G1 Mundo

Rússia quer proibir o movimento LGBTQIA+ por considerá-lo ‘extremista’

today17 de novembro de 2023 3

Fundo
share close

O Ministério da Justiça russo informou a decisão em um comunicado, no entanto não especificou se faz referência ao movimento em geral de defesa dos direitos de identidade de gênero e de orientações sexuais minoritárias, ou a organizações específicas de defesa de direitos.

A entidade também não respondeu às tentativas de contato da AFP.

No comunicado, a instituição anunciou que “apresentou uma reclamação legal administrativa perante o Supremo Tribunal (…) para reconhecer o movimento público internacional LGBT como extremista e proibir a sua atividade na Rússia”.



O tribunal analisará o pedido a partir de 30 de novembro.

O presidente russo, Vladimir Putin, implementa há anos uma política qualificada como homofóbica e transfóbica por numerosos representantes da comunidade LGBTQIAP+ (lésbicas, gays, trans, bissexuais e outros) e por ONGs.

Desde o início da ofensiva contra Kiev, em fevereiro de 2022, o Kremlin multiplicou as medidas contra este grupo, com o argumento de que está defendendo crianças frente a condutas que considera inaceitáveis, e apresentando-se como um baluarte moral contra o declínio do Ocidente.

O governo russo garante que as pessoas podem ter qualquer orientação sexual, mas que a Rússia deve proteger as crianças da propaganda ocidental que, segundo Moscou, nega a existência de um sexo biológico.

O anúncio do Ministério da Justiça foi denunciado por organizações especializadas.

“O poder russo esquece mais uma vez que a comunidade LGBT+ são pessoas, cidadãos deste país e também de outros. E agora eles não só querem nos fazer desaparecer do espaço público, mas também nos proibir como grupo social”, disse à AFP Dilia Gafurova, diretora da fundação “Sphere” para a defesa dos direitos das pessoas LGBTQIAP+.

“É uma medida típica de regimes repressivos e não democráticos: perseguir os mais vulneráveis”, acrescentou, prometendo “lutar” pelos direitos da comunidade na Rússia.

Em julho, os deputados russos aprovaram uma lei que proíbe operações cirúrgicas e terapias hormonais destinadas a mudar de sexo. O texto também priva as pessoas trans do direito de adotar crianças.

Desde 2013, uma lei no país proíbe a “propaganda” de “relações sexuais não tradicionais” direcionada a menores de idade, texto que foi denunciado por ONGs como instrumento de repressão à comunidade LGBTQIAP+.

Essa legislação foi ampliada no final de 2022 e agora proíbe também a “propaganda” LGBTQIAP+ dirigida a qualquer público, seja na mídia, na internet, em livros ou em filmes.

Desde 2020, a Constituição russa especifica que o casamento é a união entre um homem e uma mulher, impedindo uniões entre pessoas do mesmo sexo.

A principal ONG que defende os direitos desta comunidade na Rússia, LGBT-Set, foi classificada em 2021 como “agente estrangeira”, o que dificulta seu funcionamento e a expõe a multas e até à sua proibição.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

brasil-trabalha-para-anunciar-na-cupula-do-mercosul-conclusao-do-acordo-com-uniao-europeia,-dizem-fontes-do-itamaraty

G1 Mundo

Brasil trabalha para anunciar na cúpula do Mercosul conclusão do acordo com União Europeia, dizem fontes do Itamaraty

Durante os meses de setembro e outubro, negociadores dos dois blocos se reuniram, presencial e virtualmente, e diplomatas que participam ativamente da negociação destacam que “houve avanços significativos nas últimas semanas”. Representantes do Mercosul reafirmaram aos europeus compromissos já assumidos, sobretudo a respeito do desenvolvimento sustentável e de comércio. Apesar dos avanços, todos os lados ainda adotam a cautela sobre a conclusão do acordo, negociado desde 1999. Dois temas, inclusive, […]

today17 de novembro de 2023 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%