G1 Santos

Tia comemora a prisão de sobrinho que matou a mãe dias antes do aniversário dele: ‘presente adiantado’

today9 de julho de 2024 4

Fundo
share close

Márcia Lanzane foi morta em 21 de dezembro de 2020. A prisão de Bruno ocorreu na última segunda-feira (8) em Belo Horizonte (BH). Ele estava foragido da Justiça desde o crime. Imagens do circuito interno de segurança do imóvel mostram, na data do crime, a mãe e o filho em luta corporal.

Os dois chegaram a cair no chão e o jovem ficou em cima dela. Ele apertou o pescoço da mãe e, em seguida, começou a dar socos nela. Márcia parou de reagir, e Bruno a deixou no quarto. Nas imagens é possível ver que ele seguiu para a sala, onde se sentou para assistir televisão.

“Sua hora chegou desgraçado. Falei que íamos te pegar. […] Pessoal, conseguimos prender o Bruno em Belo Horizonte. Valeu cada km rodado. Justiça por Márcia Lanzane”, disse Mariusa nas redes sociais.



Márcia foi morta no dia do aniversário de Mariusa, que fez a publicação nas redes sociais. Ao g1, a irmã delas, Minervina Lanzane de Quadra, explicou que o sobrinho foi preso dias antes de completar 27 anos, em 22 de julho (veja a publicação abaixo).

“Ela quis dizer que agora ela conseguiu dar o troco, vindo atrás dele [para prendê-lo]. Se não fosse nós, ele ia continuar vivendo [solto]”, disse ela.

Uma das irmãs de Márcia Lanzane publicou nas redes sociais a imagem de Bruno sendo preso após 3 anos do crime — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Minervina e a irmã Mariusa saíram de Guarujá no último domingo (8) com destino a Belo Horizonte (BH) após imagens publicadas no Tik Tok da namorada dele indicarem que eles estavam na capital mineira. Elas não tiveram dúvida e fizeram a viagem ‘com a cara e coragem’.

As irmãs viram os estabelecimentos que seguiam a página da namorada no Tik Tok e foram aos comércios. Nesses locais, apresentavam a foto de Bruno e perguntavam sobre ele, que era conhecido pelas pessoas como Felipe.

Após muita pesquisa e conversa com comerciantes, descobriram o local em que o sobrinho estava morando com a namorada. Com uma cópia do mandado de prisão dele, Minervina e Mariusa acionaram a polícia para prendê-lo.

“Eles (policiais) falaram para a gente que iram ficar de campana. A gente ficou na rua debaixo e eles na de cima. A gente viu [o Bruno] e começou a buzinar para os policiais, que o abordaram”, afirmou.

De acordo com Minervina, quando Bruno viu as viu descendo do carro tentou resistir à prisão e fugir, mas foi detido pelos policiais. “Uma pessoa que estava foragida, procurada, mas ninguém estava nem aí. A gente estava cansada de procurar e não ter uma luz. Graças a Deus a gente conseguiu”.

As irmãs da vítima esperam que a Justiça seja feita e que ele tenha a pena máxima de condenação. “A gente fez o que achou que era certo. Ele tem que ficar na cadeia porque trazer ela de volta a gente não consegue, infelizmente. Valeu a pena e nós faríamos tudo de novo”.

O caso foi investigado pela Delegacia Sede de Guarujá. O inquérito policial foi concluído em 31 de maio de 2021 e encaminhado à Justiça. A prisão temporária de Bruno foi determinada pouco depois.

Após três anos foragido, Bruno foi preso por policiais militares, por volta das 13h40 de segunda-feira (8), na Rua Atalaia, no bairro Caiçara, em Belo Horizonte (BH).

De acordo com a Polícia Militar, ele resistiu a ordem de parada dos agentes e precisou ser imobilizado. Por causa disso, sofreu leves escoriações e foi levado ao Hospital Municipal Odilon Behrens.

Em nota, a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) confirmou a prisão de Bruno por causa do mandado de prisão em aberto. Após o atendimento médico, ele foi conduzido à Delegacia de Plantão para o cumprimento da prisão e, após o procedimento de polícia judiciária, encaminhado à cadeia.

Jovem que matou a mãe por herança, em Guarujá (SP), e estava foragido há três anos é preso em Belo Horizonte (BH) — Foto: Reprodução/Redes Sociais

“Trata-se de crime extremamente grave e o réu não demonstra que pretende cooperar para a aplicação da lei penal. Logo, fica mantida a decisão que decretou a prisão preventiva do acusado”, afirmou a juíza Denise Gomes Bezerra Mota, da 1ª Vara Criminal de Guarujá.

À época, em documento enviado ao TJ-SP e obtido pelo g1, o advogado Anderson Real Soares, responsável pela defesa de Bruno, alegou que o laudo necroscópico apresenta contradições e informações incompletas. Ele acrescentou que não há comprovação de que a motivação seria a herança.

Para o advogado, houve cerceamento de defesa, ou seja, quando as provas constatadas no processo não são suficientes para o julgamento.

Jovem acusado de matar a própria mãe fez postagem após o crime em Guarujá, SP — Foto: Reprodução

“Provas produzidas unilateralmente pelos órgãos da acusação penal não servem para o processo penal e não podem basear condenações, muito menos suposições e teorias colocadas pela acusação”, afirmou Anderson.

O TJ-SP, no entanto, discordou da alegação da defesa e manteve a decisão de primeiro grau de que Bruno deve ser levado ao júri.

A defesa ainda pediu que o acusado não seja julgado por feminicídio. De acordo com ele, não há elementos de que a motivação estava relacionada a vítima ser uma mulher ou provas de um histórico de violência doméstica.

Polícia Civil divulgou possíveis disfarces de jovem procurado por matar a mãe — Foto: Polícia Civil/Divulgação

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

franca-entra-em-periodo-de-incerteza-apos-nenhum-partido-conquistar-maioria-no-parlamento

G1 Mundo

França entra em período de incerteza após nenhum partido conquistar maioria no Parlamento

"E agora, o que vamos fazer?" .É a pergunta de um dos principais jornais de Paris (veja a imagem abaixo). Dá o tom do impasse que a França enfrenta daqui em diante. A coligação de esquerda - formada pelos partidos socialistas, comunistas, verde e França Insubmissa, da esquerda radical - conquistou a maior bancada na Assembleia Nacional. França entra em período de incerteza após nenhum partido conquistar maioria no Parlamento […]

today8 de julho de 2024 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%