G1 Santos

Posso devolver um bolo? E artesanato? Saiba quais os direitos do cliente ao comprar de profissionais autônomos

today30 de junho de 2022 74

Fundo
share close

Os casos de uma mulher que pediu dinheiro de volta após a sobrinha morder e quebrar o dente em uma presilha com enfeite de brigadeiro, e de uma aniversariante que fez a mesma reivindicação após se negar a cortar o bolo por parecer de mentira, repercutiram e geraram dúvidas sobre os direitos de consumidores que compram ou fazem contratos com autônomos. O g1 conversou com o coordenador do Núcleo Regional de Santos do Procon/SP, Fabiano Mariano, que esclareceu detalhes sobre o que pode ou não ser feito, baseado no Código de Defesa do Consumidor (CDC).

O coordenador ressalta que é importante sempre ter um contrato assinado para evitar problemas ao consumidor e ao fornecedor, além de ter um “orçamento prévio com detalhes da negociação e validade da proposta”, ressalta.

Confira quais são os direitos dos clientes ao comprar de autônomos

– Qual a principal diferença entre o comércio formal e a compra com autônomos?



“[A diferença é] a informalidade, pois os consumidores, na maioria das vezes, não realizam contratos ou exigem recibos que comprovem a aquisição ou prestação do serviço destes fornecedores”.

– Quais os direitos do cliente ao comprar de autônomos?

“Os mesmos direitos previstos em relação a qualquer tipo de fornecedor, como lojas, mercados, costureiras, marceneiros, mecânicos, profissionais liberais, entre outros”.

– O cliente pode trocar os produtos caso não goste?

“Existem algumas situações distintas: se o produto foi adquirido em loja física e ela não tenha uma política de troca, como ajuste de prazo mediante apresentação da nota fiscal e manutenção da etiqueta no produto, valerá apenas a disposição legal de troca no caso de vício, prevista no artigo 18 do CDC. Caso o consumidor tenha adquirido um produto sem ter contato físico, por exemplo, compras pela internet ou catálogo, valerá o prazo de sete dias para desistência da compra, previsto no artigo 49 do CDC”.

Mulher não corta o bolo de aniversário e pede para devolver

Mulher não corta o bolo de aniversário e pede para devolver

– É possível devolver o bolo ou encomendas alimentícias?

“Sim, por aplicação do artigo 49 do CDC, com exceções a serem analisadas, principalmente a da boa-fé e equilíbrio nas relações entre consumidores e fornecedores. Porém, deve ser analisada a forma de aquisição deste produto, se a consumidora encomendou por telefone ou se foi ao estabelecimento e adquiriu após escolher entre produtos já prontos. Neste caso [se foi à loja], somente caberia a devolução no caso de defeitos, opção prevista no artigo 18”.

Mariano explica que o CDC não faz distinção se é produto alimentício ou não. “Sendo produto, se aplica a regra geral: se adquirido em estabelecimento presencial e tem defeito, deve ser trocado. Se não tem defeito, não precisa ser trocado. Se for compra de produto fora do estabelecimento comercial, sem contato prévio do consumidor com o produto, aí não precisa nem ter defeito, pois a lei garante a troca no prazo de sete dias independente de motivo”, esclarece.

– Quando é artesanato, o produto pode ser devolvido?

“Mesmas opções das situações da compra em que a pessoa tenha contato prévio com o produto ou não”.

– Há algum prazo legal para efetuar a troca de produtos?

Se a troca for motivada por conveniência [sem obrigação da lei, mas feita por cortesia do fornecedor], será o prazo ajustado entre o fornecedor e o consumidor. No entanto, caso a troca seja por defeito, o prazo para o consumidor reclamar e requerer a troca é de 30 dias no caso de produtos perecíveis, e 90 dias em caso de não perecíveis, previsto no artigo 26. Os dois casos contados a partir da aquisição ou recebimento do produto.

Fabiano Mariano, durante inspeção do Procon/SP — Foto: Renato Inácio

– O cliente pode exigir o dinheiro de volta, caso devolva o produto?

Sim, é uma das opções previstas em lei no caso de produto com defeito ou arrependimento da compra não presencial.

– Em relação a prestação de serviço, como pintura de imóveis ou manicure, por exemplo, caso o cliente não aprove o serviço, o autônomo deve devolver o valor pago?

Se o serviço já foi concluído, aplica-se as opções do artigo 20 do CDC: a reexecução dos serviços, sem custo adicional, e, quando cabível, a restituição imediata da quantia paga, sem prejuízo de eventuais perdas e danos; ou o abatimento proporcional do preço.

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

procurador-que-espancou-chefe-pode-ser-multado-em-cerca-de-r$-16-mil

G1 Santos

Procurador que espancou chefe pode ser multado em cerca de R$ 16 mil

A Secretaria da Justiça e Cidadania do Governo do Estado de São Paulo investiga a agressão sofrida por Gabriela Samadello Monteiro de Barros, procuradora-geral de Registro, no interior de São Paulo. A profissional foi espancada com socos e pontapés pelo procurador Demétrius Oliveira Macedo que, após conclusão das investigações, pode ser multado administrativamente em cerca de R$ 16 mil. A investigação realizada Secretaria da Justiça e Cidadania começou no dia […]

today30 de junho de 2022 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%