G1 Mundo

Submarino do Titanic: o que acontece agora após confirmação de mortes

today23 de junho de 2023 12

Fundo
share close

Mas muitas perguntas sobre o que aconteceu exatamente permanecem em aberto — e fazer todo o possível para tentar respondê-las será o foco daqui para frente.

Os corpos vão ser recuperados?

O contra-almirante John Mauger disse que não poderia confirmar se a Guarda Costeira dos EUA seria capaz de localizar ou não os corpos das vítimas.



“É um ambiente incrivelmente impiedoso”, explicou.

Os ocupantes do submersível eram o bilionário britânico Hamish Harding, de 58 anos; o magnata britânico de origem paquistanesa Shahzada Dawood, de 48 anos, e seu filho, Suleman Dawood; o CEO da OceanGate, Stockton Rush; e o ex-mergulhador da Marinha francesa Paul-Henry Nargeolet.

O que vai acontecer com as buscas?

Veja imagem de dentro do submarino que leva turistas ao Titanic

Veja imagem de dentro do submarino que leva turistas ao Titanic

Não está claro neste momento qual agência vai conduzir a investigação, uma vez que não há protocolo para incidentes deste tipo com um submersível.

Mauger disse que o incidente foi particularmente complexo porque aconteceu em uma parte remota do oceano, envolvendo pessoas de diferentes nacionalidades. Mas, tendo desempenhado um papel de liderança na operação até agora, a Guarda Costeira americana provavelmente vai continuar tendo um papel importante.

O contra-almirante disse que vai continuar a investigar a área do campo de destroços — e várias embarcações, equipes médicas e técnicos permanecem no local. As equipes vão começar a ser desmobilizadas nas próximas 24 horas.

Os veículos de operação remota (ROVs, na sigla em inglês) que vasculham o fundo do mar ao redor do naufrágio do Titanic também vão permanecer lá por enquanto.

“Não tenho um cronograma para quando pretendemos interromper as operações remotas no fundo do mar neste momento”, informou Mauger.

E os destroços do submersível?

Vai ser fundamental recolher o máximo possível de destroços, incluindo pedaços da fibra de carbono de que era feita parte da embarcação, para que as autoridades entendam o que aconteceu.

Os esforços para mapear a área em que partes do Titan foram encontradas continuam.

Paul Hankin, especialista em fundo do mar, explicou que as buscas até agora encontraram cinco pedaços principais de destroços, usados para confirmar que era o submarino desaparecido.

Entre eles, estão o cone do nariz e a parte dianteira e traseira do casco de pressão.

Como o incidente vai ser investigado?

O contra-almirante Mauger disse que os governos dos países envolvidos no incidente estão se reunindo para discutir como vai ser a investigação.

Os envolvidos em qualquer investigação vão tentar confirmar a teoria de que uma implosão causou a morte dos que estavam a bordo do Titan — e, se for confirmado, quando e por que isso aconteceu.

Ele acrescentou que, embora o escopo disso esteja fora da sua alçada, questões mais amplas sobre regulamentações e padrões para missões subaquáticas do tipo provavelmente vão ser o foco de uma análise futura.

Outra potencial fonte de informação sobre o que aconteceu exatamente com o Titan podem ser os hidrofones — microfones subaquáticos usados ​​para ouvir testes ilícitos de armas nucleares.

Isso ajudou a estabelecer, por exemplo, que o submarino argentino San Juan havia implodido após desaparecer na costa do país em 2017.

Os hidrofones podem muito bem ter capturado o fim do Titan, fornecendo o momento exato de quando a tragédia aconteceu.

A Marinha dos EUA detectou sons “consistentes com uma implosão” logo após o submersível perder contato, informou um oficial da Marinha.

Para saber mais sobre como uma investigação pode descobrir o que aconteceu com o Titan, clique aqui.

Nota: Apesar da definição genérica de submarino se aplicar também a embarcações submersíveis do tipo do Titan, tecnicamente falando uma embarcação submersível difere de um submarino pela sua capacidade autônoma de deslocamento. Segundo a National Oceanic and Atmospheric Administration, do Reino Unido, submarino é uma embarcação com capacidade de navegar no oceano por si mesma a partir de um porto de origem, enquanto um submersível possui reservas limitadas de energia tendo que ser transportado ao local de imersão por um outro veículo que se encarrega do lançamento e resgate do veículo.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

em-paris,-lula-participa-de-cupula-que-discute-novo-pacto-financeiro-global

G1 Mundo

Em Paris, Lula participa de cúpula que discute novo pacto financeiro global

A agenda ainda prevê reuniões separadas com lideranças políticas no seu último dia na Europa -- antes da França, Lula esteve em Roma e no Vaticano. Veja alguns dos principais eventos do dia (no horário de Brasília, 5h a menos que o de Paris): 4h40: diálogo de Alto Nível da Cúpula para um Novo Pacto Financeiro Global7h: encontro com o presidente de honra da France Insoumise na Assembleia Nacional da […]

today23 de junho de 2023 13

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%