G1 Mundo

Quem é Julian Assange e o que é WikiLeaks? Entenda a polêmica que envolve vazamento de documentos secretos dos EUA

today25 de junho de 2024 6

Fundo
share close

Julian Assange ficou mundialmente conhecido por fundar um grupo de ativistas chamado WikiLeaks, em 2006. Nos anos seguintes, a organização vazou cerca de 700 mil documentos classificados dos Estados Unidos, o que irritou autoridades norte-americanas.

Diante disso, Assange enfrentou várias acusações e chegou a ficar sete anos asilado na Embaixada do Equador em Londres, antes de ser preso. Ele será oficialmente libertado após anos de batalhas judiciais e um acordo com os Estados Unidos.

Nesta reportagem você irá entender



Clique no menu acima para navegar sobre os temas ou desça a página para ler a reportagem completa.

Assange tem 52 anos e nasceu na Austrália. Durante a adolescência, ficou conhecido por suas capacidades em programação computacional.

Em 1995, ele enfrentou seu primeiro problema judicial: foi acusado por um tribunal australiano de cometer crimes cibernéticos. À época, o jovem Assange só não foi para a cadeia por prometer que não cometeria novas infrações.

Segundo as acusações, ele e um amigo eram hackers e cometeram uma série de infrações. Assange acabou sendo multado e liberado.

Ainda no fim da década de 1990, foi coautor do livro “Underground: Tales of Hacking, Madness and Obsession on the Electronic Frontier”, lançado com a pesquisadora e jornalista Suelette Dreyfus. Ele também foi para a Universidade de Melbourne, onde estudou matemática e física.

O WikiLeaks surgiu em 2006 como uma ferramenta digital onde documentos secretos pudessem ser vazados. A técnica usada é conhecida como “dead letter box”, que é um método de espionagem. O grupo era composto por ativistas, que recebiam materiais sigilosos.

Ainda em 2010, a rede divulgou cerca de 490 mil documentos militares dos Estados Unidos sobre as guerras no Iraque e Afeganistão. Os arquivos eram considerados como classificados, ou até mesmo secretos.

Entre os vazamentos estavam vídeos que exibiam assassinatos de civis, jornalistas, além de abusos cometidos por autoridades dos EUA e outros países.

Com o sucesso do grupo, Assange deixou de ter endereço fixo e passou a administrar a plataforma de lugares diferentes.

“Para manter nossas fontes seguras, tivemos que espalhar recursos, criptografar tudo e mudar telecomunicações e pessoas ao redor do mundo para ativar leis de proteção em diferentes jurisdições nacionais”, disse Assange à BBC, em 2011.

A divulgação dos documentos classificados se tornou, à época, a maior brecha na segurança militar dos Estados Unidos já registrada. O caso irritou políticos e oficiais norte-americanos.

A Rússia nega a acusação, enquanto Trump chamou o relatório de “farsa”.

Imagem do site WikiLeaks — Foto: Karen Bleier / AFP

Prisão e ajuda do Equador

O fundador do WikiLeaks acabou sendo preso pela primeira vez em 2010, no Reino Unido, após ser acusado de abuso sexual contra duas voluntárias suecas do WikiLeaks.

Assange negou as acusações e disse que o caso era um pretexto para que ele fosse extraditado aos Estados Unidos, onde seria responsabilizado pelos vazamentos de documentos secretos.

Em 2012, a Justiça do Reino Unido determinou que ele fosse enviado para a Suécia, onde passaria por um interrogatório. Após ter um recurso negado pela Suprema Corte, Assange entrou na embaixada do Equador em Londres, onde ficou asilado por 7 anos.

Durante o tempo em que esteve na embaixada, Assange teve dois filhos com a advogada e defensora dos direitos humanos Stella Moris. Ele também recebeu a visita de celebridades, como a cantora Lady Gaga e a atriz Pamela Anderson.

Julian Assange na Embaixada do Equador em Londres, em 2012 — Foto: Kirsty Wigglesworth/AP

Briga com os EUA e acordo

Ainda em 2019, o Reino Unido recebeu um pedido dos Estados Unidos para que Assange fosse extraditado. O objetivo seria fazer com que ele respondesse em solo norte-americano a 18 acusações de conspiração, crimes cibernéticos e violação de leis de espionagem.

Após o fim da sentença de 50 semanas de prisão impostas pelo caso na Suécia, o fundador do WikiLeaks permaneceu detido na prisão de segurança máxima de Belmarsh, onde aguardou por audiências de extradição.

Em 2021, um juiz britânico decidiu que Assange não deveria ser extraditado. A alegação da Justiça era a de que ele estava enfrentando problemas de saúde mental, com risco de suicídio.

Em fevereiro deste ano, a defesa do australiano protocolou um último recurso, argumentando que o caso era um ataque à liberdade de expressão e ao jornalismo. Além disso, a defesa disse que ele poderia enfrentar a pena de morte se condenado.

Por fim, os Estados Unidos chegaram a um acordo com Assange. O fundador do WikiLeaks se declarará culpado em um tribunal dos EUA das Ilhas Marianas do Norte de uma única acusação criminal.

Na audiência, o fundador do WikiLeaks deve ser sentenciado a 62 meses de prisão, tempo que ele já cumpriu no Reino Unido. Após se declarar culpado e passar pela audiência, Assange estará oficialmente liberado. A expectativa é a de que ele volte para a Austrália.

Ativistas fazem protesto pedindo liberdade para Julian Assange, em abril de 2024 — Foto: David Cliff/AP

VÍDEOS: mais assistidos do g1




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

extrema-direita-avanca-como-favorita-nas-eleicoes-da-franca,-que-tem-semana-decisiva

G1 Mundo

Extrema direita avança como favorita nas eleições da França, que tem semana decisiva

O partido Reagrupamento Nacional (RN), de extrema direita, e seus aliados, incluindo o presidente do partido conservador Os Republicanos (LR) Éric Ciotti, têm entre 35,5 e 36% das intenções de voto, segundo duas pesquisas publicadas no domingo (23). O RN e seus aliados aparecem à frente da Nova Frente Popular, uma coalizão de partidos de esquerda (de 27 a 29,5%), e da aliança centrista do presidente Emmanuel Macron (de 19,5 […]

today25 de junho de 2024 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%