Tocando:

Rádio 97Web

PF usou emails, agendas, anotações e decisões como indícios contra Toffoli

Escrito por em 16 de junho de 2021

Para a abertura de inquérito contra o ministro Dias Toffoli do STF, a Polícia Federal juntou uma série de documentos para corroborar com o pedido, visando a comprovação do depoimento de Sérgio Cabral sobre a suposta venda de decisões.

Nesta sexta-feira (21), o Supremo Tribunal Federal irá começar a julgar o material encaminhado que contém emails, agendas com encontros de negociação, mensagens por aplicativos e anotações do ex-governador do Rio que foram anexadas.

O julgamento acontecerá no plenário virtual da corte, com o recurso da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra a validade da delação de Cabral na PF.

Sobre os fatos mencionados, Toffoli afirmou que não os conhece e jamais recebeu nenhum valor ilegal.

Edson Fachin, relator do caso, indeferiu os pedidos de investigação na sexta-feira (14) depois que a PGR se manifestou contra a apuração.

PF investiga ex-policial militar

Na opinião da polícia, os documentos indicam a relação de Cabral e seu grupo com José Luiz Solheiro, o suposto intermediário de Toffoli e sua mulher, a advogada Roberta Rangel.

Segundo Sérgio Cabral, que está preso desde o dia 17 de novembro de 2016, Solheiro, um ex-policial militar, teria entrado na sua equipe de segurança e do ex-governador Luiz Fernando Pesão.

De acordo com a apuração preliminar da PF sobre o ex-PM, empresas sediadas em Jundiaí (SP) foram registradas em seu nome e de um sócio.

Para os investigadores, essas empresas têm capital social de alto valor, o que causa estranheza, além de estarem sediadas em um mesmo endereço e serem dos mesmos donos, segundo a Folha.




Opinião dos visitantes

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *