G1 Mundo

Submersível desaparecido: empresa demitiu diretor que questionou segurança de veículo turístico

today21 de junho de 2023 10

Fundo
share close

As dúvidas de Lochridge sobre a segurança do submersível desaparecido estão contidas em uma resposta que ele apresentou a uma ação movida contra ele pela empresa.

Um enorme esforço de busca da guarda costeira dos EUA e do Canadá está em andamento no Atlântico Norte depois que o submersível OceanGate que transportava cinco pessoas desapareceu no domingo (18) durante uma expedição aos destroços do Titanic.

Lochridge, piloto de submarino e mergulhador da Escócia, começou a trabalhar para a OceanGate em maio de 2015 como contratado independente antes de ser promovido a diretor de operações marítimas, de acordo com documentos judiciais.



No processo aberto no estado de Washington há cinco anos, a Oceangate acusou Lochridge de violar um acordo de confidencialidade ao divulgar informações confidenciais e proprietárias.

Em uma reconvenção, Lochridge disse que foi demitido pela OceanGate em janeiro de 2018 depois de “levantar questões críticas de segurança em relação ao design experimental e não testado da OceanGate do Titan”.

“Lochridge primeiro expressou preocupações verbais sobre as questões de segurança e controle de qualidade em relação à administração executiva da Titan para a OceanGate”, disse o documento. “Essas comunicações verbais foram ignoradas.”

Lochridge estava preocupado, dizia a reconvenção, com “o controle de qualidade e segurança do Titan, particularmente a recusa da OceanGate em realizar testes críticos e não destrutivos do projeto experimental do casco”.

Os passageiros do Titan podem estar expostos ao perigo quando o submersível atinge profundidades extremas, alertou Lochridge.

Em seu registro, Lochridge disse que a porta de observação na extremidade dianteira do submersível foi construída para sustentar uma pressão certificada de 1.300 metros, embora a OceanGate planejasse levar os passageiros a profundidades de cerca de 4.000 metros.

“A OceanGate recusou-se a pagar ao fabricante para construir uma janela de visualização que atendesse à profundidade exigida de 4.000 metros”, disse o documento.

O Titanic está a uma profundidade de cerca de 3.800 metros.

Lochridge também “encorajou fortemente” a OceanGate a usar uma agência de classificação como o American Bureau of Shipping para inspecionar e certificar o Titan, disse o documento.

“Em vez de abordar suas preocupações ou passar por ações corretivas para corrigir e garantir a segurança do Titã experimental, ou utilizar uma agência de classificação padrão para inspecionar o Titã, a OceanGate fez exatamente o oposto – eles imediatamente demitiram Lochridge”, afirmou.

De acordo com o “Insider” e o “New Republic”, que relataram o processo pela primeira vez, a reclamação foi resolvida fora do tribunal em novembro de 2018.

O CEO da OceanGate, Stockton Rush, é uma das cinco pessoas a bordo do Titan.

Além das preocupações de segurança apresentadas por Lochridge, o “New York Times” publicou na terça-feira uma carta de março de 2018 da Marine Technology Society para Rush, na qual os membros do grupo da indústria expressaram “preocupação unânime” sobre o Titan.

“Nossa apreensão é que a atual abordagem experimental adotada pela Oceangate possa resultar em resultados negativos (de menor a catastrófico) que teriam sérias consequências para todos na indústria”, disse a carta.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

motim-em-presidio-feminino-deixa-ao-menos-41-mortas-em-honduras

G1 Mundo

Motim em presídio feminino deixa ao menos 41 mortas em Honduras

Esse número ainda é preliminar e pode ser alterado, segundo Edgardo Barahona, porta-voz da Polícia. Também há pelo menos cinco feridas, que foram levadas para o Hospital Escola, na capital. A vice-ministra de Segurança, Julissa Villanueva, afirmou que a situação é de emergência no Centro Feminino de Adaptação Social. "Não vamos tolerar atos de vandalismo nem tampouco irregularidades nessa prisão. Está autorizada a intervenção imediata com acompanhamento de bombeiros, policiais […]

today21 de junho de 2023 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%