fechado para […]

today4 de fevereiro de 2023 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%