G1 Mundo

Parlamento do Iraque debate lei que prevê pena de morte por relações homossexuais

today23 de agosto de 2023 12

Fundo
share close

O Iraque, que não tem nenhuma legislação sobre a homossexualidade, condena pessoas LGBTQIAP+ com base em um artigo do código penal de 1969, que prevê “a prisão perpétua ou vários anos de prisão” por sodomia.

A pequena comunidade LGBTQIAP+ iraquiana é alvo de frequentes “sequestros, estupros, torturas e assassinatos” por parte de grupos armados que gozam de “impunidade”, denunciou a ONG Human Rights Watch (HRW) em um relatório publicado em 2022.

Os deputados retomaram uma emenda à lei anti-prostituição de 1988, proposta pela maioria relativa do Parlamento, onde os partidos islamitas têm peso.



O texto, examinado em primeira instância na semana passada, prevê “a pena de morte ou a prisão perpétua” para todo aquele que “mantiver uma relação homossexual”. A “incitação à homossexualidade” é punida com “pelo menos sete anos de prisão”, segundo o documento, ao qual a agência AFP teve acesso.   

“Preencher um vazio jurídico”

O texto, ainda um rascunho, “está em debate”, segundo o deputado Saoud al-Saadi, do partido islamita xiita Houqouq, braço político das Brigadas Hezbollah, influente grupo armado próximo ao vizinho Irã.

Com esta lei, o Parlamento pretende “preencher um vazio jurídico”, explicou.

Chérif Souleimane, do Partido Democrático do Curdistão (PDK), avaliou, em colunas do jornal estatal Al-Sabah, que pretende afirmar “nossos valores morais e humanos e lutar contra fenômenos anormais da sociedade”.

O conteúdo da lei pode mudar e, segundo o deputado Saoud al-Saadi, falta determinar as datas para uma segunda leitura e a votação. Para Rasha Younès, pesquisadora especializada nos direitos das pessoas LGBTQIAP+ para a HRW, o governo iraquiano quer “desviar a atenção do público para a falta de resultados” de seu trabalho: “é uma medida muito perigosa”, disse.

Esta nova lei é o “ponto culminante” de uma série de ataques contra as pessoas LGBT+, considerou.

“Minha vida vai parar”A retórica anti-LGBTQIAP+ se acentuou nos últimos meses no Iraque.

Durante o verão no hemisfério norte, quando apoiadores do líder religioso xiita Moqtada Sadr se manifestavam em Bagdá contra as queimas de exemplares do Corão na Suécia, alguns incendiaram bandeiras do arco-íris, símbolos do movimento LGBTQIAP+, respondendo à convocação de seu líder, que considerava esta “a melhor forma de provocar” quem apoia e defende a destruição do Corão.

O clima foi ameaçador demais para Abdallah, um iraquiano de 33 anos que deixou Bagdá para se refugiar na Turquia durante as manifestações, perto da embaixada sueca. “A situação ficou muito complicada porque não somos protegidos pelas autoridades”, admitiu. “Se alguém descobrir que sou gay e tiver um problema comigo, poderá dar o meu nome ou a minha foto para grupos armados”, concluiu.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

entenda-por-que-depois-de-15-dias-apos-incendio-no-havai-ainda-ha-850-desaparecidos

G1 Mundo

Entenda por que depois de 15 dias após incêndio no Havaí ainda há 850 desaparecidos

No dia 8 de agosto, um incêndio atingiu a cidade de Lahaina, na ilha de Maui, no estado do Havaí, nos Estados Unidos e, passados 15 dias, ainda há 850 pessoas desaparecidas, de acordo com o prefeito Richar Bissen, do condado de Maui. O número é uma estimativa, mas o FBI e a Cruz vermelha fizeram uma lista com os nomes, que já foi bem maior –nos dias logo depois […]

today23 de agosto de 2023 16

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%