G1 Mundo

Presidente de Taiwan viaja à América Central com escala polêmica nos Estados Unidos

today29 de março de 2023 18

Fundo
share close

A visita acontecem no momento em que a China intensifica os investimentos na América Latina, um campo de batalha diplomático entre Taipé e Pequim.

Belize e Guatemala estão entre os 13 países que reconhecem oficialmente a Taipé sobre Pequim, depois que Honduras cortou relações com Taiwan no domingo e reconheceu a China. Os demais aliados de Taiwan incluem o Paraguai e países pequenos do Caribe e do Pacífico.

Mas a visita inclui ainda uma escala em Washington e outra em Los Angeles, onde o presidente da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, Kevin McCarthy, afirmou que se reunirá com Tsai, o que provocou a irritação da China.



Pequim advertiu que se “opõe de modo veemente” ao encontro de Tsai com McCarthy e que tomará “medidas firmes para responder” caso a reunião aconteça.

“Se (Tsai) se encontrar com o presidente da Câmara de Representantes, McCarthy, será outra provocação que viola seriamente o princípio de ‘Uma Só China’, mina a soberania e a integridade territorial da China, assim como a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan“, afirmou Zhu Fenglian, porta-voz do Escritório de Assuntos de Taiwan do governo chinês.

Pequim considera a ilha de governo democrático e autônomo parte de seu território, que pretende retomar algum dia, inclusive pela força se considerar necessário. Sob o princípio de “Uma Só China”, nenhum país pode manter relações oficiais com Pequim e Taipei ao mesmo tempo.

Depois de visitar Nova York, Tsai prosseguirá a viagem de 10 dias na América Central e se reunirá com o presidente da Guatemala, Alejandro Giammattei, e com o primeiro-ministro de Belice, John Briceño, informou seu gabinete.

Depois da viagem à América Central, ela fará uma escala em Los Angeles antes de retornar a Taiwan.

“A pressão externa não vai impedir nossa determinação de ser global”, declarou Tsai no aeroporto, antes de iniciar a viagem. “Estamos tranquilos e confiantes, não vamos sucumbir e não vamos provocar os outros”.

China realiza exercícios de disparo de mísseis na costa leste de Taiwan

China realiza exercícios de disparo de mísseis na costa leste de Taiwan

O governo dos Estados Unidos advertiu a China contra qualquer reação “excessiva” com as escalas de Tsai em Nova York e na Califórnia.

“Não há nenhuma razão para que a China considere isto um pretexto para reagir de maneira excessiva ou exercer ainda mais pressão sobre Taiwan“, afirmou um funcionário do governo americano que pediu anonimato.

Analistas dizem que a chegada de Tsai aos Estados Unidos acontece em um momento crucial: Pequim aumenta a pressão militar, econômica e diplomática sobre a ilha desde que Tsai chegou ao poder em 2016.

“As tentativas de Pequim de retirar aliados diplomáticos levará Taiwan a estreitar os vínculos com os Estados Unidos“, destaca James Lee, pesquisador das relações Washington-Taipé baseado em Taiwan.

O governo dos Estados Unidos é o aliado internacional mais importante de Taiwan e seu principal fornecedor de armas, apesar de ter modificado o reconhecimento para Pequim em 1979.

A China fica irritada não apenas com os contatos oficiais, mas também se opõe às visitas de políticos de países com os quais Taiwan mantém relações não oficiais.

Esta semana, a presidente do Parlamento da República Tcheca, Marketa Pekarova Adamova, liderou uma delegação de seu país em Taiwan. A ministra alemã da Educação, Anja Karliczek, fez recentemente a primeira visita de um integrante do governo de seu país à ilha em 26 anos.

Estes países não mantêm relações oficiais com Taiwan, mas as viagens provocaram críticas de Pequim.

Taiwan acusou a China de usar “coerção e intimidação” para afastar seus aliados, depois que o ministro hondurenho das Relações Exteriores, Enrique Reina, e seu homólogo chinês, Qin Gang, estabeleceram oficialmente relações entre os países.

Honduras seguiu o caminho de Nicarágua, El Salvador, Panamá, República Dominicana e Costa Rica, que mudaram o reconhecimento de Taipé para Pequim nos últimos anos.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

a-mensagem-que-atirador-de-nashville-enviou-a-ex-colega-momentos-antes-de-ataque

G1 Mundo

A mensagem que atirador de Nashville enviou a ex-colega momentos antes de ataque

Na manhã de segunda-feira (27), Patton recebeu no Instagram uma mensagem de seu ex-colega de classe, que parecia deprimido e desesperado. "Ele disse que eu o veria no noticiário mais tarde e algo trágico estava para acontecer", conta Patton à BBC News. Ela ligou imediatamente para a polícia. "Eu não sei contra o que ele estava lutando... Mas eu sabia que era uma coisa (relacionada à saúde) mental, sabe?", diz […]

today29 de março de 2023 11

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%