G1 Mundo

Pelo menos 36 pessoas mortas por extremistas no leste da República Democrática do Congo

today11 de março de 2023 2

Fundo
share close

Pelo menos 36 pessoas foram mortas por extremistas no leste da República Democrática do Congo (RDC), disseram os militares na quinta-feira (9). As Forças Democráticas Aliadas (ADF), uma milícia rebelde com ligações com o grupo Estado Islâmico, mataram civis na vila de Mukondi, na província de Kivu do Norte.

“O inimigo fez a incursão na chefia de Bashu e conseguiu matar 36 de nossos compatriotas e queimou algumas cabanas de moradores da área”, disse o porta-voz do Exército da RDC na cidade de Beni, capitão Anthony Mwalushayi.

Várias pessoas ficaram feridas no ataque de quarta-feira (8) à noite e uma investigação foi iniciada para procurar os desaparecidos.



O conflito está fervendo no leste do Congo há décadas, enquanto mais de 120 grupos armados lutam por poder, influência e recursos e alguns para proteger suas comunidades. O ADF tem estado amplamente ativo na província de Kivu do Norte, mas recentemente estendeu suas operações à província vizinha de Ituri e a áreas próximas à capital regional, Goma.

Os rebeldes do ADF são acusados pela ONU e grupos de direitos humanos de atacar, mutilar, estuprar e sequestrar civis, incluindo crianças. No início de março, os Estados Unidos ofereceram uma recompensa de até US$ 5 milhões por informações que pudessem levar à captura do líder do grupo, Seka Musa Baluku.

O ataque começou por volta das 19h. Quarta-feira, quando homens com armas e facões invadiram a vila e começaram a matar pessoas indiscriminadamente, disseram testemunhas à Associated Press por telefone.

Uma cabana incendiada é vista na vila de Mukondi, na província de Kivu do Norte, na República Democrática do Congo, quinta-feira, 9 de março de 2023. Pelo menos 36 civis foram mortos quando as Forças Democráticas Aliadas, um grupo com ligações com o grupo Estado Islâmico, atacaram a vila e queimou as cabanas dos moradores. — Foto: (Foto AP/Socrate Mumbere)

“Os rebeldes vieram e primeiro queimaram casas. Então todos que saíram de suas casa foram cortados com facões ou mortos a tiros”, afirmou Saddam Patangoli, um morador da aldeia Mukondi que fugiu do ataque e voltou para sua casa no dia seguinte.

Muitos civis também sequestrados, segundo Patangoli.

Algumas pessoas estão culpando o incidente pela falta de presença do exército da RDC na área. “A área não está coberta por soldados das forças armadas congolesas”, disse Kasereka Alexis, sobrevivente do ataque. “É por isso que o inimigo aproveitou para vir nos massacrar.”

A persistência e evolução da ADF no leste da RDC por quase três décadas expõe a extensão do desafio enfrentado pelo governo, dizem analistas.

“O grupo é famoso por sua extrema violência e sua ligação com o Estado Islâmico fornece acesso a redes jihadistas regionais e fontes de financiamento”, disse Benjamin Hunter, analista da África da Verisk Maplecroft, uma empresa de avaliação de risco.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

aparecimento-misterioso-de-sacos-de-cocaina-em-praias-da-franca-provoca-fenomeno-de-‘narcoturismo’

G1 Mundo

Aparecimento misterioso de sacos de cocaína em praias da França provoca fenômeno de ‘narcoturismo’

Em pleno inverno, pequenas cidades no litoral norte da França percebem um novo fluxo de visitantes em suas praias. São em sua maioria homens, e passam o dia a dar voltas pelo litoral, alguns com binóculos nas mãos. Eles procuram pacotes de cocaína trazidos pelo mar. O fenômeno começou há duas semanas, após sacos da droga terem sido encontrados nas praias. Polícia investiga origem.  No dia 26 de fevereiro, um […]

today11 de março de 2023 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%