G1 Mundo

Rei da Holanda pede desculpas por escravidão durante era colonial

today2 de julho de 2023 5

Fundo
share close

“Hoje estou aqui diante de vocês, como seu rei e como parte do governo. Hoje me desculpo”, declarou Willem-Alexander durante um ato comemorativo pelo 150º aniversário da libertação dos escravizados nas colônias holandesas.

Milhares de descendentes de escravizados do Suriname e das ilhas caribenhas de Aruba, Bonaire e Curaçao assistiram a essa tradicional cerimônia anual do “Keti Koti”, ou “romper das correntes” em sranan tongo, uma das línguas do Suriname (ex-Guiana Holandesa).

O primeiro-ministro da Holanda, Mark Rutte, já havia apresentado, em dezembro, o pedido de desculpas do governo pelo papel de seu país em práticas que qualificou como crime contra a humanidade.



Surgiram dúvidas, porém, sobre se o monarca assumiria a mesma posição sobre o tráfico colonial de escravizados que, segundo um relatório, contribuiu amplamente para acumular fortunas na Casa de Orange-Nassau, da qual ele descende.

O rei finalmente deu esse passo e o fez na data reivindicada pelas organizações de comemoração da luta contra a escravidão.

“O tráfico de escravos e a escravidão são reconhecidos como crimes de lesa-humanidade”, declarou Willem-Alexander, de 56 anos.

“Os monarcas e governantes da Casa de Orange não tomaram nenhuma atitude contra isso”, acrescentou.

Os participantes receberam com bons olhos as desculpas do rei.

“Ele pediu perdão ao povo do Suriname”, celebrou Abnema Ryssan, presente na cerimônia. “Talvez, agora possa fazer algo pelas pessoas negras”, acrescentou o homem, de 67 anos, vestido com uma manto colorido e um cocar tradicional enfeitado com a bandeira do Suriname.

“Ele assumiu a responsabilidade, então o perdoo”, considerou Arnolda Vaal, de 50 anos, vestida com um traje tradicional dos escravizados.

Para Lulu Helder, professora e descendente de escravizados, que viu o discurso do rei ao vivo na televisão pública, suas palavras são “um começo”, no entanto, agora, “necessitamos de reparação”, disse à AFP.

Descendentes de escravizados haviam pedido ao rei para aproveitar essa cerimônia e afirmar sua posição.

Rei Willem-Alexander da Holanda — Foto: Peter Dejong/AP/picture alliance

Segundo um relatório solicitado pelo Ministério holandês do Interior, publicado em junho, as colônias, onde a economia escravagista estava amplamente implantada, contribuíram para a família real, entre 1675 e 1770, com o equivalente a cerca de 545 milhões de euros (595 milhões de dólares).

Os reis Willem III, Willem IV e Willem de Orange-Nassau, antepassados do atual monarca, estão entre os principais beneficiários do que o relatório define como um “envolvimento deliberado, estrutural e de longo prazo” da coroa holandesa na escravidão.

O comércio de escravizados contribuiu, em particular, para financiar a era de ouro holandesa, um período de prosperidade erguido com base no comércio ultramarino nos séculos XVI e XVII. Estima-se que o tráfico holandês levou cerca de 600.000 africanos para as colônias holandesas na América do Sul e no Caribe.

A abolição oficial da escravatura remonta a 160 anos, mas a aplicação efetiva dessa medida se concretizou apenas dez anos depois.

Willem-Alexander assumiu o trono em 2013, após a abdicação de sua mãe, a rainha Beatrix. É casado desde 2002 com a argentina Máxima Zorreguieta, com quem tem três filhas: as princesas Catharina-Amalia, Alexia e Ariane de Orange-Nassau.

VÍDEOS: os mais recentes do g1




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

como-pedofilos-estao-vendendo-imagens-de-abuso-infantil-feitas-com-inteligencia-artificial

G1 Mundo

Como pedófilos estão vendendo imagens de abuso infantil feitas com inteligência artificial

Alguns deles têm acesso a essas imagens pagando por assinaturas de contas em sites de compartilhamento de conteúdo convencional, como o Patreon. O Patreon diz que tem uma política de "tolerância zero" com relação a esse tipo de imagens em seu site. O Conselho Nacional de Chefes de Polícia do Reino Unido (NPCC, na sigla em inglês) afirmou que é "ultrajante" que algumas plataformas estejam obtendo "grandes lucros" sem assumir […]

today2 de julho de 2023 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%