G1 Santos

Suspeito de estuprar mulher enquanto ela segurava filho de 3 anos no colo é preso no litoral de SP

today4 de julho de 2024 3

Fundo
share close

De acordo com a Polícia Militar, o suspeito é um homem em situação de rua que trabalha como pedreiro. Uma equipe da corporação foi acionada, por volta de 19h30 de quarta-feira (3), para atender uma ocorrência de tentativa de estupro na Avenida Monteiro Lobato.

Com as informações sobre a aparência do suspeito, fornecidas à PM depois que a vítima contatou a corporação via telefone, uma equipe o localizou durante a madrugada desta quinta-feira. Ele estava em um barraco improvisado por ele, próximo à linha férrea, no Centro de Mongaguá.

Ainda segundo a corporação, durante a abordagem, os agentes encontraram as roupas que correspondem às utilizadas no estupro de 27 de junho, bem como diversos instrumentos cortantes e material pornográfico.



Questionado, o suspeito apresentou informações desconexas, que geraram desconfiança. Assim, a equipe o conduziu até a Delegacia Sede de Mongaguá, onde a vítima que foi estuprada com o filho no colo o reconheceu.

Conforme apurado pela equipe de reportagem, a Polícia Civil representou pela prisão dele ao Poder Judiciário. A PM informou que outras vítimas do mesmo homem compareceram a delegacia após a prisão nesta quinta-feira.

O g1 entrou em contato com a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP) para mais informações, mas não obteve retorno até a última atualização da reportagem.

O caso ocorreu entre as ruas Orlando Ramalho e Geiza Marcok, no bairro Balneário Itaguaí. De acordo com o boletim de ocorrência, uma mulher foi abordada pelo homem, com um punhal na mão. O suspeito é acusado de puxar a mãe com a criança pelos cabelos até uma viela, onde teria cometido o crime.

À polícia, a mulher disse que saiu de um comércio e caminhava para a casa quando foi abordada pelo homem, que pedalava em uma bicicleta. Segundo o boletim de ocorrência, a vítima pensou que seria roubada e ofereceu R$ 50 à ele.

O suspeito, porém, disse que não queria o dinheiro e puxou a mulher até a viela. No local, ele a estuprou. Durante o crime, a mulher teria segurado o filho chorando no colo.

Após estuprá-la, o homem exigiu que ela entregasse o dinheiro e então a mandou ir embora “sem olhar para trás”. Em depoimento, a vítima disse que o filho não foi ferido, apesar de ter chorado durante o crime.

A mulher acionou a PM e foi levada pelos agentes ao Hospital e Maternidade de Mongaguá, onde foi atendida e passou pelo protocolo para vítima de abuso sexual, recebendo as medicações necessárias. Ela foi encaminhada ao Instituto Médico Legal (IML) para realizar exame de corpo de delito e, ainda segundo o boletim de ocorrência, a possível coleta de material biológico do criminoso.

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

justica-suspende-tres-concursos-publicos-para-diversos-cargos-em-mongagua,-sp

G1 Santos

Justiça suspende três concursos públicos para diversos cargos em Mongaguá, SP

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) suspendeu a realização de três concursos públicos para diversos cargos em Mongaguá, no litoral de São Paulo. Conforme apurado pelo g1, uma das provas já tinha sido realizada, enquanto outras duas estavam previstas para o fim deste mês. Em nota, a Prefeitura de Mongaguá informou que irá recorrer da decisão. A justificativa do juiz Guilherme Facchini Bocchi Azevedo para suspender os concursos […]

today4 de julho de 2024 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%