G1 Mundo

Quem está por trás dos casos de meninas envenenadas no Irã?

today4 de março de 2023 16

Fundo
share close

Em entrevistas à mídia estatal, as alunas afetadas relatam terem repentinamente sentido um cheiro como “de fruta estragada ou ovos podres ou de um perfume forte” e mal conseguirem respirar. Algumas chegaram a ficar inconscientes e tiveram que ser carregadas para o pátio das escolas por amigas. Elas também relataram tontura e náusea, e muitas foram hospitalizadas.

“Em 90% dos casos devido ao estresse”, disse o ministro do Interior iraniano, Ahmad Vahidi, em entrevista coletiva na quarta-feira, após ter sido convocado pelo presidente Ebrahim Raisi para investigar os incidentes.

Já o vice-ministro da Saúde do Irã, Yunus Panahi, sugeriu no domingo que o objetivo dos ataques seria fechar as escolas femininas. Na terça-feira (28), o Parlamento abordou a questão, e o procurador-geral, Mohammad Jafar Montazeri, iniciou uma investigação.



Sindicato dos professores em alerta

“Os pais estão protestando em frente às escolas”, disse à DW uma mãe de 47 anos que vive em Teerã. “Muitos estão pensando em não mandar mais suas filhas para a escola. Tenho uma filha adulta que é estudante. Ela conta que esses ataques com gás venenoso começaram em dormitórios durante os protestos em todo o país. Falou-se disso por meses, mas ninguém levava a sério.”

O conselho de coordenação dos sindicatos de professores iranianos convocou um protesto nacional para a semana que vem.

“Quem está por trás desses ataques precisa saber que a segurança das alunas é a nossa linha vermelha”, postou em redes sociais Mohammed Habibi, o mais conhecido membro do sindicato de professores iranianos em Teerã. Nos últimos anos, Habibi foi preso diversas vezes por fazer convocações de greves.

Na internet, é possível encontrar inúmeras mensagens e vídeos de meninas e estudantes envenenadas em diferentes partes do país.

“Talvez eles tenham desenvolvido gases venenosos e estejam testando sua eficácia?”, conjecturam alguns usuários iranianos. Ninguém acredita na suposição do ministro do Interior, Ahmad Vahidi, de que não há “nenhuma intenção” por trás desses ataques aparentemente coordenados.

No Irã, mulheres fogem da polícia durante protesto. — Foto: Associated Press

Ex-ministro da Defesa e general da Guarda Revolucionária, Vahidi está há anos na lista de procurados da Interpol por participação em atos criminosos. Entre eles, pelo envolvimento no atentado de 1994 ao Centro Comunitário Judaico em Buenos Aires, no qual 85 pessoas foram mortas.

“A afirmação de Vahidi é ridícula”, disse a jornalista Moloud Hajizadeh em entrevista à DW. “Nos últimos dez a quinze anos, o aparato de poder no Irã instalou uma densa rede de câmeras de vigilância no país. As autoridades sabem até quem dirige em qual carro sem lenço na cabeça. O proprietário do automóvel recebe imediatamente uma mensagem de texto com um aviso.

As autoridades de segurança dizem inclusive saber exatamente quem esteve envolvido em qual protesto e quando. Os manifestantes são geralmente presos em casa em uma questão de dias. E agora eles alegam não saber como mais de mil alunas foram envenenadas?”

Casos evocam ataques com ácido há nove anos

Hajizadeh já foi presa diversas vezes por reportar sobre os protestos no Irã. Em janeiro de 2021, foi condenada a um ano de prisão. Pouco antes de iniciar o cumprimento de sua sentença, ela fugiu do Irã e hoje vive na Noruega.

“Tenho assistido a esses ataques desde novembro e falado sobre eles na internet. Eles me lembram os ataques com ácido na cidade de Isfahan em 2014. Naquela época, dezenas de mulheres foram atacadas com ácido porque não estariam usando o hijab de maneira apropriada. Eram ataques organizados por homens jovens que jamais foram presos, assim como agora nesses ataques organizados.”

Atualmente, grupos extremistas do Irã têm pressionado para que as meninas sejam banidas da escola. Os primeiros casos de envenenamento misteriosos nas escolas femininas aconteceram na cidade de Qom, sagrada para os xiitas e muito conservadora. Eles vieram à tona em novembro de 2022, quando diversas escolas viraram palco de protestos com o slogan: “Mulher, vida, liberdade”.

Multidão marcha em direção a cemitério onde foi enterrada Mahsa Amini, no Irã

Multidão marcha em direção a cemitério onde foi enterrada Mahsa Amini, no Irã

Na ocasião, o país estava tomado pelos protestos desencadeados pela morte de Jina Mahsa Amini em setembro. A jovem curda de 22 anos estava sob custódia da polícia da moral iraniana após ter sido detida por não usar o véu islâmico obrigatório sobre a cabeça.

Segundo a liderança iraniana, os protestos estariam sido fomentados por jornalistas e “potências estrangeiras”. Já os envenenamentos têm sido atribuídos à Israel e ao movimento oposicionista Organização dos Mujahidin do Povo Iraniano.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

voce-viu?-pib,-imposto-de-combustiveis,-vacina-bivalente-e-o-aluguel-com-‘vista-fake’

G1 Mundo

Você viu? PIB, imposto de combustíveis, vacina bivalente e o aluguel com ‘vista fake’

O governo anunciou no fim da tarde de terça-feira (28) a volta parcial de impostos federais para a gasolina e o etanol. A reoneração, implementada por meio de medida provisória, passou a valer a partir de quarta-feira (1º). A volta é parcial porque os impostos não estão sendo retomados no valor integral que tinham anteriormente. ⛽ A cobrança dos tributos passou a ser assim: R$ 0,47 para a gasolinaR$ 0,02 para […]

today4 de março de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%