G1 Mundo

Prestes a obter quinto mandato, Putin governa a Rússia como se fosse insubstituível

today15 de março de 2024 12

Fundo
share close

Aos 71 anos, o autocrata não fez um sucessor e, 24 anos após assumir o cargo, governa o país como se fosse insubstituível. Afastou do pleito os concorrentes que poderiam desafiá-lo na guerra que promove na Ucrânia, como Yekaterina Duntsova e Boris Nadezhdin: ambos foram banidos de entrar na disputa pelo órgão eleitoral. Seus opositores estão mortos, exilados ou silenciados na prisão.

A cédula eleitoral tem outros três candidatos de partidos aliados do Kremlin. Ou seja, os russos votarão numa eleição sem observadores, programada apenas para legitimar Putin e reafirmar, assim, o apoio maciço da população à guerra na Ucrânia. Na sua cartilha, o “Putinismo” é para sempre, como destacaram os pesquisadores Michael Kimmage e Maria Lipman em artigo na revista “Foreign Affairs”: não permite rivais nem herdeiros.

“Outro objetivo de Putin tem sido privar a maioria dos russos da capacidade de imaginar um futuro sem ele. Porque é impossível combatê-lo hoje, pensa-se que será impossível combatê-lo amanhã. Não mais cercado por um Parlamento, uma Constituição ou uma oposição política, Putin está no auge do seu poder. Um sentimento predominante que o ‘Putinismo para sempre’ proporciona a muitos russos é uma sensação de estabilidade; a continuidade política que eles conhecem melhor. Para uma minoria, induz desespero ou raiva”, ponderam os professores.



Essa sensação de que Putin ficará no cargo até o fim de seus dias é corrente no país, perpetuada pelo próprio presidente, que detém o controle das instituições: Parlamento, sistema judicial, meios de comunicação e órgãos de segurança, entre outros.

Presidente russo Vladimir Putin durante discurso à nação em junho de 2023 — Foto: Sputnik/Gavriil Grigorov/Kremlin via Reuters

Pela Constituição, se ele morrer ou ficar incapacitado, seus poderes serão assumidos pelo presidente do governo — no caso, o primeiro-ministro, Mikhail Mishustin.

“O premiê é um antigo funcionário fiscal pouco carismático, que carece de uma forte base de poder própria. Caso suceda a Putin como presidente interino, é improvável que se torne o substituto permanente”, analisa o professor de Relações Internacionais Robert Person, da Academia Militar West Point, dos EUA, em artigo no site “Conversation”.

Estudioso do regime russo na gestão de Putin, Person explica que o presidente construiu uma ditadura na Rússia que rivaliza com a repressora antiga União Soviética, tanto na brutalidade quanto na corrupção. Mas observa que, ironicamente, Putin tornou-se um prisioneiro do sistema político que construiu à sua volta nos últimos 24 anos.

“Como muitos ditadores, ele não pode abandonar o poder e desfrutar de uma aposentadoria tranquila. Está muito apegado e dependente da riqueza e do poder que acumulou como servidor público”, pondera Person.

O quinto mandato igualaria Putin a Joseph Stálin, que liderou a União Soviética por 30 anos, até a morte. Como um ditador que centralizou o poder, eliminou inimigos com diversos métodos e invadiu países vizinhos, o presidente russo se comporta como um czar e sabe dos riscos que enfrentaria se deixasse o trono antes disso.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

o-porto-flutuante-que-eua-querem-construir-para-levar-comida-a-gaza

G1 Mundo

O porto flutuante que EUA querem construir para levar comida a Gaza

Espera-se que mais de 1 mil soldados americanos participem da operação, embora o Pentágono afirme que não haverá soldados em terra. Para atingir esse objetivo, os EUA fizeram parceria com uma empresa privada pouco conhecida, a Fogbow, que é dirigida por ex-militares e funcionários dos serviços de informação. A meta é entregar 2 milhões de refeições por dia a Gaza, onde as Nações Unidas alertaram que a fome é "quase […]

today15 de março de 2024 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%