G1 Mundo

Ucrânia: conquistas de Soledar e Bakhmut poderiam acabar com artilharia russa

today14 de janeiro de 2023 11

Fundo
share close

O exército ucraniano afirma, nesta sexta-feira (13), conter uma intensa ofensiva russa em Soledar, pequena cidade no leste do país, sob pressão crescente das tropas de Moscou. Uma vitória na região poderia custar, para a Rússia, toda sua artilharia e prejudicar as possibilidades de uma ofensiva de inverno. O Conselho de Segurança da ONU deve se reunir na noite desta sexta-feira para discutir a situação na Ucrânia, quase 11 meses após o início da invasão russa.

“O inimigo lançou quase todas as suas forças principais na direção de Donetsk e está mantendo uma ofensiva de grande intensidade [em Soledar]”, disse o vice-ministro ucraniano da Defesa, Ganna Maliar, no Telegram.

Os russos tentam conquistar esta área do leste da Ucrânia, junto com a cidade de Bakhmut, localizada 15 km a sudoeste de Soledar. “É uma fase difícil da guerra, mas vamos vencê-la”, prometeu Maliar.



A captura de Soledar, de cerca de 10.000 habitantes antes da guerra, agora completamente destruída, permitiria a Moscou finalmente ter uma vitória militar, após uma série de reveses humilhantes.

Os combates em torno da cidade duram vários meses, mas sua intensidade aumentou nos últimos dias, com o exército ucraniano lutando contra os mercenários do grupo paramilitar russo Wagner. “Nossos combatentes estão tentando bravamente manter nossa defesa”, disse Maliar.

O exército russo concentrou suas doze brigadas de artilharia ao redor de Bakhmut e Soledar. Quase todos os canhões russos estão lá: a artilharia motorizada de grande calibre, como o 2S7 Pion de 207mm e os canhões 152, mas também lançadores de mísseis rebocados da década de 1980.

Moscou está usando seus estoques, de acordo com Philippe Gros, pesquisador da Fundação de Pesquisa Estratégica de Paris. Para evitar o desgaste muito rápido da artilharia, eles limitam os disparos diários a 24 tiros por canhão. “Uma arma 152, após 2.000 tiros, deve ser substituída”, explica Gros.

“Não está nada claro que os russos tenham muita artilharia de reserva. A operação para manter a retaguarda é pesada. Desde o início da guerra, eles já usaram centenas de canhões rebocados, o que significa que sua artilharia já estava gasta antes deste conflito. Tem um problema de desgaste que se torna absolutamente decisivo. É por isso que me pergunto com o que eles poderão equipar as tropas para voltar à ofensiva. Com que material? Que munição?”, questiona o pesquisador. 

Um segundo contingente dos 300.000 soldados russos recrutados logo estará operacional. As forças russas poderiam ainda ser complementadas por uma segunda leva de recrutamentos, para um grande ataque no final do inverno. 

Mas sem a artilharia, este ataque seria essencialmente humano, com “soldados descartáveis”, como são chamados pelos próprios generais russos, antes de cada ofensiva.

Segundo o Instituto para o Estudo da Guerra (ISW), organização sediada nos Estados Unidos que acompanha a evolução dos combates em tempo real, “as forças russas (na realidade) provavelmente capturaram Soledar em 11 de janeiro”.

Para sustentar sua declaração, o ISW aponta para “fotos georreferenciadas publicadas em 11 e 12 de janeiro” que “indicam que as forças russas provavelmente controlam a maior parte, senão toda, de Soledar e provavelmente expulsaram as forças ucranianas da periferia oeste da cidade”.

Mas, de acordo com o Instituto, a captura da cidade “provavelmente não indicaria um cerco iminente de Bakhmut” e “não permitirá que as forças russas exerçam controle sobre as importantes linhas terrestres de comunicação ucranianas” para as grandes cidades da região. 

Tudo para evitar conquista de Soledar e Bakhmut

Na quinta-feira, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, prometeu fornecer “tudo o que for necessário” para que seu exército resista aos ataques russos em Soledar e Bakhmut.

Na véspera, o líder do grupo mercenário russo Wagner, Yevgeny Prigojine, havia reivindicado a captura de Soledar, antes de ser rapidamente desmentido não só por Kiev, mas também pelo Ministério da Defesa russo com o qual mantém relações de rivalidade.

Sem apresentar números, Mykhaïlo Podoliak, assessor da presidência ucraniana, já reconheceu à AFP “perdas significativas” nesta “batalha sangrenta”, estimando que também foram “enormes” no campo adversário. No entanto, o Ministério da Defesa russo não confirmou.

O exército ucraniano disse ter repelido ataques na quinta-feira em mais de uma dezena de localidades da região. “Ainda há muito trabalho a fazer”, disse o porta-voz presidencial russo Dmitry Peskov a repórteres.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

rebeldes-do-tigre-entregam-armas-ao-exercito-da-etiopia,-mas-tropas-da-eritreia-preocupam

G1 Mundo

Rebeldes do Tigré entregam armas ao exército da Etiópia, mas tropas da Eritreia preocupam

Apesar dos avanços visíveis nos últimos dois meses, os sentimentos entre os etíopes sobre o acordo de paz vão da esperança à desconfiança. A guerra acabou envolvendo também a Eritreia, que não participou das conversas lideradas pela União Africana sobre o fim das hostilidades. O país vizinho cruzou a fronteira para apoiar as tropas federais etíopes quando o conflito estava em andamento e não saiu totalmente quando ele oficialmente acabou. […]

today14 de janeiro de 2023 11

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%