G1 Mundo

Putin, Macron e, agora, Lula: saiba quais são os interesses da China nos encontros de Xi com líderes internacionais

today14 de abril de 2023 5

Fundo
share close

Xi começou seu terceiro mandato consecutivo faz pouco tempo, e, para especialistas, o líder chinês tenta estabelecer a China como protagonista global. Esses encontros sinalizam essa intenção.

Presidente Lula e comitiva desembarcam em Xangai, durante viagem à China — Foto: Ricardo Stuckert/Presidência da República



O professor Yi Shin Tang, do Instituto de Relações Internacionais da USP, diz que o presidente chinês está em um mandato de continuidade e que Pequim está em uma posição consolidada, com uma legitimação de poder sem precedentes.

É nessa circunstância que Xi tem se encontrado com diversos líderes globais desde o fim de fevereiro.

O encontro com o presidente brasileiro

A data original do encontro entre Lula e Xi era no fim de março. No entanto, o presidente brasileiro teve pneumonia, e a reunião foi postergada.

O encontro foi remarcado com agilidade.

Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, afirmou que o fato do presidente Lula levar uma grande delegação pouco tempo depois de ter se recuperado “reflete plenamente a grande importância que a China e o Brasil dão para a visita e para o desenvolvimento de relações bilaterais”.

“A China está disposta a trabalhar com o Brasil para aproveitar esta visita como uma oportunidade para promover a melhoria da cooperação mutuamente benéfica e amigável entre os dois países em vários campos”, afirmou Wenbin.

Tang, da USP, afirma que certamente houve um grande esforço diplomático brasileiro no momento em que a viagem inicial foi cancelada.

Brasil não é estratégico para a China, dizem especialistas

O encontro com Lula não significa que o Brasil seja um país que representa uma miríade de possibilidades econômicas ou políticas para a China, diz Tang, da USP. “A China já está diminuindo a dependência de produtos brasileiros, ela já produz soja e recursos minerais estratégicos e desenvolve biotecnologia para competir com produtos agropecuários brasileiros de alta qualidade”.

O interesse de Xi em um encontro com o Brasil pode ser o de reivindicar a importância da China em assuntos globais em geral, diz o professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) André Reis da Silva.

“Nos últimos 10 anos, com Xi, a China vem reafirmando que tem capacidade econômica e militar, e agora está reivindicando a participação em assuntos globais. Os EUA passaram por período de crise de redefinição de identidade global com o Trump. A retirada dos EUA deixou espaço para a China assumir um papel maior”, afirma o professor.

Os encontros recentes do presidente chinês demonstram que a China tem mais poder de influência em assuntos globais do que no passado —um deles foi com Putin, da Rússia, e no encontro com Macron e Ursula van der Leyen, presidente da Comissão Europeia, o grande assunto foi a guerra dos russos com a Ucrânia.

O presidente chinês esteve três dias em Moscou. Depois das reuniões, ele e Putin divulgaram declarações nas quais prometeram reforçar sua cooperação estratégica (desenvolver cooperação em energia, indústrias de alta tecnologia e outras esferas e expandir o uso de suas moedas no comércio mútuo para reduzir a dependência dos países do Ocidente).

O chinês Xi Jinping e o francês Emmanuel Macron — Foto: JN

Os dois disseram também que vão desenvolver a cooperação militar e realizar mais patrulhas marítimas, mas não foi mencionado fornecimento de armas chinesas para a Rússia.

A China é o país que mais compra petróleo e gás da Rússia. Na teoria, isso daria aos chineses algum poder de influência.

Xi, Macron e von der Leyen

No dia 6 de abril, o presidente da França, Emmanuel Macron, viajou para a China pela primeira vez desde 2019. O francês não foi sozinho: com ele estava Ursula von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia.

Os líderes anunciaram acordos comerciais, entre os quais a compra de 160 aeronaves Airbus por uma empresa de leasing (aluguel) chinesa e para que suas empresas colaborem no desenvolvimento de energia nuclear, solar, eólica e de biocombustíveis.

Passagem XI (E) na Rússia é vista como um grande impulso para Putin — Foto: SERGEI KARPUKHIN/AFP

Os dois pediram a Xi Jinping para que a China parasse de fornecer armas para a Rússia e pressionaram o líder chinês a fazer mais para tentar acabar com a guerra na Ucrânia.

No encontro, Macron pediu a Xi que fizesse a Rússia “colocar o pé no chão”.

Xi não deu indicação de que a China tenha mudado suas decisões sobre a guerra. Antes da invasão o chinês chegou a dizer que o país dele e a Rússia têm “uma amizade sem limites”.

Encontro pegou mal para Macron

A ida de Macron à China foi criticada na França, de acordo com um texto publicado no “New York Times”. O presidente francês usou expressões que o governo chinês adota, como “mundo multipolar, livre de blocos”.

Em uma entrevista, Macron afirmou que a segurança de Taiwan não é o problema da Europa, que deve resistir a se tornar “vassala” dos EUA.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

coreia-do-norte-confirma-que-lancou-missil-balistico-de-combustivel-solido

G1 Mundo

Coreia do Norte confirma que lançou míssil balístico de combustível sólido

A Coreia do Norte afirmou que em seu teste de armas mais recente, lançou de um míssil balístico intercontinental de combustível sólido. Esse é o primeiro teste com essa tecnologia, de acordo com os veículos de imprensa estatais, nesta sexta-feira (14, noite de quinta em Brasília). O líder norte-coreano, Kim Jong-un, disse que essa tecnologia "vai reorganizar de grande maneira nossa dissuasão estratégica e vai reforçar a efetividade de nosso […]

today14 de abril de 2023 18

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%