G1 Mundo

Por que tantas mulheres estão apoiando a direita radical na França

today7 de julho de 2024 5

Fundo
share close

Apenas nos últimos cinco anos, a parcela da população feminina que vota no RN ganhou dez pontos percentuais, passando de 20% a 30%, de acordo com diferentes pesquisas.

No caso eleitorado masculino foram 36%, segundo a pesquisa Ipsos-Talan para France.tv e Public Sénat.

A operação de atração da população feminina começou quando Marine assumiu, em 2011, as rédeas do partido fundado no início dos anos 1970 por seu pai, Jean-Marie Le Pen.



Os discursos violentos e polêmicos dele — que resultaram em várias condenações na Justiça, inclusive por apologias a crimes de guerra — e também suas declarações sexistas espantavam grande parte das mulheres. Nas eleições presidenciais de 2002, por exemplo, ele só obteve votos de 11% desse público.

Uma das razões que explicam a progressão do Reunião Nacional no eleitorado feminino, afirmam especialistas, é que Marine Le Pen utilizou de maneira estratégica seu gênero para se dirigir diretamente às mulheres, se distanciando da herança sexista e machista de seu pai.

“Ela utiliza o argumento de dizer que é uma mulher como as outras, moderna e que trabalha, batalha na vida, é divorciada e com filhos”, disse à BBC News Brasil a socióloga Janine Mossuz-Lavau, diretora de pesquisas no Centro de Pesquisas Políticas da universidade Sciences Po de Paris.

Outro fator, importante, é que Marine Le Pen focou seu discurso econômico nas classes desfavorecidas, com propostas para a melhoria do poder aquisitivo da população.

“As mulheres, de maneira mais frequente, estão em situação de precariedade. Elas têm salários mais baixos e empregos menos qualificados. Isso também leva a votar na direita radical”, afirma Mossuz-Lavau.

São geralmente as mulheres que fazem as compras da casa e administram o orçamento familiar. Entre as medidas propostas regularmente pelo RN em eleições estão a redução das tributações sobre energia e combustíveis e também em produtos de primeira necessidade.

Bardella, Marine e Jean-Marie Le Pen: a evolução da extrema direita na França

Bardella, Marine e Jean-Marie Le Pen: a evolução da extrema direita na França

As mulheres, afirmam especialistas, também têm mais preocupações em relação à segurança pública, outro tema forte do partido Le Pen, que mistura em seus discursos problemas de falta de segurança e imigração.

O discurso mais moderado de Le Pen, que faz parte da estratégia de “desdiabolização” do RN, acabou ampliando o eleitorado que vota na direita radical, antes mais concentrado nas camadas mais populares de operários, desempregados e pessoas com baixa qualificação.

Jordan Bardella, de apenas 28 anos, assumiu a presidência do partido nacionalista em 2021. Orientado por Marine, ele também focou nas mulheres, sobretudo nas redes sociais. Ele lançou um apelo ao eleitorado feminino para votar no partido nestas eleições legislativas.

“Há o efeito Marine Le Pen, mas também há o efeito Bardella. Todo arrumadinho, engomadinho, ele parece o genro ideal. Ele agrada não só as filhas, mas também as mães”, afirma o socióloga.

Diferença entre discurso e prática

A direita radical de Le Pen faz declarações sobre os direitos das mulheres, que o partido promete proteger, mas organizações feministas dizem que o discurso é um “feminismo de fachada”.

Em um artigo no jornal Le Monde, a filósofa Camille Froidevaux-Metterie, afirma que “para as mulheres, votar RN é como apontar uma arma para si mesma.”

Deputados do partido se abstiveram de votar uma lei na França em 2018 contra violências sexistas e sexuais.

Le Pen se opôs à ampliação do prazo legal para a realização de abortos, totalmente autorizado na França, e também foi contra a reprodução assistida para todas as mulheres, o que inclui casais de lésbicas.

Deputados europeus do partido também votaram em massa contra uma condenação da Polônia após restrições do direito ao aborto.

O presidente francês Emmanuel Macron e Marine Le Pen em cartazes de campanha — Foto: Getty Images via BBC

A direita radical de Le Pen também amplia seu eleitorado entre os jovens, que tradicionalmente tendem em votar em partidos de esquerda.

No primeiro turno das legislativas francesas, no domingo passado, 33% dos eleitores na faixa de 18 a 24 anos votaram no RN, segundo o instituto Ipsos. Nesta mesma faixa etária, 9% votaram no movimento de Macron e 48% na aliança dos principais partidos de esquerda, a Nova Frente Popular.

Outra pesquisa, do instituto Ifop, aponta que 25% da faixa etária 18-24 anos votaram no RN no domingo do primeiro turno.

“Também há muitos jovens em situação precária, com baixos salários ou desempregados, mesmo diplomados. Há um ressentimento que o Reunião Nacional sabe explorar”, afirma a socióloga Massuz-Lavau.

É uma geração que não conheceu Jean-Marie Le Pen à frente do partido, que na época se chamava Frente Nacional. Além disso, Bardella, o presidente do RN, é um novo rosto do Reunião Nacional. Ele é jovem e se tornou um fenômeno no TikTok.

Ele soube utilizar bem as redes sociais para atrair eleitores, se mostrando em diferentes situações do dia a dia e concentrando a imagem do partido nele.

Isso é uma tática crucial para que o eleitorado, principalmente jovem, não se lembre que certos membros do partido continuam criando polêmicas por comentários racistas e antissemitas.

Uma candidata do RN teve que desistir do segundo turno das legislativas após uma foto antiga sua usando um chapéu nazista ter viralizado. Nesses casos, Marine Le Pen intervém rapidamente para evitar que seus longos esforços para melhorar a imagem do partido sejam afetados.

Essas eleições legislativas estão mobilizando mais o eleitorado. A taxa de comparecimento às urnas no domingo passado, de cerca de 66%, foi a maior em 40 anos. Estima-se que neste domingo ela também será alta. E os jovens também votaram mais, com uma participação de 56%.

Como funcionam as eleições legislativas na França

Como funcionam as eleições legislativas na França




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

Notícias

Vitória da extrema direita, sucesso da aliança centro-esquerda ou impasse? Entenda os cenários possíveis das eleições na França

O partido nacionalista e anti-imigração de Marine Le Pen, Reunião Nacional, tem a chance de ganhar a maioria legislativa pela primeira vez, mas o resultado permanece incerto devido a um sistema de votação complexo e manobras por parte dos partidos políticos. Entenda os cenários possíveis: O que está acontecendo neste domingo? Os eleitores na França e nos territórios ultramarinos podem votar para 501 dos 577 assentos na Assembleia Nacional, a Câmara de Deputados local e mais importante das duas casas […]

today7 de julho de 2024 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%