G1 Mundo

Pressionado por partidários e opositores, Netanyahu endurece o discurso

today2 de abril de 2024 2

Fundo
share close

O ambiente mais tranquilo em que Benjamin Netanyahu esteve nos últimos dias parece ter sido o centro cirúrgico onde foi submetido a uma cirurgia de hérnia. Tanto partidários quanto opositores se encontram em um lugar comum e atiçam a fervura do primeiro-ministro de Israel num caldeirão explosivo — duplamente pressionado pela antecipação de eleições gerais e pela crise deflagrada em sua coligação extremista pelo recrutamento de ultraortodoxos ao serviço militar.

Multidões se aglomeram desde domingo (31) do lado de fora do Parlamento, em Jerusalém, exigindo a saída do premiê, por gerir mal a guerra contra o Hamas e abandonar os reféns em Gaza.

Os bairros religiosos da cidade registraram um protesto menor, mas muito significativo porque ameaça diretamente romper a aliança de Netanyahu com seus parceiros ultraortodoxos.



Na semana passada, o Supremo Tribunal suspendeu os subsídios que mantinham os judeus ultraortodoxos em escolas religiosas em vez de servirem nas Forças Armadas, alimentando a frustração deste setor da sociedade com o primeiro-ministro.

Este foco de tensão permanente na sociedade israelense, entre os grupos seculares e os religiosos, se acirrou com as benesses concedidas pelo governo aos ultraortodoxos.

Os protestos massivos contra Netanyahu ocorrem durante a mais longa guerra israelense desde a sua independência e que até agora ajudou-o a manter-se no comando do país. Famílias dos reféns mudaram a agenda central das manifestações semanais e exigem também a renúncia do primeiro-ministro.

Era tudo o que ele não precisava, numa altura em que Israel se isolou internacionalmente e virou alvo de ataques antissemitas. “Como qualquer ditador assustado, Netanyahu recorreu à tática habitual de acusar os seus oponentes políticos de ajudarem o inimigo”, ponderou o colunista Yossi Verter, do “Haaretz”.

O premiê sustenta que os protestos servem apenas ao Hamas e que as eleições paralisarão o país e interromperão as negociações para o retorno dos reféns.

“Esta é uma mentira descarada e cínica (especialmente quando se trata de alguém que arrastou Israel a quatro eleições em dois anos)”, escreveu Verter, para quem Netanyahu está interessado apenas na própria sobrevivência política, a qualquer preço.

O retorno de multidões em Israel pedindo a renúncia do premiê — interrompido pelo massacre do Hamas no sul do país e pela guerra contra o Hamas em Gaza — é um fator desestabilizador para Netanyahu. Ele já começou a jogar contra isso, endurecendo o discurso.

Ainda no hospital, avisou que agiria imediatamente à aprovação de uma lei controversa, que permite ao governo fechar temporariamente meios de comunicação estrangeiros no país.

O premiê copia os modelos ditados por Vladimir Putin, na Rússia, e Viktor Orbán, na Hungria, cerceando a liberdade de imprensa em nome da segurança nacional. É assim que agem os autocratas.

Manifestantes protestam contra o governo de Benjamin Netanyahu em Jerusalém, neste domingo (31/03/2024). — Foto: Reuters




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘acontece-em-guerras’,-diz-netanyahu-sobre-ataque-que-matou-7-de-ong-de-chef-espanhol-na-faixa-de-gaza

G1 Mundo

‘Acontece em guerras’, diz Netanyahu sobre ataque que matou 7 de ONG de chef espanhol na Faixa de Gaza

"Infelizmente, no último dia houve um caso trágico em que as nossas forças atingiram involuntariamente pessoas inocentes na Faixa de Gaza. Acontece em guerras, e estamos verificando até o fim, estamos em contato com os governos, e tudo faremos para que isso não aconteça novamente", declarou o premiê. O ataque ocorreu na segunda-feira (1º). A organização, criada nos Estados Unidos pelo chef espanhol José Andrés, famoso nos EUA, havia levado […]

today2 de abril de 2024 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%