G1 Santos

Polícia Civil pede prisão preventiva de guarda municipal que matou a própria cachorra, mas MP nega

today17 de janeiro de 2024

Fundo
share close

O caso ocorreu no bairro Beira Mar, em São Vicente. As imagens das câmeras de monitoramento mostram o guarda em uma motocicleta com o animal no colo. Ele chegou a olhar para os lados antes de atirar contra o animal, usando uma arma particular, segundo a prefeitura. Após o tiro, a cadela cai na rua (veja o vídeo acima).

Por meio de nota, o guarda alegou que tomou a medida porque o animal apresentava um comportamento estranho e já havia atacado o pai dele (veja a versão dele completa no fim da reportagem).

GCM de Santos, SP, foi filmado matando a própria cachorra a tiro, no bairro Beira Mar, em São Vicente — Foto: Reprodução



A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP) confirmou que o pedido foi representado por meio do 2° Distrito Policial (DP) de São Vicente, mas indeferido pelo MP-SP. Desta forma, segundo apurado pelo g1, o caso não é arquivado. O guarda responderá criminalmente em liberdade.

O que diz o Ministério Público?

O MP-SP confirmou que houve representação formulada pela autoridade policial à decretação de prisão preventiva do denunciado, e que há robustos indícios da prática de crime punido de 2 a 5 anos de reclusão de forma a justificar a aplicação de medida cautelar.

No entanto, o órgão entendeu que ausência de indicativos de que o indiciado pretenda escapar-se à aplicação da lei penal, tampouco de que irá perturbar a ordem pública.

Dessa forma, considerando que o indiciado é primário, que compareceu à delegacia e constituiu defesa, o MP-SP optou pela aplicação de medidas cautelares ao invés da prisão. São elas:

  • Comparecimento a todos os atos do processo;
  • Proibição de ausentar-se da comarca por mais de 10 dias sem autorização do juiz;
  • Obrigação de manter o juiz informado sobre o endereço atualizado;
  • Suspensão da posse e do porte de arma de fogo.

Em nota, a Prefeitura de Santos informou que o servidor responderá por um processo disciplinar, e estará sujeito a penalidades que incluem a exoneração do cargo.

Em nota, o advogado do guarda municipal, Felipe Pires de Campos, disse que a promotoria do MP-SP agiu com razão. Ele considera que a medida da Polícia Civil foi desproporcional e sem razão, já que o cliente dele desde o início colaborou com as investigações.

Vídeo mostra cadela atacando o pai de GCM que a executou momentos antes dela ser morta

Vídeo mostra cadela atacando o pai de GCM que a executou momentos antes dela ser morta

O guarda contou, por meio de nota enviada pelo advogado Felipe Pires de Campos, que recebeu uma ligação da mãe desesperada, pois o animal havia atacado o pai. “Depois ligou novamente falando que ela também estava ferida”.

“Tentamos de tudo para que ela fosse uma cadela tranquila: floral, adestramento e castração, tudo com indicação de profissionais. A cachorra sequer saia para rua porque se transformava quando colocava a guia, atacava tudo e todos”, disse o GCM.

O guarda municipal afirmou que, ao chegar em casa, viu o quintal cheio de sangue. “Fiquei paralisado, em estado de choque ao ver isso. Não sabia como ir atrás da cadela, que estava ainda surtada, mas como ela fugiu fiquei com medo de vitimar mais alguém”.

(à esq.) Braço do pai do guarda municipal machucado após ataque da cadela e (à dir.) vídeo do animal o atacando, em São Vicente (SP) — Foto: Arquivo Pessoal e Reprodução

A cadela teria fugido e ele afirmou ter ficado com medo de que mais alguém fosse ferido. “A encontrei a algumas ruas ainda com comportamento estranho, trouxe ela no colo, porém vi que ela não estava em seu comportamento ‘normal’, ela iria acabar matando mais alguém naquele estado”.

Ele disse, ainda, que se viu sem opção e resolveu proteger outras pessoas de problemas. “Estou muito triste com tudo isso e não queria esse final. […] Não quero ser condenado antecipadamente pela população como em outros casos. Prestei minhas declarações e entreguei minha arma às autoridades policiais”.

O advogado de defesa do guarda, Felipe Pires de Campos, afirmou que está à disposição da Justiça para esclarecer o que for necessário. “Principalmente não ser condenado antecipadamente pela internet como em tantos casos que temos visto por aí”.

Pai de guarda municipal teria sido atacado por cadela, antes que o filho a executasse, no bairro Beira Mar, em São Vicente (SP) — Foto: Arquivo Pessoal

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

lei-torna-preferenciais-todos-os-assentos-dos-onibus-municipais-de-sao-vicente,-sp

G1 Santos

Lei torna preferenciais todos os assentos dos ônibus municipais de São Vicente, SP

Nova lei foi publicada no boletim oficial do município e já está em vigor. Prefeito Kayo Amado (Podemos) sancionou a lei nº 4512 — Foto: Matheus Tagé/Jornal A Tribuna A cidade de São Vicente, no litoral de São Paulo, implementou a lei nº 4512, sancionada pelo prefeito Kayo Amado (Podemos), que torna todos os assentos do transporte público da cidade preferenciais. A determinação foi publicada no Boletim Oficial do Município […]

today17 de janeiro de 2024

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%