G1 Mundo

Sem base legislativa, Milei terá que negociar alianças com a classe política que despreza, se eleito

today22 de outubro de 2023 12

Fundo
share close

Javier Milei, o fenômeno desta campanha eleitoral argentina, foi cultivado num ambiente de raiva e cansaço. O candidato que se define libertário, mas está localizado na extrema direita do espectro político, soube abrir espaço e tirar proveito do descrédito do eleitor, seduzindo-o com promessas excêntricas.

Ele personifica a frente A Liberdade Avança e propõe mudanças radicais, que teriam grande impacto no cotidiano dos argentinos: extinção do Banco Central, dolarização da economia, revogação da lei do aborto e a privatização da educação, da saúde e de empresas públicas. Milei defende ainda o comércio livre de órgãos e armas de fogo.

Tais medidas são anunciadas com o vigor da retórica e do estilo espalhafatoso que caracteriza o candidato. Ele oferece a seus seguidores um ar de renovação no sistema político, depois de duas décadas de governos peronistas, com apenas o curto intervalo da gestão de quatro anos de Mauricio Macri. A questão é se ele teria poder para implementar sua controversa plataforma.



As pesquisas indicam que Milei seria um presidente enfraquecido e sem base no Congresso Nacional, com representação de apenas 15% dos deputados e 11% dos senadores. A falta de apoio parlamentar fez com que ele antecipasse, após a vitória nas primárias, em agosto, outros meios para assegurar a governabilidade: o de, por exemplo, levar adiante suas polêmicas propostas, com decretos presidenciais ou consultas populares.

Plebiscitos, contudo, são mecanismos consultivos e não vinculantes; precisam ser ratificados pelo Congresso, argumentaram constitucionalistas argentinos. Se eleito, Milei seria forçado a negociar com a classe política, que tanto insultou durante a campanha.

Deputado desde 2021, no mês passado, ele se aliou ao kirchnerismo para aprovar o projeto de reforma do Imposto sobre os Lucros, promovido pelo ministro da Economia e candidato do governo, Sergio Massa.

Recebeu ainda um sinal do ex-presidente Macri: “Caso Milei vença, espero que nossa coalizão apoie qualquer reforma que seja razoável no Congresso”, declarou o ex-presidente, irritando a sua candidata, Patricia Bullrich, que alegou ser cedo para acenar ao candidato.

Milei é o favorito nas pesquisas e almeja a vitória no primeiro turno nas eleições deste domingo, mas o panorama está confuso e indica um segundo turno. A ex-ministra da Segurança Pública no governo de Macri lidera a frente conservadora Juntos pela Mudança, que disputa o segundo lugar com o peronista Sergio Massa.

Libertário, anarquista e ultradireitista, entre os muitos rótulos que coleciona, Milei bagunçou o cenário eleitoral e assusta a classe política argentina. “Não vim para guiar cordeiros, vim para despertar leões”, costuma repetir. Porém, sem apoio no Congresso, ele terá que retroceder algumas casas e forjar alianças para governar.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

como-a-crise-na-argentina-afeta-o-brasil-e-o-que-esperar-da-relacao-entre-os-dois-paises-apos-as-eleicoes

G1 Mundo

Como a crise na Argentina afeta o Brasil e o que esperar da relação entre os dois países após as eleições

Mas a crise econômica enfrentada pela Argentina há décadas tem efeitos claros tanto na balança comercial brasileira, como no fluxo de capital entre os dois países. E esse cenário é tão grave que não deve mudar no curto prazo, mesmo com as eleições presidenciais argentinas deste domingo (22). Segundo especialistas, a troca de comando envolve programas de governo bastante diferentes entre si e ainda não está claro quais os rumos […]

today22 de outubro de 2023 28

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%