G1 Mundo

Socialistas se unem a separatistas catalães e formam governo na Espanha

today16 de novembro de 2023 2

Fundo
share close

Com manobras que incluíram um polêmico pacto com separatistas do país, Sánchez conseguiu se manter no cargo apesar de ter ficado em segundo lugar nas últimas eleições, em julho, que ele mesmo havia convocado antecipadamente depois de perder apoio político.

Desta vez, o premiê se aliou a partidos separatistas do país, que têm forte rejeição entre a maioria da população. O pacto, principalmente com a sigla Junts per Catalunya, que defende a independência da região da Catalunha, gerou uma onda de protestos (leia mais abaixo).

Foi graças a essa aliança, no entanto, que ele conseguiu unir maioria no Parlamento para formar governo – na Espanha, uma monarquia parlamentarista, vence as eleições o partido que alcançar o maior número de assentos no Congresso, sozinho ou com alianças.



Na votação desta quinta – o último dia do prazo para que Sánchez tentasse formar governo -, os deputados aprovaram o novo governo do Partido Socialista por 179 votos a favor e 171 contrários. O premiê Sánchez precisava de um mínimo de 176 votos favoráveis para conseguir formar governo.

Ele agora governará seu segundo mandato em aliança com outros seis partidos, entre siglas da esquerda e separatistas da Catalunha e do País Basco.

Logo após o resultado, uma manifestação se formou na porta do Parlamento espanhol, no centro de Madri. Deputados conservadores e do Vox, o partido da extrema direita, deixaram o Congresso e se uniram aos manifestantes, que protestam contra o pacto com os independentistas.

Espanha tem sétima noite de protestos contra acordo entre Partido Socialista e separatistas da Catalunha

Espanha tem sétima noite de protestos contra acordo entre Partido Socialista e separatistas da Catalunha

A Espanha realizou eleições gerais em julho – um pleito já antecipado pelo próprio Pedro Sánchez, que em abril dissolveu o Parlamento e convocou a nova votação depois de resultados ruins para seu partido em eleições regionais naquele mês.

Na ocasião, a sigla de Sánchez, o Partido Socialista, perdeu na maior parte dos municípios que governava. Em paralelo, os conservadores do Partido Popular, sigla rival dos socialistas, abocanharam mais governos locais, e o Vox, de extrema direita, avançou em Parlamentos regionais.

Protesto pró-separação da Catalunha mostra cartaz do ex-presidente catalão Carles Puidgemont, em 2019. — Foto: Jean-Francois Badias/ AP

Como alternativa, Sánchez, do Partido Socialista, começou a costurar uma aliança com partidos separatistas – o Junts per Catalunya, da Catalunha, e o Partido Nacional Vasco (PNV), do País Basco. As duas siglas, somadas a outras da esquerda que já apoiam os socialistas, deram a Pedro Sánchez o número de assentos para formar um novo governo.

Para apoiar Sánchez, no entanto, os separatistas catalães fizeram uma série de exigências. A principal delas era que o governo aprovasse a Lei de Anistia, que, se aprovada, absolverá automaticamente políticos catalães condenados por terem realizado um referendo sobre a separação da Catalunha em 2017. A votação havia sido proibida pela Justiça espanhola, mas foi feita mesmo assim na região.

Semana passada, Sánchez anunciou que aceitou as exigências dos separatistas, o que gerou uma onda de protestos violentos nas ruas de Madri.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

alianca-com-independentistas-catalaes-vai-ter-alto-custo-para-pedro-sanchez

G1 Mundo

Aliança com independentistas catalães vai ter alto custo para Pedro Sánchez

Quatro meses após as eleições, Pedro Sánchez foi novamente alçado ao cargo de presidente do governo espanhol, nesta quinta-feira (16), a um custo alto, que claramente reflete a divisão do país. A encrenca de Pedro Sánchez reside na sua aliança mais controversa, com o partido independentista Juntos pela Catalunha, que enfureceu os opositores. Em troca da garantia dos sete votos da legenda no Parlamento, o pacto estipula a anistia ao […]

today16 de novembro de 2023 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%