G1 Mundo

Por que o front na Ucrânia lembra a Primeira Guerra Mundial

today25 de março de 2023 10

Fundo
share close

Muitos analistas já observaram que a atual dinâmica da Guerra da Ucrânia lembra cada vez mais o que aconteceu na Primeira Guerra Mundial, de 1914 a 1918 – e que muitas pessoas hoje conhecem das imagens mostradas no filme Nada de novo no front.

Os analistas se referem ao que, no jargão militar, é conhecido como guerra de exaustão e que também tem os nomes de guerra de posições, guerra de desgaste ou guerra de atrito. Frequentemente é também uma guerra de trincheiras.

Ao contrário da guerra de movimento, a guerra de exaustão transcorre num local fixo, no qual o front permanece por um longo tempo inalterado, enquanto se busca impor pesadas perdas materiais e de pessoal ao inimigo, ao ponto da exaustão e do consequente colapso.



A emblemática Batalha de Verdun

O caso mais conhecido de guerra de exaustão ocorreu justamente na Primeira Guerra Mundial, no front ocidental, quando as duas partes permaneceram durante anos em trincheiras, defendendo posições, sem grandes avanços.

Soldados franceses atacando de sua trincheira durante a batalha de Verdun, 1916. — Foto: Wikimedia Commons

A batalha emblemática da guerra de exaustão é a Batalha de Verdun, ocorrida ao longo do ano de 1916. Verdun foi uma das batalhas mais longas e mortais da Primeira Guerra Mundial.

O chefe do Estado-maior alemão, general Erich von Falkenhayn, diria, anos depois, que o principal objetivo dele não era tomar Verdun, mas destruir a força militar francesa, ainda que muitos historiadores duvidem dessa versão.

Bakhmut tem alto valor simbólico

Nas últimas semanas são cada vez mais frequentes as comparações entre Verdun e a batalha pela cidade ucraniana de Bakhmut, na região de Donetsk – também esta, longa e sangrenta.

Embora a pequena cidade ucraniana, assim como a pequena Verdun em 1916, não tenha grande importância estratégica, ambos os lados lutam ferrenhamente por ela, com custos elevados de pessoal e material.

Cenário de destruição em Bakhmut — Foto: AP

A liderança ucraniana afirma que há sete russos mortos para cada ucraniano morto na batalha. Especialistas da Otan calculam que a proporção seja de 5 para 1.

Os ucranianos estão defendendo Bakhmut desde o verão europeu do ano passado. Os relatos mais recentes dão conta de que os russos estão avançando, ainda que muito lentamente.

Como Verdun, Bakhmut se transforma cada vez mais num símbolo – para ambos os lados.

Para os ucranianos, Bakhmut é um símbolo de resistência, uma demonstração de que é possível conter e vencer os russos. Para os russos, tomar Bakhmut seria a primeira vitória digna de nota desde a tomada de Lysychansk, em julho de 2022.

E devido aos meses de batalha e bombardeios, o front em Bakhmut também se assemelha à paisagem devastada pela guerra de Verdun na Primeira Guerra Mundial, com prédios destruídos, árvores reduzidas aos troncos e trincheiras cheias de lama.

Mas, se a dinâmica no terreno se assemelha ao que aconteceu há mais de cem anos, as proporções são outras. Estimativas recentes indicam que as forças ucranianas usam menos de 10 mil projéteis de artilharia por dia, e os militares russos, algumas dezenas de milhares. Na Primeira Guerra Mundial o total diário podia passar de 1 milhão.

Soldados ucranianos guardam posições nas proximidades de Bakhmut — Foto: Sergey Shestak/AFP

Também os contingentes militares envolvidos na Guerra da Ucrânia são muito menores do que na Primeira Guerra Mundial, e as perdas, ainda que elevadas de ambos os lados, não chegam nem perto dos 9 milhões de militares mortos – sem falar num número equivalente de civis.

Em entrevista à DW, o historiador australiano Christopher Clark, autor de The sleepwalkers: How Europe went to war in 1914 (Os sonâmbulos: Como a Europa foi à guerra em 1914), também rejeitou uma comparação com o início da Primeira Guerra Mundial. Ele lembra que, em 1914, o conflito não começou com o ataque frontal de um país ao outro, mas com o assassinato do arquiduque Franz Ferdinand, herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro.

Para ele, o início da Guerra da Ucrânia tem paralelos com o século 19, ou como o czar Nicolau 1º, em 1848, justificou a intenção de invadir e ocupar a Valáquia, na atual Romênia. “Acho que Vladimir Putin encara a Ucrânia como um território [da Rússia]”, observou. “Estamos de volta ao mundo do século 19 e não ao mundo em 1914.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

eventos-esportivos-provocam-interrupcoes-nas-travessias-maritimas-na-baixada-santista,-sp

G1 Santos

Eventos esportivos provocam interrupções nas travessias marítimas na Baixada Santista, SP

Pausas são importantes para a segurança dos atletas durante a prova. Travessia de balsas em Santos, SP — Foto: Departamento Hidroviário/Divulgação Os eventos esportivos Ultramaratona Aquática do Rio Itapanhaú e Volta à Ilha de Santo Amaro devem provocar pausas momentâneas nas travessias marítimas na Baixada Santista, no litoral de São Paulo, neste sábado (25). Segundo o Departamento Hidroviário (DH), as interrupções são importantes para a segurança dos atletas durante a […]

today25 de março de 2023 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%