G1 Santos

Pastel de camarão que faz sucesso no litoral de SP já atraiu famosos como Chorão e Pelé; conheça a história

today23 de junho de 2023 17

Fundo
share close

Aos 15 anos, Akira veio para o Brasil com a família, em 1960, assim como muitos imigrantes japoneses. Sete meses separaram o nascimento dele ao lançamento da bomba atômica pelos Estados Unidos sobre Nagasaki, em 1945.

O caçula da família trabalhou na roça, em plantações de tomates no interior de São Paulo, até chegar em Santos. Sem falar português, ele começou a produzir pastéis no litoral paulista e contava com a ajuda de amigos para se comunicar e finalizar as vendas.

Akira fazendo pastéis no carrinho na Ponta da Praia, em Santos — Foto: Alexsander Ferraz



Com o carrinho de pastel, construído pelo próprio pai, Akira aperfeiçoou a receita de um amigo e foi além. Ele inovou ao criar pastéis com recheios de frutos do mar. “Antigamente, tinha só carne, queijo e palmito. O resto, eu lancei. Camarão com queijo, pastel de polvo. Mas, o forte mesmo é o camarão com queijo”, conta.

O descontraído e simpático japonês ganhou sua própria freguesia na Ponta da Praia. Desde a década de 60, ele instalou o seu carrinho de pastel na rua Vereador Henrique Soler, próximo ao Mercado de Peixes de Santos. Os clientes faziam fila para saborear o crocante e sequinho pastel.

Na pandemia, o carrinho teve que ser deixado de lado. Ele e a família abriram uma pastelaria na mesma rua e, há três anos, o filho de Akira assumiu o comércio. Roberto Otani, mais conhecido como Minoru, agora administra o negócio do pai.

Pastel do Akira conquista clientes desde 1967 em Santos, SP — Foto: Mariane Rossi/h1

A produção começa de madrugada. “Às 3h da manhã tem todo o preparo do recheio e da massa. Depois, a gente abre as portas às 10h, começa a venda que vai até às 15h. A gente termina, encerra as vendas, começa-se uma outra fase, que é a limpeza e a preparação para o dia seguinte”, conta Minoru.

A massa do pastel é feita de forma artesanal. Ela leva quatro ingredientes, mas a receita é guardada com carinho pela família e não é revelada a ninguém. O ponto da massa é alcançado com as mãos. Depois, passa por uma masseira, com mais de 30 anos de atividade. Bem fininha e consistente, ela é aberta, cortada e recebe o recheio generoso. Por fim, a massa é fechada com as mãos e a carretilha.

Segundo Minoru, o óleo de algodão, derivado da prensagem da semente, é usado para fritar os pastéis. Para manusear cada um deles, Akira usa hashis de inox. Com a habilidade de quem faz isso por anos, ele sabe o ponto ideal de cada um dos pastéis. Faz de quatro a cinco na mesma hora, e retira os pasteis quentinhos para a freguesia.

Em feriados, sextas e sábados, quem não chegar cedo, fica sem pastel. “Nem sempre a gente consegue cumprir esse horário. Como a gente produz um pastel mais artesanal, a gente produz massa todos os dias, a gente não consegue chegar esse horário pela quantidade de pastéis, que não supre. Não tem massa do dia seguinte, não tem sobra de massa”, conta Minoru.

Pelé já começou os pastéis e o kibe feitos por Akira em Santos, SP — Foto: Reprodução

Famosos como Rubinho Barrichello, Chorão e Pelé já foram clientes de Akira. Ele lembra, com carinho, desse dia em que teve o privilégio de estar com o Rei do Futebol. “Oh, eu fico contente. Ele veio escondido em um fusquinha, para ninguém saber”, conta Akira. Pelé tirou fotos em sua visita e, depois, enviou para Akira como recordação.

Sequinho e bem recheado, o pastel ultrapassou fronteiras. “Tem gente que vem de São Paulo. Já tivemos clientes do Amapá, Rondônia, Amazonas. Gente de fora do país que vem conhecer. Espanha, Portugal, Alemanha, Japão, China, Havaí”, comentou Minoru.

Pastel de camarão do Akira faz sucesso em Santos — Foto: Mariane Rossi/g1

Mesmo um pouco mais distante da cozinha, ele está la pastelaria quase todos os dias. A amizade com a clientela e a vontade de estar com o público atraem esse simpático imigrante. Diante das dificuldades em uma terra desconhecida, ele inovou e conquistou o paladar de muitos brasileiros.

“Por ele ser um estrangeiro e no começo não ter habilidade de falar o português, de alguma maneira ele conseguiu achar um jeitinho de conseguir vender o produto dele. Foi o jeito brincalhão, a simpatia, o pessoal teve empatia por ele”, falou o filho.

Pastel de camarão do Akira faz sucesso em Santos — Foto: Mariane Rossi/g1




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

ocupantes-do-titan-nao-sentiram-a-morte,-diz-especialista

G1 Mundo

Ocupantes do Titan não sentiram a morte, diz especialista

A especialista afirmou que o cérebro humano não é capaz de entender a situação tão rapidamente. "A coisa toda teria colapsado antes que as pessoas lá dentro percebessem que havia um problema", afirmou. Em uma implosão, um objeto colapsa repentinamente se a pressão externa for maior que a interna. O fenômeno ocorre na proporção de forças inversa à de uma explosão. Basta o menor defeito estrutural para desencadear tal catástrofe […]

today23 de junho de 2023 14

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%