G1 Mundo

Putin e Xi Jinping se reúnem para fortalecer aliança anti-Ocidente

today17 de outubro de 2023 6

Fundo
share close

Um barco turístico fica parado na água, tocando músicas chinesas alegres na tentativa de atrair passageiros, mas como ninguém compra ingressos, ele provavelmente não vai a lugar algum o dia todo.

Do outro lado da água, um navio da guarda costeira russa está parado e os oficiais passam o tempo fazendo exercícios no convés sob o sol de outono.

Quando Vladimir Putin visitou Pequim para a abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno no início do ano passado, ele e Xi Jinping anunciaram uma nova parceria “sem limites” entre os seus países.



Agora, com o líder da Rússia de volta à capital chinesa, os meios de comunicação estatais da China têm destacado os frutos dessa relação.

Por um lado, tem sido benéfico para ambos os governos. Eles podem tranquilizar uns aos outros quando estão congelados no cenário mundial, e as imagens de seus apertos de mão são úteis para tentar mostrar ao seu próprio povo que tudo está bem, com amigos tão poderosos juntos.

No entanto, a atividade empresarial nas suas zonas fronteiriças não parece estar à altura da retórica política.

Uma ponte recém-construída em Blagoveshchensk a partir de Heihe foi celebrada como o símbolo de uma nova era no comércio transfronteiriço, mas ao observá-la por uma hora, não avistamos um único veículo transitando em qualquer direção.

No coração da cidade, por trás dos pequenos grupos de turistas que tiram fotos do outro lado do rio, dois grandes centros comerciais de vários andares foram fechados por falta de patrocínio. Um deles foi fechado há apenas alguns meses e nos disseram que o outro está vazio há sete anos.

Alguns dos ex-vendedores do local estão parados em frente ao primeiro prédio vendendo presentes e equipamentos eletrônicos russos nas traseiras de seus carros.

“Os negócios não vão bem. Não há turistas suficientes”, diz uma mulher.

“Depois da covid, as fronteiras não estão abertas há muito tempo. Não há russos suficientes atravessando. Eles são pobres e estão em guerra.”

Outros que vendem mercadorias acenam com a cabeça quando ela diz isso.

Numa rua próxima, uma mulher numa pequena loja vende chapéus fabricados na China, usando pele russa. Ela diz que eles já foram muito populares entre os clientes russos e chineses, mas que recentemente seu negócio tem enfrentado dificuldades.

“Você não pode comparar agora com o passado”, diz ela. “Basta dar uma olhada nas ruas. Elas estão vazias. No passado estavam cheias de potenciais compradores.”

Há, no entanto, um grupo que está mais otimista em relação ao comércio RússiaChina: os caminhoneiros que esperam para entrar no porto fluvial.

“Estou transportando soja, trigo e cevada, todos da Rússia, e está mais movimentado do que antes”, diz um motorista.

“Estou transportando areia e carvão da Rússia. Outros transportam contêineres com alimentos”, comenta outro.

E a entrada do porto parece movimentada, com todo tipo de material sendo transportado para dentro e para fora. Guindastes levantam estruturas de aço, carvão e areia dos navios e os deixam nos caminhões que os aguardam.

Os motoristas afirmam que a travessia entre os países de barco é mais barata do que pela nova ponte, o que poderia explicar em parte porque é mais utilizada.

Outros empresários em Heihe dizem que as novas tarifas russas sobre alguns produtos chineses prejudicaram o comércio.

E, no entanto, a China tem ajudado a sua parceira, atingida por sanções após a invasão da Ucrânia, ao canalizar mais gás natural russo para a sua província de Heilongjiang, no nordeste do país.

Além disso, a administração de Xi Jinping fez com que a maior parte da população chinesa apoiasse o esforço de guerra de Vladimir Putin.

Isso ocorre através dos meios de comunicação controlados pelo Estado, que não falam de uma “invasão” ou mesmo de uma “guerra” na Ucrânia, mas sim de uma operação russa que se justifica para contrariar as tendências expansionistas da aliança militar Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e, em particular, dos Estados Unidos.

Para avaliar o sucesso dessa estratégia de propaganda, basta falar com as pessoas nas ruas de Harbin, a capital regional de Heilongjiang.

Há um século, era um lugar dominado pelo povo russo e pela cultura russa, mas até os descendentes destas famílias já partiram. Hoje em dia é uma cidade completamente chinesa, com apenas vestígios do seu passado russo.

Em frente à bela catedral ortodoxa russa, turistas que chegam de outras províncias chinesas posam para fotos.

“A Rússia e a China têm uma boa relação”, disse uma mulher.

O homem ao lado dela acrescenta: “Putin é um líder responsável. Um homem com senso de justiça”.

Outro, que está visitando um amigo, diz: “Putin é um homem com punhos de ferro. Ele é durão, e durão é bom”.

Mas será que ele sabe por que razão o líder da Rússia está em guerra com a Ucrânia?

“Pessoas comuns como nós não deveriam comentar sobre isso”, ele responde.

A guerra da Rússia poderá ajudar os objetivos geoestratégicos de Pequim, ao consumir recursos da Otan e – aos olhos de alguns – promover uma visão de que a associação com os EUA traz perigo potencial e até caos.

O outro lado disso é que o conflito na Ucrânia também poderá levar a um aumento do poder da Otan, ao mesmo tempo que degrada uma economia russa já em dificuldades. Além disso, também deu ao Partido Comunista da China uma amostra da miséria pessoal e da dor econômica que poderia culminar de uma iniciativa para tomar Taiwan à força.

Oficialmente, Vladimir Putin está na China esta semana para participar no fórum que analisa o progresso do projeto favorito de Xi Jinping, a Iniciativa Cinturão e Rota. É um programa global de infraestruturas de transportes que liga a China aos países a oeste, mas que tem sido criticado por, por vezes, prender as nações mais pobres nas armadilhas da dívida.

Quando os líderes da China e da Rússia se reunirem à margem dessa conferência, irão celebrar o fortalecimento dos seus laços, à medida que tentam construir uma coligação mais ampla contra o Ocidente com outros governos que pensam da mesma forma.

E é possível ver como isso é benéfico para eles.

No entanto, ainda há um longo caminho a percorrer para que o comércio da China com a Rússia corresponda ao seu comércio com muitos dos países ocidentais que são considerados inimigos ideológicos.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

ha-dois-pesos-e-duas-medidas-na-posicao-dos-eua-sobre-israel-e-sobre-ucrania?

G1 Mundo

Há dois pesos e duas medidas na posição dos EUA sobre Israel e sobre Ucrânia?

Agora, dez dias após os ataques do grupo palestino Hamas em Israel, nem a bandeira Palestina, nem a flâmula do Estado israelense surgiram nas fachadas de Washington, a despeito das inúmeras palavras de apoio incondicional de Biden a Israel, do envio imediato de porta-aviões e munição americana ao país e da viagem expressa de dois dos seus principais auxiliares, o secretário de Estado Antony Blinken e o secretário de Defesa […]

today17 de outubro de 2023 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%