G1 Mundo

‘Prefiro ir preso’: os russos que fogem da guerra na Ucrânia

today24 de julho de 2023 10

share close

Até fevereiro, ele frequentava a universidade em Moscou. Como não é incomum no país, tinha um contrato com as Forças Armadas: o Ministério da Defesa pagava por seu estudo e garantia a vaga na casa de estudantes. Em contrapartida, ele se comprometeu a servir o Exército, após concluídos os estudos.

“Na época assinei o contrato por burrice. Várias coisas não estavam claras para mim. Pensei: ‘OK, vou perder três anos no Exército, em compensação saio com o meu curso superior.”

Ao receber a ordem de convocação, Nikita quis dar baixa no serviço militar, mas a instituição rejeitou seu pedido e propôs um acordo: “Eles me transferiram para um departamento da liderança, onde eu ajudaria o comandante com a papelada. Aí em setembro me deram um outro posto: eu trabalhava com tecnologia militar para repelir o inimigo, no caso de uma ofensiva.”



Compreendendo que poderia ser enviado para a Ucrânia a qualquer momento, o rapaz decidiu deixar o país e fugir para a vizinha Geórgia.

“Eu não queria ir para a guerra. Desertar era a minha única chance.”

Ele está consciente dos riscos, “que vou ter que me esconder da Rússia pelo resto da vida, que não vou poder voltar nunca mais”: “Não tenho medo de morrer ou de acabar na prisão. Mas simplesmente não quero ter que matar ninguém”, justifica-se.

Uma loteria chamada guerra

Nikita não é um caso isolado: ativistas dos direitos humanos registram mais de mil processos por suposta deserção, mas o número real dos desertores deve ser bem mais elevado, relata Grigory Swerdlin, da Idite Lesom, uma ONG russa – cujo nome pode ser traduzido como “Se manda” – que ajuda objetores do serviço militar a escaparem para o estrangeiro.

Alguns temem a mobilização, outros já estavam na frente de combate e não querem mais lutar, explica Swerdlin: “Escutamos muitos relatos sobre o caos que impera no front. Às vezes ninguém sabe onde os comandantes estão. Outros contam que foram simplesmente depositados em campo aberto, sem qualquer noção nem comando. Quer dizer: ninguém ensina nada aos recrutas, o treinamento é só atirar uma vez com metralhadora.”

Principalmente no terceiro trimestre de 2022, quando a mobilização começou, vários recrutas relataram nas redes sociais as irregularidades nos campos de treinamento e no front. Algo que Igor Sandzhiev conhece em primeira mão.

O operário russo de 46 anos, que vive atualmente em Uralsk, no oeste do Cazaquistão, faz questão de divulgar seu nome verdadeiro, pois quer que sua história seja conhecida. Tudo começou quando foi convocado pelo Exército, supostamente para uma conferência de seus dados pessoais.

Ao comparacer na repartição, contudo, Sandzhiev foi imediatamente alistado: na mesma noite deveria se apresentar num campo de treinamento das Forças Armadas, algumas semanas mais tarde já estaria no front. Sentindo-se como preso numa armadilha, resolveu fugir.

“Para mim, era uma questão de tudo ou nada. Pensei: ‘Ou eu vou para a prisão por vários anos por ter abandonado o destacamento, ou morro em alguma parte da Ucrânia. Prefiro ir preso, não quero correr risco, não quero jogar nessa loteria chamada guerra que o presidente Putin está promovendo.'”

Serviço militar como tábua de salvação financeira

Uma loteria mortal: segundo informações (não verificáveis) da mídia, a invasão do país vizinho já custou as vidas de dezenas de milhares de russos. Muitos moblilizados pelo decreto do presidente Vladimir Putin em 2022 eram pais de família; muitos contavam com soldos generosos, sobretudo os homens das regiões mais pobres.

Sandzhiev, que é natural da República da Calmúquia, no sul da Rússia, confirma esse fato: “As nossas possibilidades financeiras são limitadas, os salários não são pagos. Ir para a guerra é para muitos a única possibilidade de dar um reforço no orçamento: um tem uma filha prestes a ir para a universidade, outro assumiu uma hipoteca, um terceiro está precisando de um carro.”

O Cazaquistão já é seu segundo refúgio: primeiro ele viajou para Belarus, mas foi apanhado pela polícia e enviado de volta para o campo de treinamento perto de Volgogrado. Escapou uma segunda vez, agora para Uralsk, onde entrou com um pedido de asilo. Mas foi recusado por não preencher os requisitos: segundo a sentença.

Além disso, o operário foi condenado a seis meses em liberdade condicional por travessia ilegal de fronteira. Apresentou recurso, que foi indeferido. Agora ele está ameaçado de deportação para a Rússia.

“Para mim, vai ser prisão ou guerra”

Denis Zhivago, vice-diretor da Agência Internacional de Direitos Humanos do Cazaquistão, afirma que não se trata de um caso isolado: mais de 20 russos aguardam o exame de seus requerimentos de asilo.

“Esses indivíduos não atravessaram a fronteira clandestinamente, eles estão no Cazaquistão de forma totalmente legal, mas alguns são procurados [na Rússia], sobre outros pesam restrições de deslocamento. Eles procuram outros meios de chegar a países terceiros.”

Igor Sandzhiev não se ilude quanto ao próprio futuro: “O que me espera é ou prisão ou a guerra na Ucrânia. Agora mesmo, a mídia estatal está comunicando aos russos que falta pessoal no front, e que os homens habilitados devem ir lutar.”

Quanto ao jovem Nikita, além de seu futuro na Geórgia ser incerto, ele não se sente seguro no país, “não porque as pessoas aqui sejam ruins, ou coisa assim”: “Os georgianos não me tratam mal, como um russo. Mas aqui eu continuo tendo medo do Estado russo. Às vezes tenho pesadelos em que o meu antigo chefe bate à porta e diz: ‘Vem comigo, eu te achei.'”

Apesar de tudo, Igor e Nikita querem tentar permanecer no exterior – enquanto possam.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

G1 Mundo

Como peculiaridades das eleições tornam ‘quase impossível’ que candidato espanhol mais votado seja o presidente

Com quase 100% dos votos apurados, os conservadores foram a força mais votada com 32,9% dos votos e conseguiram quase 136 cadeiras no Congresso dos Deputados, o que os torna o grupo político majoritário na Câmara. E, no entanto, seu candidato à presidência do governo, Alberto Núñez Feijóo, tem um caminho muito difícil até o palácio La Moncloa, a sede do governo espanhol. No PP eles já garantiram na mesma noite da eleição que vão reivindicar o direito de formar […]

today24 de julho de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%