G1 Mundo

Por que a mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém é foco histórico de tensão entre judeus e muçulmanos

today8 de abril de 2023 12

Fundo
share close

As tropas israelenses afirmaram que estavam procurando jovens que tentavam se ‘entrincheirar’ com os fiéis que estavam em plena oração.

Fontes palestinas acusaram as forças de segurança de usar balas de borracha e granadas de efeito moral, o que deixou cerca de 50 pessoas feridas.

A polícia alegou que os jovens palestinos estavam usando pedras e fogos de artifício como armas.



Policiais israelenses e fiéis palestinos voltam a se enfrentar na mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém

Policiais israelenses e fiéis palestinos voltam a se enfrentar na mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém

Os muçulmanos consideram a Al-Aqsa o terceiro lugar mais sagrado do Islã, depois da Meca e da Medina, ambas localizadas na Arábia Saudita.

No centro das religiões monoteístas O Islã diz que o Profeta Mohammad foi levado da Meca para Al-Aqsa e de lá para o céu durante uma única noite em 620 d.C.

Além disso, no Alcorão, o livro sagrado do Islã, é relatado que várias pessoas que os muçulmanos consideram profetas fizeram peregrinações por lá, como Ibrahim (Abraão), Dawud (David), Sulaiman (Salomão), Ilyas (Elías) e Isa (Jesus).

Localizado no coração da Cidade Velha de Jerusalém, al Aqsa fica em uma colina conhecida pelos muçulmanos como al Haram al Sharif, ou O Nobre Santuário.

Este complexo abriga dois locais sagrados para os muçulmanos: o Domo da Rocha e a Mesquita de Al-Aqsa ou Qibli, construída no século 18 d.C.

Esse mesmo local de 14 hectares é conhecido pelos judeus como Har ha Bayit ou Monte do Templo, e também é sagrado para os judeus.

Eles acreditam que o rei Salomão construiu o primeiro templo lá há 3.000 anos e que um segundo templo judaico construído no local foi destruído pelos romanos em 70 d.C.

Templos sagrados muçulmanos estão localizados perto do Muro das Lamentações — Foto: GETTY IMAGES

Quem administra a mesquita atualmente?

Israel tomou posse da mesquita de Al-Aqsa na guerra de 1967 com seus vizinhos árabes, e a anexou junto com o resto de Jerusalém Oriental e partes próximas da Cisjordânia.

As áreas estavam sob controle egípcio e jordaniano na época, e a ação de Israel nunca recebeu reconhecimento internacional.

O monarca hachemita da Jordânia é o guardião oficial de ambos os locais de culto muçulmano, inclusive a mesquita de Al-Aqsa.

Ele nomeia membros de uma fundação independente do governo israelense – conhecida como waqf islâmica – para supervisionar o local.

Os muçulmanos acreditam que o profeta Mohammed ascendeu ao céu da mesquita de Al-Aqsa — Foto: GETTY IMAGES

O Islã acredita que foi no local da mesquita de Al-Aqsa que o profeta Mohammad ascendeu ao céu.

Os não-muçulmanos podem visitar a mesquita, mas apenas os crentes desta religião podem rezar dentro do templo.

O Rabinato Chefe de Israel, por sua vez, proíbe os judeus de entrar no complexo do Monte do Templo porque é considerado sagrado demais para pisar.

O governo israelense permite que cristãos e judeus visitem o local apenas como turistas e apenas por quatro horas por dia e cinco dias por semana.

Os judeus rezam no Muro das Lamentações, abaixo do Monte do Templo, que se acredita ser o último remanescente do Templo de Salomão.

Que conflitos eclodiram em al Aqsa?

Em 2000, Ariel Sharon, líder do principal partido de oposição de Israel na época, liderou um grupo de legisladores do partido de direita Likud ao local, dizendo: “O Monte do Templo está em nossas mãos e permanecerá em nossas mãos. É o lugar mais sagrado do judaísmo e é direito de todo judeu visitar o Monte do Templo.”

Os palestinos protestaram e ocorreram confrontos violentos, que culminaram na segunda Intifada palestina, também conhecida como Intifada de Al-Aqsa.

Mais de 3.000 palestinos e cerca de 1.000 israelenses morreram nela.

A mesquita tem sido palco de confrontos violentos há anos — Foto: Reuters

Houve vários confrontos entre manifestantes e policiais no local.

Em maio de 2021, palestinos que protestavam contra o despejo de famílias em seus territórios entraram em confronto com a polícia israelense em Al-Aqsa. Pelo menos 163 palestinos e 17 policiais israelenses ficaram feridos.

Em resposta a isso, o grupo islâmico Hamas lançou foguetes contra Jerusalém a partir da Faixa de Gaza, provocando um conflito de 11 dias com Israel.

No ano passado, durante a primeira coincidência em três décadas entre o mês sagrado islâmico do Ramadã e o feriado judaico da Páscoa, cenas violentas aconteceram quando a polícia israelense liberou o pátio antes de escoltar os visitantes judeus ao complexo.

A polícia afirmou que também foram atiradas pedras contra o Muro das Lamentações.

Os danos causados pelos confrontos na mesquita foram consideráveis.

Nesta semana, a polícia invadiu a Mesquita de Al-Aqsa, dizendo que “desordeiros” se barricaram com fiéis dentro do templo.

Os protestos começaram com relatos de que extremistas judeus planejavam sacrificar uma cabra no Monte do Templo durante a Páscoa, como era feito nos tempos bíblicos.

A polícia israelense e as autoridades religiosas declararam que não permitiriam tal ato.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, insistiu que a polícia “deve agir para restaurar a ordem… garantir o livre acesso a todas as religiões e manter o status quo no Monte do Templo”.

No entanto, o waqf islâmico que administra a esplanada descreveu a operação policial como “uma flagrante violação da identidade e função da mesquita como local de culto exclusivo para os muçulmanos”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

lula-e-convidado-a-participar-da-cupula-do-g7;-entenda-o-que-e-o-grupo-e-o-que-deve-ser-discutido

G1 Mundo

Lula é convidado a participar da cúpula do G7; entenda o que é o grupo e o que deve ser discutido

Na gestão Lula, o governo brasileiro tem buscado adotar uma política externa diferente da praticada no período em que Jair Bolsonaro esteve no poder. Presidente Lula — Foto: Ricardo Stuckert/PR Desde que tomou posse, Lula, por exemplo: foi a Washington (EUA) e se reuniu com o presidente americano, Joe Biden; Bolsonaro apoiou a reeleição de Donald Trump, derrotado por Biden;esteve em Buenos Aires para se reunir com o presidente argentino, […]

today8 de abril de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%