G1 Mundo

Por que 1 milhão de americanos se arriscam em turismo médico no México a cada ano

today5 de agosto de 2023 4

Fundo
share close

No fim de semana, quatro americanos foram sequestrados em Matamoros, no Estado de Tamaulipas, depois de viajar de carro para a cidade fronteiriça mexicana para fazer cirurgias plásticas, segundo parentes. Dois foram confirmados como mortos e dois sobreviveram.

Cidades fronteiriças como Matamoros estão entre as mais perigosas do México.

Os cartéis de drogas controlam grandes regiões do Estado de Tamaulipas e geralmente detêm mais poder do que a polícia local.



Mas essas cidades são alguns dos principais destinos de turismo médico para dezenas de milhares de americanos — alguns que não têm dinheiro para pagar por cuidados de saúde nos EUA.

Os “turistas de medicina” mais experientes, que conhecem a região, aprenderam a tomar precauções, como registrar seu veículo no México, o que permite que eles troquem a placa por uma mexicana depois de entrar no país de carro para que fiquem mais discretos, e evitando passear por essas cidades a pé.

Preço e proximidade fazem do México um dos principais destinos de turismo médico para os americanos.

“É uma questão de economia”, disse Néstor Rodriguez, especialista em estudos de imigração e professor de sociologia na Universidade do Texas em Austin. “Remédios e serviços são mais baratos no México, especialmente procedimentos odontológicos. Você pode limpar seus dentes ou fazer um implante por uma fração do custo do que você consegue nos EUA.”

A qualidade do atendimento geralmente corresponde ao que um paciente pode encontrar nos EUA, acrescentou, embora os Centros de Controle e Prevenção de Doenças tenham alertado sobre infecções de procedimentos cirúrgicos no México.

De acordo com o Conselho Mexicano para a Indústria de Turismo Médico, quase um milhão de americanos viajam ao México para receber cuidados médicos a cada ano.

A cidadã americana Taide Ramirez, de 58 anos, nascida no México, cruza a fronteira há mais de uma década para obter um tratamento mais barato para seu hipotireoidismo, uma viagem de duas horas e meia de sua casa em San Antonio até a fronteira de Eagle Pass/Piedras Negras.

Embora ela tenha seguro de saúde patrocinado pelo empregador, ela diz que suas parcelas nos EUA são mais caras do que o tratamento no México.

Ela disse à BBC que costuma dedicar um dia inteiro à viagem e nunca enfrentou problemas.

Ainda assim, a segurança está em primeiro lugar. Ela não cruza à noite e vai direto para seus compromissos antes de retornar prontamente aos EUA.

“Eu nunca vou sozinha. Sempre levo minha irmã comigo ou meu filho”, acrescentou.

Para muitas cidades fronteiriças, esse tipo de “turismo” está entre as indústrias que mais crescem.

Em Nuevo Laredo, no Estado de Tamaulipas, algumas horas a noroeste de Matamoros, há ruas com dezenas de consultórios odontológicos e hotéis para viajantes que procuram atendimento médico.

Em Tijuana, no Estado de Baja California, a apenas três minutos de carro ao sul da fronteira de San Diego, um centro médico de 33 andares foi inaugurado em novembro de 2022.

Lançado como “o melhor centro de turismo médico do mundo”, o NewCity Medical Plaza oferece atendimento em mais de 30 especialidades médicas, incluindo cirurgia estética, além de hotel e shopping center.

O mais recente comunicado do Departamento de Estado dos EUA adverte contra viagens a Tamaulipas devido a crimes e sequestros, citando que ônibus de passageiros e veículos particulares podem ser um alvo. Outros Estados fronteiriços do México também têm avisos de viagem.

Embora algumas cidades fronteiriças tenham se tornado hostis para imigrantes e requerentes de asilo que tentam entrar nos EUA, a violência contra americanos nessas regiões ainda é rara. O sequestro dos quatro americanos e a subsequente morte de dois é algo “fora do normal”, disse Rodriguez.

Mas isso é um lembrete de que a fronteira não é segura, disse Rodriguez. “Eu parei de ir.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘coloquem-suas-tralhas-no-lugar,-nao-fiquem-no-caminho-de-ninguem’:-piloto-da-bronca-em-passageiros

G1 Mundo

‘Coloquem suas tralhas no lugar, não fiquem no caminho de ninguém’: piloto dá bronca em passageiros

A comediante Anna Leah Maltezos, dos Estados Unidos, estava em um voo na semana passada quando o piloto começou a fazer um discurso sobre boas maneiras para os passageiros. Ela gravou um vídeo, e a fala do homem --que não é identificado-- viralizou entre usuários de redes sociais dos EUA. O piloto da American Airlines afirma que ele precisa falar sobre boas maneiras porque há passageiros egoístias e grosseiros e […]

today5 de agosto de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%