G1 Mundo

Por que pais sul-coreanos estão se trancando em celas de confinamento

today30 de junho de 2024 6

Fundo
share close

Não são permitidos celulares ou laptops dentro dessas celas, que não são maiores do que um armário de loja, e seus habitantes têm apenas paredes nuas como companhia.

Os residentes podem usar uniformes azuis de prisão, mas não são detentos – eles vieram para o centro na Coreia do Sul para uma “experiência de confinamento”.

Célula de confinamento solitário



Jovens reclusos, como os filhos desses residentes, são chamados de hikikomori, um termo cunhado no Japão na década de 1990 para descrever o isolamento social severo entre adolescentes e jovens adultos.

No ano passado, uma pesquisa do Ministério da Saúde e Bem-Estar da Coreia do Sul com 15.000 pessoas de 19 a 34 anos descobriu que mais de 5% dos entrevistados estavam se isolando. Se isso for representativo da população em geral da Coreia do Sul, significaria que cerca de 540.000 pessoas estavam na mesma situação.

Desde abril, pais têm participado de um programa de educação parental de 13 semanas, financiado e administrado por organizações não-governamentais (ONGs) como a Korea Youth Foundation e o Blue Whale Recovery Centre.

O objetivo do programa é ensinar as pessoas a se comunicarem melhor com seus filhos. O programa inclui três dias em uma instalação em Hongcheon-gun, na Província de Gangwon, onde os participantes passam um tempo em um quarto que replica uma cela de confinamento solitário.

A esperança é que o isolamento ofereça aos pais uma compreensão mais profunda de seus filhos.

O filho de Jin Young-hae está isolado em seu quarto há três anos. Mas, desde que passou um tempo em confinamento, a sra. Jin (não é seu nome verdadeiro) entende um pouco melhor a “prisão emocional” de seu filho de 24 anos.

“Eu fiquei me perguntando o que fiz de errado… é doloroso pensar nisso,” diz a mulher de 50 anos. “Mas, ao começar a refletir, ganhei um pouco de clareza.”

O termo hikikomori tem origem no Japão (foto ilustrativa). — Foto: Getty Images via BBC

Seu filho sempre foi talentoso, diz a sra. Jin, e ela e o pai dele tinham grandes expectativas. Mas ele frequentemente estava doente, tinha dificuldades para manter amizades e eventualmente desenvolveu um distúrbio alimentar, tornando difícil frequentar a escola.

Quando começou a frequentar a universidade, parecia estar indo bem por um semestre, mas um dia ele se isolou completamente. Vê-lo trancado em seu quarto, negligenciando a higiene pessoal e as refeições, partiu seu coração.

Quando a sra. Jin veio à Fábrica da Felicidade, ela leu bilhetes escritos por outros jovens isolados. “Ler esses bilhetes me fez perceber: ‘Ah, ele está se protegendo com o silêncio porque ninguém o entende'”, diz ela.

Park Han-sil (não é seu nome real) veio para cá por causa de seu filho de 26 anos, que cortou toda a comunicação com o mundo exterior há sete anos. Depois de fugir de casa algumas vezes, ele agora raramente sai do quarto.

A sra. Park levou-o a um conselheiro e a ver médicos, mas seu filho se recusou a tomar os medicamentos para a saúde mental que lhe foram prescritos e tornou-se obcecado por jogar videogame.

Relacionamentos interpessoais

Embora a zra. Park ainda tenha dificuldades para se comunicar com seu filho, ela começou a entender melhor os sentimentos dele através do programa de isolamento.

“Percebi que é importante aceitar a vida do meu filho sem forçá-lo a se encaixar em um molde específico”, diz ela.

Pesquisas do Ministério da Saúde e Bem-Estar da Coreia do Sul sugerem que há uma variedade de fatores que levam os jovens a se isolarem. Segundo a pesquisa do ministério com jovens de 19 a 34 anos, as razões mais comuns são:

  • dificuldades para encontrar um emprego (24,1%);
  • problemas nos relacionamentos interpessoais (23,5%);
  • problemas familiares (12,4%);
  • questões de saúde (12,4%).

A Coreia do Sul tem uma das taxas de suicídio mais altas do mundo e, no ano passado, seu governo revelou um plano de cinco anos para enfrentar esse problema. Os ministros anunciaram que haveria exames de saúde mental financiados pelo estado para pessoas de 20 a 34 anos a cada dois anos.

No Japão, a primeira onda de jovens se isolando, nos anos 1990, levou a uma demografia de pessoas de meia-idade dependentes de seus pais idosos. E tentar sustentar seus filhos adultos apenas com uma pensão fez com que alguns idosos caíssem na pobreza e na depressão.

A professora Jeong Go-woon, do departamento de sociologia da Universidade Kyung Hee, diz que a expectativa da sociedade coreana de que grandes marcos da vida sejam alcançados em momentos definidos amplifica a ansiedade dos jovens – especialmente em tempos de estagnação econômica e baixo emprego.

A visão de que as realizações de um filho são um sucesso dos pais contribui para que famílias inteiras afundem no atoleiro do isolamento. E muitos pais percebem as lutas de seus filhos como um fracasso na criação, levando a um sentimento de culpa.

“Na Coreia, os pais muitas vezes expressam seu amor e sentimentos através de ações práticas e papéis, em vez de expressões verbais”, diz a professora Jeong. “Os pais financiarem as mensalidades dos filhos através do trabalho árduo é um exemplo típico de uma cultura confucionista que enfatiza a responsabilidade.”

Essa ênfase cultural no trabalho árduo pode refletir o rápido crescimento econômico da Coreia do Sul na segunda metade do século 21, quando se tornou uma das principais economias do mundo.

No entanto, de acordo com o World Inequality Database, a desigualdade de riqueza no país piorou nas últimas três décadas.

A diretora do Centro de Recuperação da Baleia Azul, Kim Ok-ran, diz que a visão de que os jovens que se isolam são um “problema familiar” faz com que muitos pais também acabem se afastando das pessoas ao seu redor. E alguns têm tanto medo de serem julgados que nem conseguem falar com familiares próximos sobre sua situação.

“Eles não conseguem expor o problema, o que leva os próprios pais a se isolarem também”, diz a Sra. Kim.

“Muitas vezes, deixam de participar de encontros familiares durante os feriados.”

Os pais que buscaram ajuda na Happiness Factory ainda aguardam ansiosamente pelo dia em que seus filhos possam retomar uma vida normal.

Quando perguntada o que diria ao filho se ele saísse do isolamento, os olhos de Jin se enchem de lágrimas. “Você passou por tanto,” ela diz, com a voz tremendo. “Foi difícil, não foi? Estarei cuidando de você.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

video:-foguete-chines-e-lancado-por-engano-e-cai-em-montanha-perto-de-cidade-na-china

G1 Mundo

VÍDEO: Foguete chinês é lançado por engano e cai em montanha perto de cidade na China

Módulo se soltou por uma falha durante um teste, segundo companhia prorpietária do foguete, que ainda estava no primeiro estágio de desenvolvimento. Não há registro de vítimas. Foguete chinês é lançado por engano e cai em montanha perto de cidade na China Um foguete chinês que ainda estava sendo preparado para ser enviado ao espaço foi lançado por engano neste domingo (30) e acabou caindo e explodindo em uma área […]

today30 de junho de 2024 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%